Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Crise aérea divide Suíça e Alemanha

Ministros Kurt Bodewig e Moritz Leuenberger

(Keystone)

Fracassaram na terça-feira 14, as negociações entre Suíça e Alemanha sobre o tráfego aéreo no Aeroporto Internacional de Zurique. As exigências alemãs aumentaram com ameaças de medidas unilaterais.

Em abril, um pré-acordo bilateral limitava os movimentos de decolagem e aterrissagem a 100 mil por ano. Atualmente a cifra é de 154 mil.

Na tentativa de finalizar o acerto, o ministro suíço dos Transportes, Moritz Leuenberger (que assume também a presidência rotativa do país) e seu colega alemão, Kurt Bodewig reuniram-se na terça-feira, 14/8 em Berna.
O desacordo foi total.

A novidade é que a Alemanha mostra-se mais exigente. Caso não se chegue a acordo no próximo encontro, dia 4 de setembro, ameaça exigir unilateralmente redução dos movimentos de vôo a 80 mil no Aeroporto Internacional de Zurique.

A agenda reúne três pontos importantes:

- indenização dos ribeirinhos do sul da Alemanha, afetados pelo ruído dos aparelhos que pousam em Zurique. (A fronteira alemã está a 25 km do aeroporto. E 95% dos distúrbios resultantes do trânsito das aeronaves afetam a província alemã de Baden-Würtemberg;

- a compatibilidade entre o acordo germano-suíço e o acordo concluído entre a Suíça a União Européia (que em princípio deve vigorar no ano que vem);

- a redução por etapas do tráfego aéreo sobre Baden-Würtemberg.

Fortes pressões políticas

Os dois lados estão sob pressão política, com ameaças dos respectivos parlamentos de não ratificarem um acordo que seja desfavorável. Também são fortes as pressões das populações vizinhas do aeroporto, do lado suíço e do lado alemão.

A posição suíça parece fortalecida pelo acordo bilateral com a União Européia (EU, sobre o tráfego aéreo, previsto para entrar em vigor no ano que vem.

O ministro Leuenberger pode argumentar que as exigências alemãs implicam discriminação até porque não são aplicadas em aeroportos da Alemanha e de outros países da UE. Caso sejam aplicadas, significam perda de competitividade para o Aeroporto de Zurique.

swissinfo com agências.


Links

×