Perspectivas suíças em 10 idiomas

Suíça vai para final de concurso europeu de música

imagem
Nemo em uma apresentação em Estocolmo no dia 14 de abril. KEYSTONE

A notícia de que a Suíça é uma das favoritas para vencer o Festival Eurovisão da Canção deste ano fez com que um país acostumado à decepção pensasse no impensável. Porém, a vitória levantaria várias questões complicadas.

Você acha esse tema interessante e gostaria de receber uma seleção do nosso melhor conteúdo diretamente no seu endereço e-mail? Assine nosso boletim informativo clicando AQUI.

“‘La Suisse nul points, Switzerland no points’ – quase nenhum outro evento feriu nosso orgulho nacional tanto quanto o Festival Eurovisão da Canção”, lamentou a revista suíça Weltwoche na segunda-feira, três dias antes de Nemo subir ao palco em Malmö, na Suécia.

“Antes de Luca Hänni nos libertar de nossa eterna agonia [ficar em quarto lugar em 2019], tivemos que perceber ano após ano o que o resto da Europa pensava de nós: quase nada.”

É verdade que a Suíça já foi para casa sem ganhar nada mais do que qualquer outro país (um recorde que ela compartilha com a Áustria e a Noruega), mas esses dias acabaram – se você acreditar na mídia suíça.

Mostrar mais
Die Rapperin StarrLight in Basel

Mostrar mais

EAZ, Baby Volcano, StarrLight: hiphop com sotaque suíço

Este conteúdo foi publicado em O rap suíço chega até às paradas de sucesso da Alemanha. Mas os rappers também cantam em inglês, espanhol e até mesmo na língua crioula papiamento.

ler mais EAZ, Baby Volcano, StarrLight: hiphop com sotaque suíço

Quais são as chances da Suíça vencer este ano?

Será que ele vai voltar para casa? Será que o Festival Eurovisão da Canção está voltando para a Suíça 68 anos depois que a cantora suíça Lys Assia venceu a primeira edição do concurso em Lugano? Sim, Céline Dion venceu para a Suíça em 1988, mas como a Weltwoche (de direita) aponta em seu artigo pouco caridosoLink externo, “a maravilha vocal vem do Canadá”.

As casas de apostas britânicas acham que este ano há uma corrida de dois cavalos entre Nemo, da Suíça, e Baby Lasagna, da Croácia – as coisas podem ficar complicadas. A música de Nemo, The Code, uma mistura de pop, rap, drum’n’bass e ópera, era a favorita absoluta até que Baby Lasagna conseguiu se recuperar. The Code não é uma apresentação fácil de ser feita ao vivo, mas se Nemo conseguir, ser não convencional nunca foi algo ruim no Eurovision, um “festival de pop brega de baixa qualidade e alto nível”, de acordo com a revista The Economist.

Conteúdo externo

Se Nemo não ganhar, não será por falta de apoio local. Os fãs entusiasmados da cidade natal de Nemo, Biel/Bienne, no noroeste da Suíça, poderão assistir ao espetáculo em várias exibições públicas. A semifinal na quinta-feira e a final no sábado também serão transmitidas em vários bares e no cinema Kino Rex.

“Estou totalmente impressionado com o talento de Nemo”, disse Jerry Heil, cantor da Ucrânia, ao Blick. “A música de Nemo fala a gerações e tem uma mensagem que reflete o que muitos jovens estão passando. É mais do que apenas uma música. É uma experiência compartilhada.”

“Nemo é muito doce, tem uma energia calorosa e eu adoro o estilo de Nemo”, diz Aiko, representante da República Tcheca, que dá uma boa chance à banda suíça. “Nemo tem uma ótima música, uma personalidade encantadora e estou animada para ver o que a equipe criou para a produção do show.”

Embora a participante de Israel, Eden Golan, nunca tenha conhecido Nemo, ela admitiu: “Adoro a música suíça, é uma ótima música e Nemo canta muito bem.”

Quem é Nemo?

Nemo Mettler é um rapper de 24 anos. Em novembro, Nemo se assumiu como não binário – não se identificando com nenhum gênero específico – e pediu para ser chamado pelos pronomes eles/elas.

“This story is my truth/I, I went to Hell and back/To find myself on track/I broke the code, whoa-oh-oh” – a letra de The Code certamente parece parcialmente autobiográfica, e Nemo explicouLink externo que “minha verdade é me sentir confortável comigo mesmo e perceber que eu era não binário. […] Só essa sensação de poder me defender e ser eu mesmo onde quer que eu vá é a maior parte da minha verdade”.

Nemo não é, de forma alguma, o primeiro participante LGBTQ no Eurovision, que há anos tem uma base de fãs significativa na comunidade gay. Os vencedores anteriores incluem a cantora transgênero Dana International em 1998 e a artista drag Conchita Wurst em 2014 – “ela redefiniu para sempre o que o Eurovision significa para mim”, diz Nemo sobre Wurst. “Sua apresentação foi cativante, linda e muito significativa.”

Embora o Weltwoche tenha dito que ser não binário “parece ser uma característica que marca muito mais pontos no mundo paralelo desse show de aberrações musicais do que qualquer potência vocal ou senso de ritmo do mundo”, o apoio a Nemo tem sido extremamente positivo na mídia suíça.

O “talento excepcional” (Tages-Anzeiger) recebeu dois títulos na revista de celebridades Schweizer Illustrierte, e até mesmo o conceituado Neue Zürcher Zeitung, que, como disse o Weltwoche, “de outra forma só trata desses aspectos humildes da indústria do entretenimento de passagem”, fez do Festival Eurovisão da Canção a história principal de sua seção de cultura.

Se a Suíça vencer, onde o concurso será realizado no próximo ano?

Sem querer nos antecipar, uma das condições do Eurovision é que o país vencedor seja o anfitrião no ano seguinte (e se qualifique automaticamente). Então, qual seria a cidade e o local na Suíça?

O concurso percorreu um longo caminho desde que o Teatro Kursaal, em Lugano, sediou o concurso de 1956, do qual participaram sete países. Em 1989, o ano seguinte à vitória de Céline Dion, o concurso foi realizado no Palais de Beaulieu, em Lausanne, com capacidade para 1.600 pessoas, que assistiram a apresentações de 22 países.

Mas um cassino do século XIX e um centro de convenções construído em 1921 não são mais suficientes. A Malmö Arena, por exemplo, tem capacidade para mais de 15.000 pessoas para shows.

Nemo gostaria que o concurso de 2025 fosse realizado em Biel/Bienne. Mas será que a Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR), empresa matriz da SWI swissinfo.ch, vai optar pela Tissot Arena, com capacidade para 6.500 pessoas? Nunca diga nunca, mas os favoritos devem ser o Hallenstadion, em Zurique (13.000), o St Jakobshalle, na Basileia (12.400), a Geneva Arena (9.500) ou o Bernexpo, em Berna (um novo salão com capacidade para 9.000 pessoas será inaugurado na próxima primavera).

Quem paga por isso?

O Festival Eurovisão da Canção, organizado pela European Broadcasting Union (EBU), com sede em Genebra, não é barato. Há rumores de que a Irlanda, que venceu quatro vezes em cinco anos na década de 1990, estava tão desesperada para não vencer novamente que deliberadamente inscreveu uma música fraca.

O evento sem fins lucrativos é financiado principalmente por contribuições das emissoras participantes (a chamada taxa de participação), somando € 6,2 milhões (CHF 6 milhões), explicou o Eurovision em 2021. Há também uma contribuição da emissora anfitriã, que geralmente fica entre € 10 milhões e € 20 milhões, dependendo das circunstâncias locais e dos recursos disponíveis, além de uma contribuição da cidade anfitriã.

Mas nem tudo são despesas. Há uma receita comercial proveniente de acordos de patrocínio, venda de ingressos, votação pela televisão e merchandise, além, é claro, de um aumento no turismo: Malmö está esperando cerca de 100.000 visitantes de aproximadamente 90 países.

Então, o que isso significa para a Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão? “As más línguas estão afirmando que o chefe da contabilidade da SSR já está suando frio”, afirmou o Weltwoche. “Uma vitória seria incompatível com a ‘iniciativa de reduzir pela metade a taxa audiovisual’.” A iniciativa quer reduzir a taxa audiovisual de CHF 335 para CHF 200. A SSR disse que espera grandes cortes de empregos se os eleitores aceitarem a iniciativa, para a qual ainda não foi definida uma data para votação.

Mostrar mais

No ano passado, mais de 160 milhões de pessoas em todo o mundo assistiram ao show em Londres. Foram recebidos votos de 144 países. Nenhum desses milhões de espectadores se importará com a política interna suíça quando Nemo se apresentar na final amanhã.

Edição Reto Gysi von Wartburg/fh
(Adaptação: Fernando Hirschy)

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR