A vida polivalente do circo garante sua sobrevivência

Ester Unterfinger/swissinfo.ch

Como manter uma tradição em tempos modernos? O pequeno grupo circense Monti não ganha dinheiro apenas com acrobatas ou animais, mas concentra seu modelo de negócios em vários tipos de atividades.

Este conteúdo foi publicado em 03. agosto 2019 - 12:00

Em 1984, um palhaço chamado "Clown Monti" fundou um circo bastante incomum. Ele não oferecia apenas espetáculo, mas também encenações poéticas. Um ano depois, o "circo poético-decorativo" começou a sua primeira temporada.

Desde o ano passado o circo Monti tem uma nova tenda, mas dessa vez sem o tradicional mastro central. Ela é apoiada do exterior por dois arcos, o que torna possível ampliar o picadeiro e ter uma boa vista de todos os lados. O circo também aluga esta tenda para grandes eventos culturais ou festivais de música.

Durante o ano o circo também aluga 45 tendas de diferentes tamanhos, formatos e cores, além de disponibilizar a infraestrutura e montagem para eventos. Hoje é considerado um dos maiores fornecedores de serviços de circo da Europa.

O grupo circense tem seis caminhões, três tratores, dois semirreboques, nove vans de entrega e mais de trinta reboques. O trabalho exige uma boa coordenação para disponibilizar o espaço exigido e permitir a montagem dos equipamentos.

Durante a temporada o circo emprega 65 pessoas. Cada artista e funcionário administrativo participa na montagem e desmontagem da tenda e instalação dos sistemas elétricos e de água. O ambiente de trabalho é quase familiar. Ninguém deixa o outro trabalhar sozinho. 

O circo é uma empresa familiar. Christoph Muntwyler, filho do palhaço Monti, é o responsável. Todos os anos, ele contrata artistas internacionais para a nova turnê. A logística é apoiada por uma empresa externa. Os ensaios ocorrem nos locais onde o circo está instalado durante o inverno e duram oito semanas. O acompanhamento musical é feito por um grupo especialmente formado para a ocasião.

Até 2004 o espetáculo de cavalos amestrados de Niklaus Muntwyler fazia parte programa. Porém o circo Monti nunca exibiu programas com animais exóticos, mas sim animais domésticos como cabras, burros, ovelhas, gansos, patos, galinhas ou até porquinhos-da-índia. A partir de 2011 os animais foram excluídos da programação.

A terceira área de atividade do circo combina entretenimento e gastronomia. Durante o inverno ele oferece o "Monti Varieté" uma combinação de boa comida, música e entretenimento. É uma forma de gerar renda nos meses mais fracos do ano. Nesses eventos, o público pode também visitar as instalações do circo ou até mesmo passar alguns dias em um trailer. 

A temporada de 2019 começa em 9 de agosto em Wohlen (cantão da Argóvia) sob o tema "Dias de Festa".

Os ensaios são realizados durante o inverno nos diferentes lugares, onde o circo está instalado. swissinfo.ch

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo