Perspectivas suíças em 10 idiomas

Inundações nas cidades se tornam uma questão prioritária para a Suíça

Uma área alagada
Crianças se divertindo em um parquinho coberto pela água do Lago Neuchatel, no porto de Cudrefin, após fortes chuvas nos últimos dias, na sexta-feira, 16 de julho de 2021, em Cudrefin, no cantão de Vaud. KEYSTONE

As mudanças climáticas pressionam a Suíça a mudar sua estratégia de lidar com inundações urbanas. À medida que os riscos de inundação aumentam, cidades adotam maneiras inovadoras de reduzir os riscos.

Você acha esse tema interessante e gostaria de receber uma seleção do nosso melhor conteúdo diretamente no seu endereço e-mail? Assine nosso boletim informativo clicando AQUI.

Christian Eicher, engenheiro civil aposentado que passou grande parte de sua carreira trabalhando no controle de enchentes e drenagem urbana, nunca esquecerá o ano de 1986. Foi quando sua cidade natal, Melchnau, no cantão de Berna, passou pelo que ele chama de “trauma coletivo”.

Em 20 de junho daquele ano, a região recebeu fortes chuvas. As ruas de Melchnau ficaram inundadas com mais de 50 mm de chuva por hora. “Casas e prados ficaram inundados, estradas foram destruídas e carros foram virados de ponta-cabeça. A principal via urbana foi inundada com um metro de água”, diz ele. “Na época, a prefeitura tinha pouca experiência na elaboração de um plano de gestão urbana de enchentes e não tinha ideia de quanto custaria”, acrescenta.

Para mostrar como as inundações têm sido frequentes e devastadoras nas últimas três décadas, Eicher as documentou tirando fotos. A cidade sofreu graves inundações em 2007 e 2010.

Duas fotos mostrando antes e depois da inundação
Melchnau 2019 / 1986 Mobiliar Lab for Natural Risks / BVE, Tiefbauamt Bern
Duas fotos mostrando antes e depois da inundação
Melchnau 2019 / 2007 Mobiliar Lab for Natural Risks / Christian Eicher
Duas fotos mostrando antes e depois da inundação
Melchnau 2019 / 2010 Mobiliar Lab for Natural Risks / Christian Eicher

Inundações urbanas são um problema global

Melchnau não é um caso isolado na Suíça. Nos últimos 40 anos, quatro em cada cinco municípios suíços sofreram inundações, cerca de dois terços (62%) dos edifícios estão expostos ao escoamento superficial, e uma em cada sete pessoas na Suíça vive em um edifício exposto a inundações de acordo com o Laboratório Mobiliar para Riscos NaturaisLink externo da Universidade de Berna.

As inundações são consideradas pela Suíça como um perigo “secundárioLink externo“, definido como eventos independentes, de alta frequência, de pequeno a médio porte, que são mais difíceis de monitorar do que furacões e terremotos. Mas isso não significa que eles não causem danos substanciais.

O Instituto Federal Suíço de Pesquisa de Florestas, Neve e Paisagem (WSL) vem registrando e analisando sistematicamente os danos causados pelas enchentes desde 1972. De acordo com um relatório publicado em 2021Link externo, “as inundações são o perigo natural com a maior quantidade de danos na Suíça”. Uma enchente em agosto de 2005 causou o maior dano registrado no banco de dados de danos do WSL: cerca de três bilhões de francos (US$ 3,3 bilhões).

As mudanças climáticas elevaram as inundações urbanas para o topo da lista de prioridades dos governos locais e levaram à implementação de soluções inovadoras em todo o mundo. Um artigo de 2022Link externo na revista científica Nature Communication diz que 1,8 bilhão de pessoas, ou 23% da população mundial, vivem em áreas diretamente expostas a um risco de inundação de 1 em cada 100 anos. De acordo com relatórios do Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres, as inundações causaram danos globaisLink externo estimados em US$ 651 bilhões apenas entre 2000 e 2019; O número de grandes enchentesLink externo também mais que dobrou nesse período, passando de 1.389 para 3.254. Notadamente, espera-se que as perdas desses eventos se multipliquem em um fator de 20Link externo até o final do século 21.

A Austrália é conhecida por suas medidas de controle de enchentes e uma abordagem inovadora de gestão da água desde a década de 1980 chamada Design Urbano Sensível à Água. Essa estratégia reduz os fluxos de águas pluviais e aumenta a umidade do solo por meio de infraestruturas descentralizadas, como telhados verdes, pavimentos permeáveis, áreas úmidas construídas e tanques de águas pluviais. Conceitos semelhantes em outros lugares incluem o Sistema de Drenagem Urbana Sustentável do Reino Unido, o Desenvolvimento de Baixo Impacto dos Estados Unidos e o Programa de Águas Ativas, Belas e Limpas de Cingapura.

Na Dinamarca, Copenhagen está adotando uma nova abordagem para evitar as repetidas inundações. O SkybrudsplanLink externo em curso, ou Plano de Gestão Cloudburst, custa 1,8 bilhões de euros (1,76 bilhões de francos suíços) e visa transformar a cidade numa “esponja”. A ideia é redesenhar os espaços públicos e as infraestruturas para que possam absorver e reter grandes quantidades de água da chuva, tal como uma esponja, durante os períodos de chuva intensa, e liberá-la de volta ao ciclo da água.

Na China, 70 cidades em rápidoLink externo crescimento também adotaram o conceito de “cidade esponja” para gerenciar o fluxo de água e reduzir o risco de inundações.

Priorizando o planejamento urbano

Em comparação com aqueles países, a implementação de estratégias de gestão de inundações na Suíça ficou para trás. Foi apenas em 2018 que o Ministério Federal para o Meio Ambiente (MFMA), juntamente com o setor de seguros, começou a desenvolver e publicar o primeiro mapa de risco de escoamento superficial em toda a Suíça.

De acordo com as autoridades suíças, o investimento financeiro anual da Suíça em infraestruturas de proteção contra inundações permaneceu entre 50 e 230 milhões de francos suíços entre 1970 e 2008. Desde 2008, os custos aumentaram significativamente, oscilando entre 250 milhões e 400 milhões de francos. No entanto, isso está longe de ser suficiente para compensar os danos causados por uma rara inundação pontual. Uma publicação de 2020 do Escritório Federal de Proteção Civil da Suíça (FOCP) mostra que uma inundação muito rara poderia causar danos superiores a 10 bilhões de francos.

Gráfico
Tabela de investimentos feitos pelo governo federal em proteção contra inundações desde 1970. Ministério suíço do Meio Ambiente (BafU).

A Suíça está alguns anos atrasada, mas as alterações climáticas estão a trazer o seu próprio conjunto de desafios aos urbanistas suíços e aos gestores de águas pluviais urbanas. “Na Suíça, só nos últimos anos se percebeu o impacto significativo que as inundações pluviais podem ter nas infra-estruturas e nas actividades socioeconómicas”, diz João Leitão, professor adjunto e chefe do grupo de Inundações Urbanas e Hidroinformática do Instituto Federal Suíço de Ciência e Tecnologia Aquática (Eawag).

Apesar de, em geral, os danos causados por cada evento de inundação pluvial serem menores do que os causados pelas inundações fluviais, a longo prazo os impactos cumulativos das inundações pluviais podem ser comparáveis aos das inundações fluviais devido à sua maior frequência.

Gráfico
O Globo

As chuvas intensas que se iniciaram em maio provocaram as piores enchentes já registradas na história do Rio Grande do SulLink externo. O enorme volume de água afetou 388 municípios, mais da metade do estado, deixando bairros inteiros submersos e forçando a evacuação da população das áreas de risco para abrigos públicos.

Mais de 327 mil pessoas estão desbrigadas e 69 mil alojadas em abrigos públicos. Além disso, 134 pessoas estão desaparecidas e 107 morreram em decorrência da tragédia, que já é considerada a maior já vivida pelo estado. Ao todo, mais de 1,4 milhão de pessoas foram afetadas. Esse número supera a catástrofe de 1941, quando as cidades gaúchas também foram atingidas por uma cheia histórica.

No início do ano, a jornalista Victoria Abel, do jornal O Globo, publicou um artigoLink externo sobre um estudo assinado em 29 de setembro de 2023 pelo Ministério das Cidades e a Casa Civil. O estudo revela que o número de municípios com moradores em áreas de risco, ou seja, suscetíveis a desastres climáticos como deslizamentos, enxurradas e inundações, aumentou para 1.942, representando um crescimento de 136% desde 2012. Nessas cidades, vivem mais de 8,9 milhões de pessoas.

Essa lista representa 34,9% dos 5.570 municípios brasileiros. O número mais do que dobrou em relação a 2012, quando 821 municípios estavam sob maior risco de desastres naturais. Para elaborá-la, o governo considerou, entre outros fatores, os municípios com registros de mortes e desalojamentos por desastres climáticos, bem como a população vivendo em áreas de risco e com alta vulnerabilidade a inundações. O Brasil tem, no total, 203 milhões de moradores, segundo o Censo de 2022.

Em resposta, o governo planeja implementar o primeiro Plano Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNDC), previsto em uma lei promulgada em 2012, mas que deve ser lançado em junho de 2024. O objetivo do plano é identificar as áreas sujeitas a riscos de desastres no país, como as que assolam o Rio Grande do Sul atualmente, propor estratégias e criar um gerenciamento integrado com estados e municípios. Especialistas afirmam que, se já estivesse em prática, o plano poderia ter ajudado a mitigar os impactos da tragédia gaúcha.

Além disso, o Programa de Aceleração do CrescimentoLink externo (PAC) destinará até R$ 14,9 bilhões para infraestrutura e realocação de moradias em áreas de alto risco, buscando reduzir a vulnerabilidade das populações atingidas por desastres naturais.

* SWI swissinfo.ch solicitou o estudo às assessorias de imprensa do Ministério das Cidades e Casa Civil, mas até o momento da publicação deste artigo, não obteve resposta.

As “dores de crescimento” das cidades e assentamentos suíços também agravam o risco de inundações urbanas. A construção deve acompanhar o crescimento populacional e a urbanização. De acordo com o Banco MundialLink externo, a população urbana da Suíça quase dobrou entre 1960 e 2022. Atualmente, quase três quartos da população suíça vive em áreas urbanasLink externo, onde cerca de 80% da atividade econômica do país está concentrada.

Com base no que observou em Melchnau, Eicher diz que o aumento de superfícies impermeáveis reduz a infiltração. “Com concreto e asfalto cobrindo áreas que antes eram entregues à grama e ao solo, a água das fortes chuvas não tem para onde ir, resultando em alagamentos”, diz.

A crescente concentração populacional e de infraestrutura nas áreas urbanas expõe o país a perdas financeiras ainda maiores com as enchentes. De acordo com Robin Poëll, porta-voz do Ministério Federal para o Meio Ambiente, cerca de 20% da população suíça vive atualmente em áreas com risco de inundação devido à proximidade com rios e lagos. Cerca de 30% dos postos de trabalho e um quarto dos ativos materiais da Suíça (840 bilhões de francos suíços) estão localizados nestas zonas.

Dada a probabilidade de ocorrência e o potencial de danos, “as inundações tornaram-se um dos riscos dominantes na Suíça, e a proteção contra inundações é uma alta prioridade na agenda suíça”, diz Poëll.

Distribuição complexa das responsabilidades pela gestão dos riscos de inundação

Embora o governo suíço esteja aumentando os investimentos em infraestrutura de proteção contra inundações, pesquisadores suíços estão reconhecendo que as abordagens tradicionais para a gestão de inundações urbanas por si só podem não ser mais suficientes para garantir a resiliência às inundações. Eles agora estão explorando novas estratégias para combater as inundações urbanas.

O Laboratório Mobiliar de Riscos Naturais lançou um projeto de pesquisa em 2018 intitulado “Iniciativa de Pesquisa sobre Riscos de Inundações: da Teoria à Prática”, que visa desenvolver uma ferramenta sobre a dinâmica de inundações, e um modelo de potenciais danos causados por inundações capaz de alertar não apenas sobre as próximas inundações, mas também sobre seus efeitos. Esses efeitos incluem os impactos do aumento e recuo das águas das enchentes em populações, locais de trabalho, edifícios e estradas.

“Pela primeira vez, os danos potenciais das inundações podem ser identificados visualmente em toda a Suíça até o nível da vizinhança”, diz Andreas Zischg, professor da Universidade de Berna que participou do projeto. “Podemos ver quando, onde e quantas pessoas podem precisar ser evacuadas, e quando e onde as estradas podem ficar intransitáveis”, diz ele. “Essas informações podem ser usadas por equipes de defesa civil locais, seguradoras, empresas de logística e outras para ajudar na comunicação de riscos, treinamento e planejamento em nível operacional.”

Em 2019, Leitão e sua equipe desenvolveram um dispositivo radical pronto para o mercado chamado CENTAUR (Cost-Effective Neural Technique to Alleviate Urban Flood Risk) que pode ser facilmente instalado em sistemas de drenagem existentes para reduzir os riscos de inundação locais em áreas urbanas.

Ele foi projetado para otimizar o uso da capacidade existente disponível na tubulação, combinando técnicas computacionais sofisticadas com dispositivos de controle de fluxo para atenuar e armazenar água durante períodos de alto risco de inundação.

Até hoje nenhuma cidade suíça o adotou, embora tenha sido instalado em Coimbra, a quarta maior cidade de Portugal, e em alguns municípios do Reino Unido. Leitão diz que a complexa distribuição de responsabilidades na gestão do risco de inundações pluviais urbanas na Suíça e a coexistência de diferentes tipos de sistemas de drenagem nas zonas mais recentes e mais antigas das cidades podem explicar a dificuldade em explorar novas soluções de gestão das inundações pluviais.

Como acontece em outros países com sistemas políticos federais, tais como a Alemanha ou a Áustria, a gestão suíça dos riscos de inundação caracteriza-se por uma complexa distribuição de responsabilidades entre diferentes níveis e setores de governo. Além disso, a introdução de uma abordagem inovadora para a gestão da água e a engenharia hidráulica toca em áreas como planejamento urbano, energia, conservação da natureza e muitas outras.

Mas as coisas estão se movendo, ainda que lentamente. Algumas cidades na Suíça já começaram a introduzir os conceitos de cidade-esponja em novos projectos para mitigar as inundações. Leitão cita o projeto de cidade-esponja da VSA (Associação dos peritos suíços em águas residuais e proteção da água), que promove a utilização de infra-estruturas azuis e verdes na Suíça para reduzir as inundações e as descargas de águas pluviais, bem como para melhorar os serviços dos ecossistemas, como a redução do calor, o aumento da biodiversidade.

Quando ele para à beira do rio em Melchnau, Eicher agora pode ver mudanças. Em 2021, o município decidiu investir mais de quatro milhões de francos em um amplo projeto de proteção contra enchentes, incluindo a construção de quatro instalações de retenção e o alargamento do canal de fluxo para reduzir o risco de que córregos transbordem suas margens. “Antes tarde do que nunca”, diz o engenheiro.

Edição: Virginie Mangin/gw

Adaptação: DvSperling

Mostrar mais

Debate
Moderador: Ying Zhang

Como o governo combate inundações?

Você já viveu uma inundação? Testemunha um aumento significativo de enchentes no país em que vive? Que medidas são tomadas pelo governo para evitar tragédias? Foram medidas eficazes?

6 Curtidas
16 Comentários
Visualizar a discussão

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR