Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

China pode lesar mercado de pedras do Brasil

Produtores brasileiros preferem, em geral, exportar material bruto (foto: J.Gabriel Barbosa)

Os chineses ameaçariam, de fato, o mercado de pedras semi-preciosas brasileiras.

Isso porque o brasileiro parece pouco empenhado em defender esse setor e até manifesta um profissionalismo falho no comércio do produto para o exterior.

É muito difícil generalizar. Mas conversando com o atacadista suíço da área (Didier Rodelli, 35 anos de Waedenswil, perto de Zurique, talvez o maior da Suíça) tivemos a impressão de que os produtores brasileiros de pedras semi-preciosas deixam escapar um filão importante: o do trabalho de acabamento, limitando-se principalmente à produção de material bruto.

Didier Rodelli – que dispõe de uma área de 500 m2 repleto das mais diferentes pedras, procedentes dos 4 cantos do mundo (China, Austrália, Madagascar, África do Sul, Marrocos, Estados Unidos, Uruguai e Argentina), mas, principalmente do Brasil – deve com freqüência importar o produto brasileiro para a China. E uma vez que ele é trabalhado naquele país, importa para a Suíça, onde o coloca a disposição dos lojistas do ramo.

Seriedade em questão

Ele notou que o brasileiro não parece realmente querer defender um segmento da produção importante que dá mais valia ao produto. Quando ele faz encomendas específicas de produtos, de tal e tal dimensão, o que recebe corresponde geralmente apenas parcialmente ao estipulado e o acabamento deixa a desejar. E uma agravante: o prazo de fornecimento combinado é pouco respeitado. “Será no fim do mês, brinca o importador, mas não se sabe de que mês”.

Se o atacadista faz a mesma encomenda na China, tem a certeza de que irá receber o produto realizado segundo o que foi acertado no acordo. E tem a certeza também de que o prazo será observado à risca, afirma.

O chinês forneceria, portanto, o produto na medida exata estabelecida e no prazo fixado. E levaria uma outra vantagem sobre o brasileiro: o transporte China-Rotterdam-Zurique fica pelo mesmo preço que o transporte do produto brasileiro no trecho Rotterdam-Zurique, ou seja muito mais barato.

Brasil abre espaço para a China

Quem trabalha no comércio sabe que as leis do mercado são impiedosas. Quem quiser fazer negócios de certo vulto é preciso, por assim dizer, entrar no esquema.

Se, por exemplo, no ramo específico que abordamos, se atende a determinada demanda, o produto fornecido precisa ser uniforme.

Outra norma de referência para não assustar o cliente é que os preços sejam bastante estáveis. Não é o caso do Brasil, nesse setor. Da China, sim, observa Rodelli.

A conclusão de tudo isso é lógica: o brasileiro perde fatias do mercado, perde divisas, perde possibilidade de criar ou manter postos de trabalho. O Brasil, o maior produtor de pedras semi-preciosas deixa escapar oportunidades e acaba perdendo know-how no setor.

Fica a pergunta: a China é uma real ameaça? Só uma investigação mais aprofundada pode dar uma resposta. Mas que o Brasil perde terreno nesse campo, não restaria dúvida. Se não é que já tenha tomado consciência do problema.

Parodiando Drummond de Andrade: “no meio do caminho tinha uma pedra...”. No caso, muitas pedras...

swissinfo, J.Gabriel Barbosa

Breves

As pedras semi-preciosas distinguem-se das preciosas pela dureza, que é menor. O diamante, por exemplo, tem índice 10 de dureza, a esmeralda tem 7.5 a 8, a ametista 7 e a malaquita 3.5 a 4.

O Brasil é o maior produtor mundial de pedras semi-preciosas que saem principalmente dos Estados de Minas gerais e Rio Grande do Sul.

No mercado figuram também em destaque países como a China, a Austrália, Madagascar, África do Sul, Marrocos, Estados Unidos, Uruguai, Argentina,

A demanda maior é de quartzo (quartzo rosa), cristal e ametista, ou seja, as pedras mais conhecidas.

Aqui termina o infobox

×