Navigation

Campanha vai defender carne nacional

As duas organizações querem estimular consumo de carne suíça Keystone

A União de Agricultores suíços (USP) e a Sociedade Protetora dos Animais (PSA) lançam campanha para incitar os consumidores a comprar carne suíça "produzida respeitando os animais".

Este conteúdo foi publicado em 14. maio 2001 - 15:24

Parece protecionismo mas, por enquanto, se trata apenas de uma campanha informativa promovida pela aliança inusitada entre as influentes União de Produtores Suíços (USP) e Sociedade Protetora dos Animais (SPA).

Intitulada "o coração ou a carteira", a campanha visa incitar o consumidor a comprar carne suíça "produzida com critérios de respeito aos animais", em oposição às "fábricas de animais" transportados em longas distâncias. Os exemplos citados são os matadouros na Bélgica e o transporte de porcos na União Européia.

Estão em jogo quase 1 bilhão de francos (US 600 milhões) por ano que os suíços gastam carne estrangeira. São 400 milhões de francos só no chamado "turismo de compras", do outro lado da fronteira com a França e Alemanha, principalmente.

Hansjoerg Walter, presidente da USP, diz que os produtores suíços estão conseguindo baixar preços e respeitar melhor as regras ecológicas. Mariane Staub, presidente da SPA diz que a nova política agrícola de pagamentos diretos estimula formas mais respeitosas na criação. Segundo ela "comprando carne suíça, o consumidor está contribuindo para a proteção dos animais".

Produzir com critérios mais respeitosos dos animais também é mais rentável, segundo o agrônomo Hans-Ulrich Huber, da USP. Ele citou um estudo da Politécnica de Zurique (EFFZ) considerando que o custo veterinário de um vitelo criado ao ar livre é 8 vezes inferior à criação em estábulo.

A campanha quer denunciar "os sofrimentos que estão por detrás dos produtos importados" e considera a afetosa e o mal da vaca louca como "conseqüências nefastas" da produção industrializada de animais.

O consumidor suíço já está bastante sensibilizado. O consumo de carne com apelação suíça passou de 12% em 1998 para 20% atualmente, segudo a SPA. Os ovos de gainhas soltas também são preferidos aos ovos de granja.

Durante a campanha, serão distribuidos folhetos nas residências de todo o país e agricultores vão informar os consumidores nas fronteiras com a França e a Alemanha.

swissinfo com agências

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?