Covid-19 pode provocar a pior recessão na Suíça desde o pós-guerra

O setor de turismo, que já perdeu um quarto do seu faturamento no primeiro trimestre do ano, foi o que mais sofreu com a pandemia. Keystone / Urs Flueeler

O produto interno bruto (PIB) da Suíça deve se contrair em cerca de 6% este ano. E esse é o melhor cenário possível. Se houver uma segunda onda da pandemia, a economia pode mergulhar em uma crise ainda pior do que a dos anos 70.

Este conteúdo foi publicado em 18. junho 2020 - 15:15
Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

O Coronavírus causou um duro golpe na economia suíça já no primeiro trimestre do ano, fazendo o PIB cair 2,6% em relação aos três meses anteriores. Mas as medidas de contenção tomadas desde meados de março fazem com que a desaceleração econômica seja ainda mais grave no segundo trimestre.

Para o ano como um todo, a Secretaria de Estado da Economia (SECO) espera que o PIB caia 6,2%, enquanto o desemprego deverá atingir 3,8% em relação ao ano anterior (contra 2,3% em 2019). Um pouco mais otimista é o Centro Econômico Suíço (KOF), que prevê uma queda do PIB de 5,1%.

O governo e os cantões tomaram um pacote de medidas no valor de mais de CHF60 bilhões (US$ 63 bilhões), que deverá permitir a recuperação da economia no segundo semestre do ano e a retomada do crescimento sólido em 2021. Desde que não haja outra grande onda de casos de coronavírus e que os principais mercados de exportação de bens suíços, a começar pela UE, EUA e Ásia, também saiam da crise.

Se não for este o caso, o PIB poderá afundar mais de 7% este ano, de acordo com a SECO. Esta seria a pior contração desde a Segunda Guerra Mundial.

Conteúdo externo

Aqui está um resumo das principais crises econômicas que atingiram a Suíça nas últimas décadas:

A crise do petróleo

Após duas décadas de boom econômico e demográfico, a Suíça foi duramente atingida pela crise global dos anos 70. Isso foi desencadeado por disputas políticas e energéticas que levaram a uma explosão nos preços do petróleo quase da noite para o dia. No entanto, ela também esteve ligada a fatores estruturais. Na Suíça, como em muitos países europeus, ela marcou o declínio do setor secundário, especialmente da indústria pesada, e o advento de uma economia cada vez mais baseada em serviços.

Em 1975, o PIB suíço caiu 6,7%, o que continua sendo o recorde do pós-guerra. O emprego caiu mais de 10%, mas o número de desempregados permaneceu abaixo de 1%; na ausência de um seguro-desemprego obrigatório, centenas de milhares de trabalhadores estrangeiros foram obrigados a deixar a Suíça.

A 'longa recessão'

Após um crescimento sustentado na década de 1980, com pleno emprego, a década seguinte foi marcada pela "longa recessão". O PIB não caiu, mas oscilou entre -0,9% e +0,5% durante vários anos. A taxa de desemprego atingiu 5,7%, um recorde do pós-guerra. O mercado imobiliário entrou em crise e os bancos foram forçados a retomar milhares de imóveis e empréstimos ruins no valor de CHF40 bilhões.

11 de setembro

Os ataques terroristas em Nova York em 2001 abalaram a economia mundial e criaram sérias incertezas para os investidores. A economia suíça só flertou com a recessão, mas experimentou um crescimento anêmico nos dois anos seguintes. Entre 2001 e 2003, o desemprego subiu de 1,5% para 4,3%. A fim de apoiar a recuperação econômica, os principais bancos centrais, incluindo o Banco Nacional Suíço (BNS), iniciaram uma fase de taxas de juros baixos, que continua até hoje.

A crise financeira mundial

Nos Estados Unidos, a política monetária de juros baixos do Federal Reserve incentivou a formação de uma bolha imobiliária, que estourou em 2007. A crise do subprime - empréstimos hipotecários concedidos a clientes insolventes - transformou-se em uma crise financeira internacional no ano seguinte. Na Suíça, o governo e o BNS tiveram que intervir para resgatar o maior banco do país, o UBS.

Em 2009, o PIB caiu drasticamente em 2,2%. Mas a Suíça se recuperou melhor do que outros países europeus dessa crise, e quase bem demais em termos de taxas de câmbio: a força da economia suíça em relação à zona do euro empurrou o franco para cima, ameaçando a indústria exportadora. Mais de dez anos depois, o banco central suíço ainda tem que concentrar grande parte de seus esforços no combate à valorização do franco suíço em relação ao euro.

Partilhar este artigo