Navigation

Janela n°9: cantão de Zurique

Paulmaerki.ch

Com sua "boca grande", ela poderia ter se jogado no cinema. Mas foi na canção que Janine Cathrein escolheu se expressar. E se saiu muito bem.

Este conteúdo foi publicado em 09. dezembro 2020 - 11:55

A cantora e líder do grupo de folk Black Sea Dahu começou a compor canções na adolescência. Quando teve que completar seu trabalho de formatura, ela naturalmente se voltou para este material e fundou o grupo Josh com três amigos, seu irmão e sua irmã.

Estar no palco com sua família permite que ela "se sinta mais confiante", diz ela. Também facilita a composição, porque seu irmão e sua irmã "entendem [sua] música melhor do que um estranho". Aventureira e determinada a descobrir como o público internacional acolhe sua produção, Janine Cathrein decidiu organizar um tour de cerca de 30 shows que levará o grupo em um trailer através da França, Alemanha, Holanda e Dinamarca em uma caravana.

Rebatizada Black Sea DahuLink externo, um nome que combina o amor da cantora pelo surf e por esta criatura mítica, a banda propõe uma "música que toca, que dá força, que é autêntica e tangível, porque pessoas reais estão trabalhando nisso", como escreve o site mX3. Com sua voz terna e sombria, Janine Cathrein destila no segundo álbum White Creatures uma atmosfera íntima e leve, apoiada por um violoncelo lancinante e os cantos polifônicos de seus comparsas.

Veja aqui a gravação da faixa que dá nome ao álbum:

Conteúdo externo

A arte em todos os seus estados

Este ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dedicar seu Calendário de Advento ao mundo da cultura - e à cultura suíça em particular. Concertos cancelados, museus fechados, apresentações proibidas - a crise do coronavírus atingiu duramente os artistas em todos os campos.

A fim de apoiá-los à nossa maneira e permitir que você descubra seus mundos encantados e variados, lhes convidamos a abrir uma nova janela a cada dia, que revelará uma personalidade particular. Alguns são mais populares do que outros, mas todos têm em comum que são contemporâneos e reconhecidos internacionalmente em sua arte.

Siga-nos durante o mês de dezembro e conheça aqui uma rapper do Valais, um dançarino da Basileia, um escritor da Thurgau (Turgóvia), um trompetista de Friburgo...

E é bom lembrar: nossa seleção não tem a intenção de apresentar "o melhor" da arte suíça. Nós simplesmente desejamos oferecer a você uma paleta o mais rica possível. E esteja à vontade para nos apresentar ou recomendar novos artistas de sua preferência.  👇

End of insertion



Partilhar este artigo