Devemos temer o coronavírus de Wuhan?

Este conteúdo foi publicado em 03. fevereiro 2020 - 12:29

O coronavírus de Wuhan é agora uma "emergência sanitária internacional" de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que por outro lado não recomenda restringir os movimentos com a China. Temos então razão para entrar em pânico? Chequemos os fatos.

Modelo em 3D do coronavírus 2019-nCoV. Keystone / Centers For Disease Control And

 

Por que chama-lo de coronavírus?

End of insertion

Porque sob o microscópio ele parece estar rodeado por uma coroa. O 2019-nCoV está na mesma família do vírus SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), que apareceu na China em 2003, e do MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), que apareceu na Arábia Saudita em 2012.


De onde vem o 2019-nCoV?

End of insertion

De um animal, cobra ou morcego, que o teria passado para um humano, provavelmente no mercado de Wuhan. É importante saber que os chineses gostam de todo o tipo de carne que não se encontra nos nossos supermercados ocidentais. E para garantir o frescor, os mercadores oferecem animais vivos.

25 de janeiro de 2020. Essa rua em Pequim não é nada mais animada que as de Wuhan, após o cancelamento das festividades do ano novo chinês. Keystone / Wu Hong

 

Como se transmite o vírus?

End of insertion

Como seus predecessores, o coronavírus de Wuhan pode passar de animais para humanos e de humanos para humanos. Ele é transmitido através de contato muito próximo com um animal ou pessoa doente - contato íntimo, tosse ou espirro, habitat partilhado, ou cara a cara a menos de um metro de distância duma pessoa infectada.

 

Até que ponto ele é perigoso?

End of insertion

Aqui, há dois fatores a serem levados em consideração: transmissão (o 2019-nCoV é transmitido com bastante facilidade) e taxa de mortalidade (proporção de pessoas que morrem por total de infectados), lembra o epidemiologista Harris Héritier. Atualmente, o New England Journal of Medicine (EUA) estima a letalidade do vírus Wuhan em cerca de 4%. Em comparação, a taxa foi de 9,5% para o SARS e 34% para o MERS.

 

Existem grupos específicos de risco?

End of insertion

"Suspeitamos que sim, mas com base em epidemias anteriores", explica Harris Héritier. "De fato, os dados ainda não nos permitem dizer se existem grupos mais vulneráveis ​​que outros. E pode ser perigoso fazer suposições nessa direção, porque vimos com a gripe espanhola que as pessoas mais vulneráveis ​​eram as que tinham maior imunidade."

 

De que modo esses coronavírus são mais perigosos que os da gripe sazonal?

End of insertion

A gripe mata entre 290.000 e 650.000 pessoas em todo o mundo a cada ano (de acordo com estimativas da OMS), mas isso representa apenas cerca de 0,1% das pessoas que contraem a gripe. Sua taxa de mortalidade é, portanto, baixa, como havia sido a da gripe espanhola (que também surgiu na China, apesar do nome) de 1918 a 1919: cerca de 2%, mas que se espalhou tanto que causou 50 a 100 milhões de mortes , de acordo com estimativas.

 

Mais de 90% das pessoas que contrairão a doença não morrerão - mas como serão os efeitos para elas?

End of insertion

"Pode parecer uma gripe, mas não conhecemos todos os sintomas possíveis e todos reagem de maneira bem diferente", explica Harris Héritier. "Isso significa que as pessoas que pegaram a gripe apenas ficaram em casa, se recuperaram e não entram nas estatísticas". Portanto, o número real de casos é maior do que sabemos, o que reduz a taxa de mortalidade geral.

 

Existe algum remédio contra o 2019-nCoV?

End of insertion

Não. Não mais do que havia contra outros coronavírus. Quando os pacientes são afetados por uma forma grave da doença, os médicos tentam evitar outras complicações respiratórias ou infecciosas. Por outro lado, a sequência genética do vírus de Wuhan foi identificada em tempo recorde e vários potenciais vacinas estão nos trilhos, na China, nos Estados Unidos e na Austrália. Mas, considerando o tempo necessário para testes, a vacina provavelmente chegará tarde demais.

 

As máscaras faciais são úteis?

End of insertion

Na Suíça (onde nenhum caso de doença foi registrado ainda, lembre-se), as farmácias estão esgotadas. Como em outros países. Alguns aproveitam a oportunidade para revendê-las a preços proibitivos na internet. No entanto, essas máscaras são realmente úteis apenas para pessoas que já estão doentes, para evitar contaminar outras pessoas. Como repetem todas as autoridades de saúde, tendo em mente a OMS, a precaução número um é lavar as mãos com muito cuidado.

A Índia registou o seu primeiro caso de infecção por coronavírus. Em Ahmadabad, muçulmanos usam máscaras e oram a Deus para protegê-los. Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved

 

Por fim, o pânico que está tomando conta da mídia, redes sociais e parte do público é justificado?

End of insertion

Das pragas da Idade Média ao Ebola, o ser humano sempre temeu uma peste que mataria a todos nós. E de Hieronymus Bosch a Stephen King, passando por todos os autores de romances, filmes e séries apocalípticas, os humanos não cansam de encená-lo, como uma criança que gosta de sentir medo.

O último relatório da OMS (em 31 de janeiro) registra cerca de 15.000 casos confirmados em todo o mundo e 370 mortes, todos na China exceto um nas Filipinas. Nas redações - incluindo a swissinfo.ch - há uma constante pergunta sobre o lugar a ser dado a essa notícia, entre o dever de fornecer informações e o risco de alimentar o pânico. Nas redes sociais, por outro lado, exagero, desinformação e histeria são mais contagiosos que o vírus.

Como lembrete, o SARS desapareceu em um ano depois de matar 800 pessoas e o MERS ainda está no ar, mas matou "apenas" 838 pessoas oficialmente até o momento.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo