Navigation

"Encontramos poetas, mas não arquitetas"

A arquiteta, historiadora da arte e curadora Evelyn Steiner é a coordenadora do Salão Suíça na Bienal da Arquitetura em Veneza, em 2021. Christian Beutler/Keystone

A instituição de promoção da cultura suíça Pro Helvetia organizou novamente Salão SuíçoLink externo na edição 2021 da Bienal de Arquitetura de Veneza. Eu encontrei a curadora Evelyn Steiner em seu estúdio em Zurique e discuti com ela sobre o tema do ano: "Bodily Encounters", onde discute a relação entre o espaço construído e nossos corpos.

Este conteúdo foi publicado em 25. agosto 2021 - 10:00
Meret Arnold

swissinfo.ch: Seu salão está sendo realizado com um ano de atraso devido à pandemia. Hoje, "Bodily Encouters" soa como um manifesto, não?

Evelyn Steiner: O título poderia ser entendido polemicamente, já que encontros fora de casa foram impossibilitados ou eram possíveis apenas de forma limitada. Já está na hora de que isso mude, e uma das tarefas da arquitetura é criar espaços que permitam e estimulem encontros mesmo em tempos de Covid.

swissinfo.ch: O Salão Suíço em 2021 é sobre que tipo de encontros?

E.S.: Diferentes campos de conhecimento e disciplinas se juntam à arquitetura para explorar as múltiplas relações entre o espaço e o corpo. E na abertura, o público terá suas próprias experiências corporais. Em uma apresentação, três esculturas de madeira da artista suíça Katharina Anna WieserLink externo, que se movem como seres vivos, vão interagir com as pessoas. Além disso, uma cantora irá apresentar uma nova ópera composta com citações da teoria e da história da arquitetura.

Evelyn Steiner

Evelyn Steiner (*1981) é arquiteta, historiadora de arte e curadora. Após concluir seus estudos de arquitetura na Escola Politécnica Federal de Zurique (ETH) e Buenos Aires, trabalhou em vários escritórios de arquitetura em Roma, Barcelona e Zurique. Em 2012, ela obteve um mestrado em história da arte na Universidade de Berna.

Ela foi curadora de várias exposições de arquitetura, tais como "Aristide Antonas. Protocols of Athens" (2015), "Constructing Film. Schweizer Architektur im bewegten Bild" (2016) e a adaptação suíça da exposição "Frau Architect. Über 100 Jahre Frauen in der Architektur" (2020).

End of insertion

swissinfo.ch: Com esta colagem de fontes históricas, você mostra claramente que o corpo sempre foi um tema na arquitetura. Por que devemos discutir novamente o relacionamento entre eles hoje?

E.S.: A academia se preocupa intensamente com o corpo há cinquenta anos. As razões para isto são as intervenções sempre crescentes no corpo humano, por exemplo, na medicina reprodutiva, ou a interligação do corpo com tecnologias de computação no campo da inteligência artificial.

Estudos de gênero o discutem em relação à política de identidade. Todos estes debates são conduzidos apenas marginalmente na arquitetura. Combiná-las com estas e outras disciplinas permite combinações insólitas que oferecem surpresas.

Katharina Anna Wieser: "Bodily Entcounters", corpos móveis, tábuas de madeira, tiras e tratores movidos à controle remoto. katharinaannawieser.ch

swissinfo.ch: Você tem um exemplo?

E.S.: Tomemos como exemplo a arquitetura e o transhumanismo. Esta escola filosófica de pensamento se concentra na transformação física e psicológica do corpo humano por meio de melhorias técnicas, por exemplo, chips implantados.

Como essas últimas conquistas na medicina e na neurociência poderiam ser aplicadas na percepção e no planejamento da arquitetura? Como são os espaços ou as estruturas urbanas para os habitantes "otimizados"?

swissinfo.ch: Você fala dos humanos como ciborgues. Mas em "casas inteligentes", o ciborgue já não se tornou há muito tempo o próprio lar?

E.S.: "Casas inteligentes" híper-conectadas ou os chamados "ambientes conscientes" entram em uma relação única com os habitantes. Mas mesmo sem atualização digital, os edifícios não são objetos estáticos, mas sujeitos que falam conosco, que entram em diálogo conosco. Eles são públicos e privados. Eles formam uma memória coletiva e, ao mesmo tempo, moldam nossa própria biografia, formam nossa própria personalidade. A arquitetura é uma parte muito presente de nossas vidas, e ainda assim, a arquitetura não faz parte do cânone educacional. Conhecemos os poetas, mas não os arquitetos.

Salão Suíço

  • Salão de Setembro “Kindred Spirits”: 23 a 25 de setembro de 2021
  • Salão de Outubro “Realities”: 21 a 23 de outubro 2021
  • Salão de Novembro “Alterations”: 18 a 20 de novembro de 2021
End of insertion

swissinfo.ch: As normas e padrões arquitetônicos, o tema do Salão Suíço, refletem concepções de valor. Os debates atuais sobre identidade social também têm efeito sobre a arquitetura?

E.S.: Na Suíça, estamos ficando para trás neste aspecto. Estou me referindo, por exemplo, à acessibilidade para pessoas com deficiência física.

A arquitetura é morosa e reage mais lentamente aos eventos sociais do que a arte. Por exemplo, ela ainda está muito adaptada ao modelo da família de quatro membros, embora novas formas de convivência já tenham surgido há muito tempo.

swissinfo.ch: Verdade? Em Zurique, a tão aclamada "Zollhaus" abriu este ano, onde as comunidades podem realizar suas próprias ideias de morar juntas arquitetonicamente no chamado "HallenwohnenLink externo" com unidades móveis.

E.S.: O "Zollhaus" ainda é uma exceção em toda a Suíça. Quase não existem projetos desse tipo fora das áreas urbanas.

Zollhaus/Hallenwohnen

swissinfo.ch: Os "espaços fluidos" são uma resposta? Conhecemos a palavra fluido principalmente em relação às identidades de gênero não-binárias. O que isso significa quando aplicado à arquitetura?

E.S.: Para mim, eles são espaços que permitem muitas coisas sem definir exatamente o quê. No salão, discutiremos isso com Joel SandersLink externo. O arquiteto nova-iorquino se envolveu cedo no debate sobre os “queers” e escreveu numerosos textos sobre identidades e arquitetura não binárias. Em seu último projeto, ele aplica a idéia de fluidez ao espaço museológico e tenta pensar neles de uma forma mais inclusiva.

swissinfo.ch: Na bienal "How will we live together?Link externo", Hashim Sarkis pede respostas espaciais sobre como podemos viver juntos como indivíduos em comunidades maiores, a fim de também enfrentar os desafios globais. O primeiro capítulo, "Among Diverse Beings", é sobre nossos próprios corpos. É aí que começa a solução para os problemas?

E.S.: Acredito que é preciso que começar por você mesmo. Quem sou eu? Como me relaciono com outros corpos, estrangeiros, às vezes até doentes? Para pensar em uma arquitetura inclusiva, é necessário considerar diferentes identidades e modos de vida, bem como as possibilidades de corpos medicamente alterados ou tecnicamente melhorados.

swissinfo.ch: O tema do envelhecimento do corpo é abordado no Salão de Novembro. O que é arquitetura "anti-envelhecimento"?

E.S.: O conceito vem de Madeline Gins e Shusaku Arakawa. Eles realizaram a Bioscleave HouseLink externo em Nova York em 2008. O edifício cria deliberadamente uma relação difícil com seus habitantes.

Não tem paredes internas, os pisos são irregulares. Ele nos desafia constantemente e, portanto, segundo a dupla de artistas americanos, retarda o processo de envelhecimento.

Adaptação: DvSperling

O que é?

A Biennale di Venezia organiza uma bienal que alterna arte e arquitetura em Veneza a cada ano. As duas bienais estão entre as mais importantes plataformas internacionais de arte e arquitetura contemporâneas. As exposições estão abertas ao público de maio a novembro.

Além das exposições principais com curadoria, cerca de 90 países participam da bienal de arte e cerca de 60 países da bienal de arquitetura com contribuições nacionais.

A Suíça participa da exposição internacional de arte desde 1920 e da exposição internacional de arquitetura desde 1991. O país tem seu próprio pavilhão no "Giardini pubblici", o Parque da Bienal de Veneza.

Pro Helvetia é responsável pelo Pavilhão Suíço desde 2012. Dois júris nomeados pela Pro Helvetia recomendam as indicações para as contribuições suíças para a Bienal de Veneza de Arte e Arquitetura.

Sob o título "Salon Suisse", o programa oficial que acompanha a participação suíça será realizado no Palazzo Trevisan degli Ulivi durante a Bienal de Veneza.

A exposição “Oræ - Experiences on the Border” no Pavilhão Suíço na 17ª Exposição Internacional de Arquitetura (La Biennale di Venezia, de 22 de maio a 21 de novembro de 2021) combina a realidade física da fronteira suíça com contextos políticos e sociais, desenhando um novo quadro das áreas de fronteira no processo. O surto da pandemia, que ocorreu no meio do processo de trabalho, deu ao projeto uma relevância adicional.

Fonte: Pro HelvetiaLink externo

End of insertion

Artigos citados

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?