Navigation

Em 2017, a Suíça repatriou 287 estrangeiros em voos especiais

O custo total de contratação dos voos charters chegou a quase CHF 4 millhões. Keystone

Em 2017, o Estado suíço realizou um total de 64 vôos especialmente fretados para repatriar 287 estrangeiros e requerentes de asilo sem permissão de residência adequada. Os números permanecem estáveis em relação ao ano anterior.

Este conteúdo foi publicado em 09. janeiro 2018 - 11:00
swissinfo.ch e agências

Os números foram obtidos pelo jornal NZZ am Sonntag junto à Secretaria de Estado para Migração (SEM), o órgão responsável pela administração da política de asilo.

Entre os voos, diz o jornal, 17 foram realizados em colaboração com outros países da União Européia. O custo total das operações atingiu CHF 3,7 milhões (US$ 3,8 milhões).

Os números são semelhantes aos de 2016, quando 67 vôos especiais foram usados para expulsar 345 requerentes de asilo. O ano anterior foi menor, 45 voos para 228 pessoas.

O estatuto de asilo da Suíça mantém uma reputação de altamente estrito, aceitando muito menos requerentes do que países europeus mais abertos, como Alemanha e Suécia.

+ Leia aqui como funciona o sistema de asilo suíço

Juntamente com o resto da UE, a Suíça é signatária dos acordos de Dublin, cujos termos estabelecem que os países podem expulsar os requerentes de asilo rejeitados, mas devem enviá-los de volta ao país europeu no qual eles originalmente cruzaram a fronteira.

O número de requerentes vem diminuindo nos últimos anos. Enquanto 40 mil pedidos foram feitos na Suíça em 2015, esse número caiu para 27 mil em 2016. Os números do ano passado ainda não estão totalmente disponíveis, mas a televisão pública suíça RTS os estima entre 18.000 e 19.000.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.