Navigation

Janela n°5: cantão de Neuchâtel

arthur-henry.com

Entediado nas férias com seus pais, Arthur Henry colocou seu dedo - ou melhor, sua língua - na engrenagem do beatbox.

Este conteúdo foi publicado em 05. dezembro 2020 - 09:00

Beatboxing é a arte de fazer sons e ritmos com sua boca. E este artista natural de La Chaux-de-Fonds a domina com perfeição. Filho de músicos, seu pai é jazzman e sua mãe cantora, Arthur HenryLink externo estudou piano e teve aulas de acordeão. Mas ele escolheu "fazer barulhos com a boca", como ele mesmo diz.

Este desejo surgiu um pouco por acaso, quando num verão, aos 15 anos de idade, ele estava entediado durante as férias da família. Para passar o tempo, ele se divertia fazendo ritmos com sua boca. Foi então que se amarrou. Na volta, ele começou a assistir vídeos tentando reproduzir os sons que ouvia. Um aprendizado às vezes frustrante, que requer paciência e perseverança.

Como qualquer beatboxer, Arthur Henry participa de muitas "batalhas" (duelos vocais). Mas suas aspirações artísticas vão mais longe que isso. "Se você apenas fizer beatbox, isso nõ interessa ninguém. Mas se você faz algo artístico, se você faz algo bonito com o beatboxing, aí então faz sentido", diz ele. Com essa convicção em mente, ele começou a colaborar com vários músicos e cantores. Isto lhe permitiu ampliar seu espectro musical, mas sobretudo ter a coragem de perseguir suas ambições: em fevereiro de 2019, ele lançou seu primeiro álbum solo intitulado #WhoAmI (quem sou eu?).

Para descobrir Arthur Henry, sua história, seus sons, assista aqui:

Conteúdo externo

E um duelo de beatbox:

Conteúdo externo

A arte em todos os seus estados

Este ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dedicar seu Calendário de Advento ao mundo da cultura - e à cultura suíça em particular. Concertos cancelados, museus fechados, apresentações proibidas - a crise do coronavírus atingiu duramente os artistas em todos os campos.

A fim de apoiá-los à nossa maneira e permitir que você descubra seus mundos encantados e variados, lhes convidamos a abrir uma nova janela a cada dia, que revelará uma personalidade particular. Alguns são mais populares do que outros, mas todos têm em comum que são contemporâneos e reconhecidos internacionalmente em sua arte.

Siga-nos durante o mês de dezembro e conheça aqui uma rapper do Valais, um dançarino da Basileia, um escritor da Thurgau (Turgóvia), um trompetista de Friburgo...

E é bom lembrar: nossa seleção não tem a intenção de apresentar "o melhor" da arte suíça. Nós simplesmente desejamos oferecer a você uma paleta o mais rica possível. E esteja à vontade para nos apresentar ou recomendar novos artistas de sua preferência.  👇

End of insertion



Partilhar este artigo