Casa grande & senzala russa à beira do lago de Genebra

O município de Collonges-Bellerive em Genebra atrai milionários de todas as partes do mundo Google Earth

O oligarca do petróleo Rishat Safin foi condenado recentemente pela Procuradoria Geral de Genebra por anos de emprego de pessoal mal pago e não declarado em sua mansão à beira do lago.

Este conteúdo foi publicado em 12. setembro 2020 - 14:12
Marie Maurisse, Gotham City

Em 2005, ao visitar o vilarejo de Vésenaz acima do Lago de Genebra, Rishat Safin foi arrebatado por uma suntuosa vila no chique município do sudoeste suíço.

Talvez fosse a vista do lago ou a calma do lugar; seja qual for o motivo, como informou o jornal Tribune de Genève, Safin o comprou por CHF 20 milhões ($21,8 milhões).

Gotham City

Fundada pelos jornalistas investigativos Marie Maurisse e François Pilet, Gotham City  é um boletim informativo focado em vigilância legal e crimes econômicos.

Cada semana Gotham oferece aos assinantes relatórios sobre casos de fraude, corrupção e lavagem de dinheiro ligados ao setor financeiro suíço, com base em documentos legais acessíveis ao público.

A cada mês, o duo seleciona um de seus artigos para serem expandidos e oferecidos gratuitamente aos leitores da SWI swissinfo.ch.

End of insertion

A quantia não é astronômica para os russos. Rishat Safin (irmão de Ralif Safin - ex-vice-presidente do grupo Lukoil, segundo a Wikipedia russa) chefiou uma subsidiária da Lukoil, bem como fundou a empresa de distribuição de petróleo Artoil.

Com uma fortuna de centenas de milhões, Safin - apesar da discrição de sua casa na Suíça - conseguiu chegar à lista dos "300 mais ricos da Suíça", elaborada anualmente pela revista financeira Bilan.

No entanto, 600 metros quadrados de área habitável e 10.000 metros quadrados de terreno não cuidam de si mesmos sozinhos. Safin tampouco poderia mantê-los por conta própria. Assim, em 2011, ele colocou um anúncio na Rússia à procura de pessoal. Após uma rápida entrevista por Skype, ele pagaria uma passagem aérea para as empregadas domésticas escolhidas, na sua maioria mulheres, que se encontrariam então em Vésenaz.

Condições rigorosas

As tarefas variavam desde limpar a residência até cuidar da filha mais nova de Safin, passando pelo cozimento de sua sêmola favorita até o polimento dos talheres de prata. Mas as condições eram difíceis: uma semana podia durar entre 70 e 89 horas e os salários eram mais baixos do que o mínimo oferecido pela empresa de Safin. As domésticas também tinham que suportar o bullying de sua mãe, uma mulher que parecia não apreciar o trabalho do pessoal russo.

E se eles reclamassem, seu passaporte poderia ser confiscado; em seguida, seriam enviados de volta para a Rússia.

Entre novembro de 2011 e junho de 2015, uma sucessão de funcionários foi e veio na vila à beira do lago. Após meses de tão grande rotatividade, a situação acabou sendo submetida ao sindicato SIT, que a informou ao escritório cantonal de inspeção e relações de trabalho (OCIRT) de Genebra, que por sua vez lançou um inquérito.

De acordo com a sentença proferida mais tarde pelo Gabinete do Procurador Geral em Genebra, acessada por Gotham City, o OCIRT disse que sua investigação tinha confirmado as más condições de trabalho na residência do Safin. Também informou que Safin "recusou-se propositalmente a fornecer informações precisas numa tentativa de evitar a inspeção e impedir a descoberta de violações".

Condenação parcial

Quando compareceu diante de um juiz em Genebra, Safin estava alegadamente mais solícito. "O acusado admitiu a maioria dos fatos apresentados a ele, exceto aqueles relacionados à exploração injusta de funcionários", disse o juiz Cédric Genton.

Após a ordem, Safin decidiu pagar seu pessoal de acordo com os acordos coletivos existentes. Ele regularizou seu status junto à previdência social e às autoridades fiscais. Um processo no tribunal trabalhista de Genebra, que havia sido iniciado pelos próprios funcionários, foi retirado.

Mas a Procuradoria Geral ainda precisa tratar de algumas questões pendentes, incluindo o emprego não autorizado de estrangeiros, a falta de colaboração durante o inquérito do OCIRT e o possível tráfico de pessoas.

Esta última acusação, no entanto, não foi incluída na sentença e nas conclusões parciais de 16 de junho de 2020, que observaram: "Não resultou destes procedimentos que o acusado tenha exercido qualquer forma de coerção sobre seu pessoal doméstico a fim de explorar seu trabalho".

Como alguns dos eventos são muito antigos para serem processados, Safin recebeu uma multa de CHF 270.000 - suspensa por 180 dias - uma multa obrigatória de CHF 7.500, e CHF 600 em custas judiciais. Na ordem da sentença, ele declarou um salário mensal de CHF 100.000.

Após o caso, ele deixou a Suíça para se estabelecer em Chipre, onde também assumiu a nacionalidade cipriota, de acordo com a recente investigação "Cyprus papers", liderada pela Al Jazeera.

O advogado de Safin, Pascal Aeby, recusou-se a comentar a questão.

Partilhar este artigo