Navigation

Suíços ajudam a descobrir a estrela mais distante

A estrela Icarus só é visível porque está sendo ampliada pela gravidade de um enorme aglomerado de galáxias (à esq. na foto) que fica entre a Terra e a galáxia que contém a estrela distante. Os painéis à direita mostram a visualização em 2011, em que Icarus ainda não é visível, em comparação com o brilho da estrela observado em 2016 NASA, ESA and P. Kelly, University of Minnesota

A star has been found nine billion light-years from Earth by an international research team with Swiss involvement. 

Este conteúdo foi publicado em 03. abril 2018 - 11:36
SDA-ATS

Uma estrela foi encontrada a nove bilhões de anos-luz da Terra por uma equipe de pesquisa internacional com envolvimento suíço.

A estrela maias distante já registrada, batizada de Icarus pelos cientistas, pôde ser observada pelo Telescópio Espacial Hubble graças às suas lentes gravitacionais. Sua luz seria, sob circunstâncias normais, muito fraca para ser vista da Terra, anunciou a Universidade de Genebra em um comunicado na segunda-feira.

Seu nome oficial é "MACS J1149 + 2223 Lensed Star 1", em referência ao aglomerado de galáxias - localizado a cerca de cinco bilhões de anos-luz da Terra - cuja gravidade distorceu o espaço ao seu redor, fazendo com que a luz de Ícaro (localizada atrás do aglomerado) fosse distorcida e ampliada cerca de 2.000 vezes.

"Nós conseguimos ver pela primeira vez uma estrela a cerca de nove bilhões de anos-luz de distância", disse Jean-Paul Kneib, professor do laboratório de astronomia do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Lausanne (EPFL).

"Esta estrela está pelo menos 100 vezes mais longe do que a estrela mais distante que pudemos estudar até agora, com exceção da explosão de supernovas", acrescentou Patrick Kelly, da Universidade de Minnesota, Twin Cities.

Antonio Cava, do departamento de astronomia da Universidade de Genebra, disse que os astrônomos conseguiram aprender uma “enorme quantidade de informações” sobre a estrela e seu ambiente.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.