Navigation

Contra a Aids, só a prevenção não basta

Sur 6 millions de malades, seul 400'000 bénéficient d'un traitement. Keystone

A seção suíça da ONG Médicos Sem Fronteiras pede ao governo privilegie as terapias contra a Aids nos países em desenvolvimento.

Este conteúdo foi publicado em 02. dezembro 2004 - 12:56

Depois de ter trabalhado muito tempo na prevenção, a Suíça reviu sua estratégia e há um ano dá mais importância ao tratamento da doença.

Graças à terapia à base de medicamentos antirretrovirais (ARV), a Aids tornou-se uma doença crônica, portanto administrável, observa a ong Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Mas esses tratamentos são caros e reservados aos países ricos. Eles são raramente disponíveis para os doentes dos países pobres, onde vivem 95% das pessoas soropositivas.

Privilegiar o tratamento

MSF incita o governo suíço a concentrar ainda mais seus programas de ajuda no tratamento da doença e não únicamente na prevenção.

"É verdade que durante muito tempo nos focalizamos na prevenção", reconhece Walter Fust, da Direção do Desenvolvimento e Cooperação (DDC), órgão do governo suíço. "Mas há cerca de um ano, nós também investimos no tratamento da doença", acrescenta.

"Um dos problemas que enfrentamos é o sistema de saúde local. O acompanhamento psicológico e social é fundamental para que os doentes tomem os remédios", explica Walter Fust.

É possível!

Esse é geralmente o argumento dos governos dos países industrializados, constata MSF. Eles alegam a falta de infra-estrutura médica e de pessoal qualificado como obstáculo à promoção das triterapias nos países pobres.

Em seus próprios projetos, Médicos Sem Fronteiras demonstrou que é possível tratar a aids nos países em desenvolvimento, com sucesso comparável ao dos países ricos.

Desde 2001, MSF distribui os ARV a 23 mil pacientes em 27 países em desenvolvimento. Graças a esses tratamentos, as pessoas infectadas retomam energia para trabalhar e sustentar suas famílias.

Remédios genéricos

MSF incita, portanto, todos os governos dos países industrializados e dos países pobres a se comprometerem com o tratamento dos soropositivos, mesmo no contexto difícil dos países em desenvolvimento.

Mas é preciso que esses países tenham recursos para ter acesso às triterapias, que são caras. Os genéricos - cópias mais baratas - são uma solução.

Nesse contexto, foi concebido um sistema para relativizar os acordos sobre a propriedade intelectual dos medicamentos. A proposta foi aceita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra, em agosto de 2003, mas o prazo se esgota no final do ano passado.

"Devemos fazer tudo para prolongar esse acordo. Também é do interesse da indústria farmacêutica de não concentrar-se apenas nos países com alto poder aquisitivo mas também onde a demanda é forte", afirma Walter Fust.

Ajuda financeira

Médicos Sem Fronteiras lembra ainda que a maioria da ajuda financeira prometida pelos países doadores para lutar contra a Aids não foi depositada.

Criado em 2001 pela ONU, o Fundo Mundial de Luta contra a Aids, a tuberculose e e o paludismo recebeu 2,1 bilhões de dólares em dois anos. Isso permitiu financiar 227 projetos em 122 países.

Segundo MSF, 10 bilhões de dólares por seriam necessários para conter a propagação da Aids no mundo.

swissinfo com agências

Fatos

20 milhões de mortos desde 1981
8 mil mortos por dia
40 milhões de pessoas infectadas
6 millions de malades
Apenas 400 mil estão em tratamento

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?