Aumenta a deportação de criminosos estrangeiros

Em 2018, os tribunais suíços emitiram ordens de expulsão para 71% de todas as condenações que se qualificavam para a expulsão obrigatória.

A maioria dos infratores estrangeiros que receberam uma ordem de deportação em 2018 eram homens Keystone / Salvatore Di Nolfi

O número de estrangeiros condenados por um crime que receberam ordens de expulsão foi de 1.702, de acordo com informações divulgadas pelo Departamento Federal de Estatística na segunda-feira (24). A porcentagem é ligeiramente superior ao número registado em 2017 (69%).

A maioria dos casos envolveu infratores do sexo masculino. Apenas um quarto das condenações de estrangeiros titulares de uma autorização de residência B ou C foram acompanhadas de uma ordem de expulsão. Os condenados por crimes que implicam uma pena de prisão mais longa tinham maior probabilidade de serem expulsos do país: a taxa de aplicação foi de 94% para penas de prisão superiores a dois anos. Nos casos em que os tribunais decidiram contra uma ordem de expulsão, os motivos não foram registados.

O percentual das ordens de expulsão não inclui as condenações por furto e fraude no âmbito da segurança social e das prestações sociais, uma vez que estas não figuram de forma suficientemente pormenorizada no registo criminal, afirmou o serviço de estatística. Em 2018, o serviço foi criticado por ter comunicado os números de expulsão e teve de rever os seus dados, que inicialmente incluíam todas as categorias de condenações por fraude.

A lei de deportação entrou em vigor em janeiro de 2017 e abrange a expulsão de estrangeiros residentes na Suíça que são condenados por uma série de crimes, como homicídio, danos corporais graves, agressão sexual e crimes graves contra a propriedade. Os eleitores aprovaram uma cláusula na lei que permite que os tribunais se abstenham de emitir uma ordem de expulsão em certos "casos de dificuldade".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo