Universidades privadas pensam como empresas para enfrentar a escassez de capacitação

As universidades são uma forma, mas não a única, de suprir a falta de profissionais de TI na Suíça. Keystone / Damian Dovarganes

A Suíça tem algumas das universidades mais bem classificadas do mundo, mas ainda enfrenta críticas por não atender às necessidades do mercado de trabalho. Um empresário respondeu criando uma universidade privada, administrada como uma empresa para atender às necessidades dos setores empresariais.

Este conteúdo foi publicado em 07. julho 2020 - 08:00
Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Serguei Beloussov diz ter fundado o Instituto Schaffhausen de Tecnologia (SIT) para desafiar um "sistema relativamente ineficiente" de educação superior. "A Academia está focada em publicações enquanto os negócios estão focados em resultados", disse à swissinfo.ch.

"As universidades públicas estão todas bem e boas, mas poderiam ser melhores se se concentrassem em problemas específicos", acrescenta ele. "A ciência é conhecimento que precisa ser convertido em produtos que possam resolver desafios para a sociedade".

O SIT foi fundada há um ano em colaboração com a Universidade Nacional de Singapura e a Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos. Ela começará a receber estudantes em Schaffhausen em setembro, agora que tem um campus funcional.

O SIT não é o primeiro estabelecimento de ensino superior privado a se estabelecer na Suíça. A paisagem inclui vários centros de formação em turismo e hotelaria, assim como a Escola de Administração IMD para estudos de gestão. Mas o SIT planeja funcionar mais como uma empresa do que muitos lugares tradicionais de ensino.

O instituto recebeu CHF3 milhões (US$ 3,2 milhões) em financiamento do cantão de Schaffhausen, no norte da Suíça. As taxas para programas de mestrado em ciência da computação e engenharia de software (a serem posteriormente expandidas para áreas como tecnologia quântica) são fixadas em CHF5.000 por semestre (CHF2.500 para residentes suíços).

Mas o instituto pretende gerar a maior parte de seu financiamento através de uma gama de serviços e investimentos. Estes incluem um parque tecnológico proposto para startups, cooperação com empresas spin-off universitárias, consultoria, investimentos imobiliários e pesquisa em áreas tais como robótica, inteligência artificial e saúde digital.

O modelo de autofinanciamento parece promissor para Gaétan de Rassenfosse, presidente de inovação e política de PI da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL). "As universidades privadas normalmente geram receitas através da venda de mestrados, o que pode criar incentivos perversos. Gerar receita com a pesquisa e injetá-la na educação é uma ideia interessante", disse.

Matthias Ammann, especialista em ensino do grupo de reflexão Avenir Suisse, deu as boas-vindas ao instituto privado como um "vento fresco" que poderia promover a diversidade e aumentar a concorrência no cenário do ensino superior suíço. Mas o SIT ainda precisa provar seu valor através de seu desempenho, acrescentou eleo

"Se eles quiserem atrair estudantes de alta qualidade, precisarão começar a conduzir uma pesquisa profunda", advertiu Ammann.

Uma das questões que a SIT quer resolver é a falta de profissionais de TI altamente qualificados, necessários para preencher um número crescente de postos de trabalho exigentes. O setor na Suíça previu um déficit de milhares de funcionários adequados nos próximos anos.

Beloussov, cidadão de Singapura, está muito consciente do problema de recrutamento - ele também é o fundador e CEO da empresa de TI Acronis, que está incorporada em Schaffhausen e opera em grande parte fora de Singapura. O SIT tem o objetivo a longo prazo de alojar 2.500 estudantes em seu campus principal no futuro, criando uma linha de produção de gestores e empresários de TI.

Quando se trata de criar uma força de trabalho para a indústria, as universidades são apenas uma parte do quebra-cabeças, de acordo com especialistas em educação. "Se a economia quer mais programadores e engenheiros, então precisamos começar a atender essa demanda nas escolas secundárias e tornar essas profissões mais atraentes para as mulheres", diz Ammann.

De Rassenfosse também adverte contra a expectativa de que as universidades forneçam todas as respostas sob medida para a falta de profissionais. "A Suíça já oferece uma rica mistura de perfis, com formação profissional adaptada às necessidades da indústria e universidades que oferecem uma formação mais genérica", disse.

"A necessidade de fortalecer as habilidades digitais na força de trabalho suíça não será totalmente atendida pela próxima geração de estudantes". Precisamos formar novamente as gerações mais velhas de trabalhadores através de programas de ensino superior".

Um exemplo é a Escola de Extensão da EPFL que oferece cursos online sobre o tema da transformação digital para estudantes de todas as idades e origens acadêmicas.

Partilhar este artigo