Teste de imunidade começa em alguns hospitais suíços

Vários hospitais suíços pretendem realizar exames de sangue para avaliar quantas pessoas já foram infectadas pela Covid-19 - incluindo as que já podem ter adquirido imunidade.

A análise de uma amostra de sangue pode revelar anticorpos específicos para o coronavírus © Keystone / Christian Beutler

O Hospital Universitário de Lausanne, no cantão de Vaud - a região suíça com mais casos positivos até agora - realizará entre 1000 e 2000 exames diariamente.

Eles serão voltados, no início, ao pessoal hospitalar e aos pacientes, assim como uma amostra da população.

Gilbert Greub, do departamento de microbiologia do hospital, disse à Rádio e Televisão Suíça RTS que tais testes começariam a oferecer um quadro mais amplo da crise, já que, atualmente, apenas pessoas com sintomas estão sendo testadas.

A análise de uma amostra de sangue pode revelar anticorpos específicos para o coronavírus, disse. Uma amostra representativa da população com 5000 pessoas seria suficiente para tirar conclusões mais amplas. Mais conhecimento sobre o número de pessoas que acumularam imunidade seria essencial para evitar uma segunda ou terceira onda de infecções uma vez que as medidas de confinamento são facilitadas, disse ele.

"Uma vez que uma pessoa tenha contraído o coronavírus, provavelmente ela estará imune e, portanto, protegida", disse Greub. "A questão é quanto tempo esta imunidade dura. [...] A questão da mutação surge, e poderíamos imaginar que um vírus ligeiramente diferente seria capaz de reinfectar uma pessoa".

Greub disse que cerca de 70-80% da população precisaria ser imune para evitar uma nova onda.

Nenhum teste desse tipo está atualmente planejado a nível nacional, embora hospitais em Zurique, St Gallen e Genebra os estejam planejando em suas respectivas regiões.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo