Navigation

Suíços buscam ‘descolonizar’ artefatos culturais

O museu MEG em Genebra convidou um artista Maori para criar uma nova exposição em torno dos crânios Maori. Johnathan Watts/MEG

À medida que os países europeus reexaminam seu passado colonial, devolver artefatos culturais mal adquiridos se tornou um assunto quente. Isso afeta não apenas os países de origem, mas também a maneira como todos nós nos relacionamos com o nosso passado. E atinge a Suíça também.

Este conteúdo foi publicado em 04. dezembro 2020 - 09:00

“Chegou o momento de reflexão” sobre o assunto, afirma o professor de direito da arte Marc-André Renold da Universidade de Genebra (UNIGE), “devido ao atual debate sobre a restituição de peças retiradas durante o período colonial. Na verdade, é até um momento para agir mais do que refletir. ”

Black Lives Matter aumentou a pressão, enquanto países como França e Alemanha estão muito envolvidos na reavaliação de seu passado colonial. Por exemplo, o parlamento francês votou recentemente para devolver ao Senegal e Benin certos artefatos apreendidos durante o período colonial e que eram exibidos em museus de Paris.

A Suíça não tinha colônias, mas como Boris Wastiau, diretor do Museu de Etnografia de Genebra (MEG), aponta, entidades e indivíduos suíços se beneficiaram com o colonialismo. Artefatos foram trazidos à Suíça por diplomatas, exploradores, cientistas, soldados, missionários e os ricos museus da Suíça têm muitos deles. Ele acha que é hora de museus suíços  “descolonizarem” - mas isso não significa necessariamente devolver tudo.

'As pessoas estavam chorando'

Renold lidera uma pequena equipe, que desenvolveu um banco de dados de casos de restituiçãoLink externo em todo o mundo, com o apoio da UNESCO. Ele documenta cerca de 150 casos envolvendo nações, indivíduos, museus e muitos tipos de objetos.

Alguns desses objetos têm grande significado cultural. Um dos casos citados por pesquisadores da UNIGE é uma figura de pedra de 2.000 anos da divindade Ekeko, que acabou sendo devolvida à Bolívia pelo Museu de História de Berna em 2014.

No século XIX, o explorador suíço e diplomata Johann Jakob von Tschudi supostamente trocou uma garrafa de conhaque pela estatueta, enquanto viaja no planalto andino. De acordo com pesquisadores da UNIGE, ele registrou em seu diário que as pessoas estavam chorando quando ele saiu. Esta estatueta representava sorte e prosperidade para a comunidade local, e o forasteiro levou-a de qualquer maneira.

No MEG, o único caso de restituição até agora, de acordo com Wastiau, foi em 1992, quando o museu devolveu uma cabeça Maori à Nova Zelândia como empréstimo e depois em 2011 como restituição definitiva. Wastiau diz que os restos mortais são particularmente sensíveis.

Soluções diversas

Reivindicações de propriedade cultural podem frequentemente levar a disputas que às vezes acabam nos tribunais. O banco de dados de casos de restituição da UNIGE, o ArThemis, é uma base aberta e bilíngue (inglês e francês) que foi criada em 2010 para “entender como são resolvidas as disputas em relação ao patrimônio cultural”, segundo Renold.

Sua equipe não tinha ideias preconcebidas sobre os métodos preferidos e pensava inicialmente nos casos judiciais. Mas ao montar a base de dados, diz ele, descobriram que “embora ir ao tribunal ainda seja uma opção, cada vez mais existem outras formas de resolver essas questões, como arbitragem internacional, mediação, conciliação ou mesmo negociação simples”. Os museus ocidentais muitas vezes não querem ir aos tribunais, devido aos danos à sua reputação que isso pode acarretar.

“O que percebemos primeiro é a diversidade de procedimentos e soluções”, disse Renold à swissinfo.ch. “Se você for ao tribunal, a resposta geralmente será preta ou branca: você ganha ou perde, obtém restituição ou não. Se você usar métodos alternativos, digamos, negociação ou mediação, você pode encontrar soluções diferentes e originais”.

Mediação suíça

Questionado sobre casos emblemáticos, ele cita três: o retorno à Itália em 2006 do Euphronios Krater do Metropolitan Museum of Art (MET) de Nova York, que gerou uma série de restituições bem-sucedidas de museus norte-americanos à Itália; um caso de arte saqueado pelos nazistas entre a Áustria e Maria Altmann, retratado por Helen Mirren no filme Mulher de Ouro, que foi resolvido por arbitragem; e um caso de 2006 entre dois cantões suíços que foi mediado pelo governo suíço.

O governo suíço mediou uma disputa entre dois cantões suíços sobre um antigo globo e manuscritos tirados durante a guerra civil americana.

Renold acredita que a Suíça neutra poderia ter um papel mediador na resolução de disputas em torno de tais questões “porque não era um estado colonizador”. E embora o Art Law Center da UNIGE permaneça principalmente focado na pesquisa, ele começou a receber solicitações para ajudar a mediar em disputas internacionais de propriedade cultural.

O MEG de Genebra ajudou a mediar o caso das múmias Chinchorro, que voltaram ao Chile em 2011. “Esse também é um papel que podemos desempenhar”, afirma o diretor do museu, Wastiau.

Museus de descolonização

Enquanto isso, os museus estão repensando a forma como apresentam suas coleções. Wastiau, nascido na Bélgica onde uma comissão parlamentarLink externo está examinando o violento passado colonial do país na África Central, é apaixonado por isso. O MEG foi fundado em 1901 e montou uma coleção de objetos que vieram de colônias de todo o mundo. Mas agora, sob sua direção, o museu apresentou uma estratégia de “descolonização” Link externopara 2020-24.

O artista maori George Nuku no MEG. Johnathan Watts/MEG

Isso envolve repensar a forma como as coleções são apresentadas e, em última instância, livrar-se da palavra “etnografia”. Também significa comunicar e engajar-se com as comunidades de origem e com o público em geral. Por exemplo, o museu teve um artista Maori que veio para a coleção e “fez uma exibição totalmente nova em torno da vitrine onde os artefatos Maori eram exibidos”, disse Wastiau à swissinfo.ch. O museu também está planejando exposições interdisciplinares em torno de temas modernos, como meio ambiente e boa governança, com contribuições de cientistas, fotógrafos e artistas, por exemplo. 

“O que temos que fazer é primeiro reconhecer que a etnografia é uma ciência morta de certa forma”, diz ele. “Em segundo lugar, algumas pessoas se sentem alienadas por este tipo de museu porque se sentem mal representadas ou não veem porque deveríamos dar esse tipo de foto de seu país de origem.”

Restos humanos

O MEG devolveu uma cabeça mumificada Maori à Nova Zelândia em 2011.

O MEG também busca ativamente as comunidades de onde seus objetos vieram, especialmente se forem sagrados ou sensíveis como restos humanos, disse Wastiau à SWI swissinfo.ch. Muitos objetos são mal documentados e às vezes não estão devidamente identificados, “então sempre que podemos trazer especialistas indígenas, eles vêm e podem identificar algo, isso é muito importante para nós”.

Seu museu ainda possui alguns restos humanos que foram transformados em artefatos, como ossos transformados em flautas e crânios pintados da Austrália. No caso desses crânios, o curador do MEG busca os proprietários há 20 anos, afirma. Houve delegações de especialistas aborígines ao museu, mas os crânios ainda não foram reivindicados. Eles agora poderiam ser devolvidos a um novo centro australiano para restos humanos não reclamados.

“No caso de muitas nações nativas, eles querem o retorno de seus ancestrais. Eles querem a devolução de objetos que afirmam serem seus ancestrais ”, diz Wastiau. Mas nem sempre é assim. Por exemplo, existe uma comunidade Kanak na Nova Caledônia que diz que seus objetos são “embaixadores” e que a presença dos objetos em museus de outros países é “um orgulho”. Se esses Kanaks solicitam a devolução de objetos específicos, eles dizem que tem que ser uma troca, de acordo com sua tradição.

Museus em outras partes da Suíça também estão repensando sua herança colonial, de acordo com uma reportagemLink externo recente da televisão pública suíça RTS.

Importante para a nova geração

Um relatório francêsLink externo de 2018 encomendado pelo presidente francês Emmanuel Macron sobre restituições à África afirma que “o desenvolvimento da juventude africana em particular está ameaçado pela perda de seus direitos ao patrimônio artístico e cultural”, muitos dos quais podem ser encontrados em museus ocidentais.

Wastiau diz que essa questão também é importante para as pessoas na Suíça, especialmente os jovens. Ele cita o exemplo de uma jovem artista de 20 e poucos anos que contribuiu para uma exposição no Palais de Rumine de Lausanne. “Quando ela percebeu que tinha um ancestral que ganhara dinheiro com o comércio de escravos, ela ficou absolutamente chateada, verdadeiramente chocada e comovida”, disse ele à swissinfo.ch. “E ela está procurando respostas”. O diretor diz que quer que seu museu também preste contas a essa nova geração.

É importante para ele que as pessoas se sintam bem-vindas no MEG e tenham liberdade para desafiar o museu e as suas coleções. “É por isso que um dos aspectos da descolonização é ser muito mais participativo, realmente buscar todos os interessados, trazê-los ao museu, envolvê-los, ouvi-los”, disse ele ao SWI swissinfo.ch. “E só quando eles se sentirem parte do projeto do museu é que ele deixará de parecer um lugar colonial”.  

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo