Navigation

Pandemia não prejudicou atratividade das universidades suíças

Estudantes em setembro de 2020, quando as universidades ainda estavam abertas. Keystone / Gian Ehrenzeller

A Suíça é um destino procurado por estudantes internacionais que, apesar da pandemia do coronavírus, continuam chegando à Suíça. Eles enfrentam, contudo, mais desafios para se instalarem.

Este conteúdo foi publicado em 12. março 2021 - 10:00

Quando Giuseppe Gruttad'Auria, um estudante de mestrado originário da Itália, chegou à cidade de Friburgo, no oeste da Suíça, em agosto do ano passado, as restrições Covid-19 haviam sido aliviadas. A reabertura das universidades estava programada para o semestre de outono, embora sob rigorosas medidas de higiene e mascaramento. Ele pôde frequentar um curso de francês antes do início do semestre e fazer alguns amigos e conhecer a região. Mas em novembro tudo isso havia mudado.

Pela segunda vez naquele ano, as universidades suíças voltaram ao ensino à distância, pois uma segunda e forte onda de coronavírus atingiu grande parte da Europa, inclusive a Suíça.

Isto não impediu Giuseppe, que está fazendo um duplo mestrado em Economia Pública e Finanças Públicas na Universidade Suíça de Friburgo e na Universidade Italiana do Piemonte Oriental.

"Na Itália trabalho como tutor universitário, ensinando matemática e estatística, mas a pandemia me permite fazer meu trabalho online durante todo o ano acadêmico. Isto me motivou a considerar estender minha estadia na Suíça [do mínimo previsto de um semestre] para um ano, para terminar os cursos de mestrado aqui, incluindo também o projeto de pesquisa", declarou Giuseppe.

A situação na Itália, onde as restrições eram mais rigorosas, também desempenhou um papel importante. "Aqui na Suíça eu me senti mais livre apesar da situação, mantendo a máxima atenção e observância", disse ele.  O estudante diz que não se importa com o aprendizado on-line. Mas o lado social do intercâmbio é diferente; é mais difícil estabelecer imediatamente "laços de amizade e entrar em contato com a cultura local".

Vários casos

Giuseppe não é um caso isolado. Uma pesquisa rápida das universidades suíças* sugere que temores de que menos estudantes estrangeiros se matriculariam no outono passado geralmente não se concretizaram. É claro que ajuda que os estudantes estrangeiros ainda possam entrar na Suíça (ver quadro).

Restrições de entrada

Estudantes estrangeiros de países da UE/EFTA podem entrar na Suíça, sujeitos às regras normais de imigração e regras de quarentena, quando necessário.

Estudantes estrangeiros de países terceiros podem ser admitidos para cursos de educação e treinamento que duram mais de 90 dias, desde que atendam aos requisitos normaisLink externo. Isto inclui todos os países terceiros, incluindo o Reino Unido e a África do Sul.

Os estudantes de países terceiros devem se inscrever em sua representação local suíça no exterior para poder entrar na Suíça. O pedido será então encaminhado à agência cantonal de imigração no local onde a escola ou universidade está localizada. Esta agência examinará e processará o pedido de autorização de residência para poder estudar.

Fonte: Secretaria de Estado de Migração (SEMLink externo)

End of insertion

O cenário acadêmico da Suíça é altamente internacionalizado, o que é fundamental para seu sucesso. Os estrangeiros representam 30% dos estudantesLink externo, de acordo com os últimos números; 56% dos doutorandos vêm do exterior, o segundo nível mais alto da OCDE.

Mas ao contrário dos Estados Unidos ou do Reino Unido, também destinos populares dos estudantes estrangeiros, os estudantes estrangeiros não são um fator financeiro. As taxas universitárias na Suíça continuam baixas, mesmo para aqueles que se matriculam do exterior (cerca de 1.500 francos - ou 1.546 dólares - por ano na Escola Politécnica Federal de Zurique - ETH).

Na Universidade de Genebra e na Universidade da Suíça Italiana (USI), no cantão do Ticino, as matrículas estrangeiras aumentaram devido ao aumento do número de estudantes dos países vizinhos França e Itália. Aqui a continuidade do ensino, boas classificações em rankings e notícias favoráveis da mídia italiana sobre a gestão da pandemia suíça desempenharam um papel, disse a USI. A Universidade de Friburgo também registrou um aumento de estudantes estrangeiros para 2020 (cerca de 47% de aumento em relação ao ano anterior). Alemães e franceses compõem as maiores quotas de estudantes, com os italianos em terceiro lugar. Havia 164 estudantes de 57 outros países também.

Em outras universidades suíças, como a Universidade de Basiléia, houve uma pequena queda no número de estudantes estrangeiros no bacharelado. "Para os estudantes estrangeiros de graduação e pós-graduação, as restrições de viagem e quarentena existentes fizeram com que alguns desistissem dos estudos no exterior", disse o porta-voz da universidade, Matthias Geering.

No entanto, a mesma universidade registrou um aumento no número de estudantes de mestrado, um diploma cada vez mais popular entre os estudantes internacionais.

Intercâmbios em baixa

Todas as universidades pesquisadas relataram menos estudantes estrangeiros em programas mais curtos como o Erasmus. Por exemplo, existem atualmente 233 estudantes de universidades parceiras no Escola Politécnica Federal de Lausanne - EPFL, enquanto normalmente são 650 estudantes. 

Na Universidade de Zurique, os números iniciais mostram que a maioria dos estudantes de intercâmbio vem da Europa. A mobilidade fora da Europa tem sido mais fortemente afetada pelas restrições de entrada e viagem, disse a universidade.

Em muitas universidades, no entanto, as matrículas em geral estão em alta, já que os estudantes universitários residentes na Suíça renunciaram a seus anos de intervalo antes do início dos estudos.

Em outros países

Em outros países, o quadro também é misto. Os EUA viram uma quedaLink externo de 43% nas matrículas internacionais para o outono de 2020 em relação ao ano anterior, sendo que a política mais restritivaLink externo da administração Trump em relação aos estudantes internacionais também desempenhou um papel.

A AustráliaLink externo ainda limita o número de estudantes internacionais com permissão de entrada como parte de suas medidas contra a pandemia. Mas o Grã-BretanhaLink externo viu um aumento de nove por cento nos estudantes internacionais de fora do Reino Unido e da União Europeia a partir deste outono. A vizinha AlemanhaLink externo relatou tendências similares às da Suíça.

A Rede Suíça de Estudantes Erasmus (ESN), que ajuda estudantes internacionais de longo e curto prazo a se estabelecerem em instituições suíças de ensino superior, relata um grande impacto sobre a mobilidade de estudantes e sobre seu trabalho, com uma queda de até 50% nos estudantes estrangeiros em média em seus escritórios locais.

Ajuda disponível

Além dos desafios habituais como barreiras linguísticas, altos custos de vida e burocracia administrativa, os estudantes estrangeiros agora enfrentam proibições de viagem, exigências de testes Covid e quarentena na chegada, explicou a presidente da ESN Suíça, Dana Mozaffari.

"Nossos estudantes voluntários locais criaram 'programas de apoio durante a quarentena' cujo objetivo é fornecer ajuda aos estudantes recém-chegados com compras, tarefas administrativas e um apoio moral", disse.

"No entanto, também ouvimos falar de procedimentos administrativos mais onerosos para estudantes internacionais em algumas universidades anfitriãs, que acreditamos deveriam ser evitados neste contexto difícil".

Estudantes internacionais

Os estudantes internacionais são definidos como aqueles com um diploma secundário obtido fora da Suíça e atualmente matriculados em uma instituição suíça de ensino superior.

A maioria dos estudantes internacionais na Suíça vem de países vizinhos como Alemanha, França, Itália e Áustria. As estatísticas mostram que o maior número de estudantes de países não pertencentes à UE vem da China, Índia, EUA, Rússia e Turquia.

Fonte. Depto. Federal de Estatísticas (BFSLink externo). “NCCR on the move”.

End of insertion

Afinal, por que os estudantes ainda estão interessados em ir para o exterior durante a pandemia? "Uma coisa que não muda é a motivação desses estudantes internacionais em sair de sua zona de conforto e vir estudar na Suíça", afirmou Mozaffari.

Os cursos podem ser on-line, mas a experiência estudantil no exterior também tem a ver com a descoberta do país e sua cultura. Eles também contribuem para a internacionalização acadêmica do país, uma "prioridade estratégica máxima dentro do setor de ensino superior suíço", acrescentou Mozaffari.

E quanto ao futuro? Globalmente há muita discussão sobre mudanças a longo prazo na mobilidade estudantil, como no caso dos estudantes chineses. Eles formam um grande grupo entre os estudantes suíços internacionais (ver quadro), e poderão optar por uma maior proximidade com seu país de origemLink externo. Por outro lado, a própria China, Índia e Itália poderão se tornar novos destinos popularesLink externo. Os efeitos de longo prazo na Suíça só serão visíveis no futuro.

* Informações obtidas de oito das 12 universidades suíças e Escolas Politécnicas Federais entre janeiro e fevereiro de 2021

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.