Navigation

Skiplink navigation

Famílias esperam reduzir custos com os filhos

O Parlamento aprovou projeto do governo suíço de aplicar mais de 96,8 milhões de francos suíços (97,3 milhões de dólares) em subsídios para creches e outros serviços de acolhimento de crianças.

Este conteúdo foi publicado em 04. maio 2017 - 11:00
swissinfo.ch com agências/cg
Crianças na cantina de uma creche. Keystone

A proposta foi lançada no ano passado com o intuito de contraatar pessoal e ampliar o leque de opções de assistência à infância.

A Suíça é conhecida por ter uma assistência à infância muito cara em comparação com outras países ocidentais, como revelado em uma pesquisa realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em 2015.

O custo total de um lugar numa creche - depois de deduzir várias formas de assistência - chega a cerca de 30% do renda média suíça. A Suíça investe apenas 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) na assistência à infância, menos do que a maioria dos outros países europeus.

Na terça-feira, a Câmara dos Deputados seguiu o Senado e aprovou os incentivos financeiros para as autoridades cantonais e locais durante os próximos cinco anos.

Os que apoiaram o projeto, principalmente partidos de centro e de esquerda, argumentaram que os custos extra-familiares das crianças estavam a desencorajar muitas mulheres de procurar emprego e que a mão-de-obra feminina - depois de uma lei que limita os trabalhadores imigrantes - e que precisava de um impulso. 

O ministro do Interior, Alain Berset,  disse que a Suíça está muito atrás de outros países no apoio às institituições infantís.

Os adversários da medida advertiram que os incentivos do Estado estavam minando os esforços privados e levaria a um aumnto dos gastos federais.

Desde 2003, o governo atribui cerca de 350 milhões de francos para as creches, criando mais de 54 mil vagas para crianças em creches.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo