Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Caneta, lápis e pastel Na era digital, Caran d'Ache continua a resistir

Todo dia, a Caran D’Ache produz lápis que poderiam cobrir a distância entre Genebra e Roma. Mas como a marca suíça de canetas, lápis de cor e pastel, que celebra seu centenário, vai continuar produzindo com o nosso estilo de vida cada vez mais digital?

(Keystone)

“Como temos pressa, pego da mesa de um colega”, sorri a presidente de Caran d’Ache, Carole Hubscher, quando pergunto o que ela acha de minha caneta vermelha, de plástico.

 Eu não imaginava a reação dela e, de fato, nunca pensei na escolha de uma caneta para escrever. Pensei na pergunta quando estava no trem para Genebra, onde Caran d’AcheLink externo fabrica  instrumentos de escrever e desenhar desde 1915. Dede então, mudaram muito s maneira das pessoas se comunicarem. No entanto, “eu não conheço ninguém que não carregue consigo uma caneta ou um lápis”, afirma Hubscher.

 Mais de 280 pessoas trabalham na fábrica em Thônex, pertinho de Genebra. Um lápis vermelho enorme está instalado na frente do prédio. Lápis foi o primeiro produto da Caran d’Ache que agora inclui canetas esferográficas inteiro, lápis de cor, pastel e outros produtos de escritório e arte. 

No interior, os trabalhadores começam cedo - especialmente no verão para evitar o calor da tarde. Mesmo às 9h30, já está bastante quente no lugar onde os cilindros de metal básicos estão sendo preparados para a produção dos produtos finais.

 O teste das canetas

Máquinas lubrificadas moldam os tubos minúsculos em corpos de pena hexagonais. Mais tarde, estas serão moldadas com brocas de diamante ou lasers – à mão ou por computador - dependendo do efeito desejado. Alguns recebem uma camada de esmalte. Clipes estão ligados, mas só depois de passar um teste de flexibilidade. Para as canetas esferográficas, a tinta tem que passar o "teste de 100 metros", o que, inadvertidamente, eu interrompo, inclinando-me muito perto da máquina. Felizmente, o operador apenas ri.

Em outra parte da fábrica, passamos por um escaninho do que parece ser spaghetti roxo - os restos de um experimento para criar uma nova cor de lápis. Caran d'Ache tem o compromisso de uma reprodução altamente eficiente. Durante a visita de swissinfo, eles estão fazendo um enorme lote de lápis verde limão - o suficiente para por anos.

Os lápis também podem durar anos, mesmo depois de cair de uma janela do quinto andar. Hubscher - mãe de três filhos - dá ênfase à durabilidade e à economia.

"Em vez de comprar uma caixa inteira de novo para o material escolar, você pode substituir apenas as cores que faltam ou as que são mais utilizadas. Você não jogar nada fora com Caran d'Ache", diz Hubscher. Ainda mais para os instrumentos de escrita mais caros, que têm uma garantia para toda a vida.

"Quando você tem uma caneta nossa e que está usando há anos, é importante saber que você pode enviá-la aqui e para revisão ou conserto gratuitamente e que você pode passá-la para a próxima geração", diz Hubscher .Todos os anos, cerca de 5.000 pessoas aproveitam dessa garantia. Algumas das canetas têm décadas de idade.

Mais do que um brinquedo de criança

Mas lápis e papel não perdem importância nesta época de tablets e smartphones?

“Talvez as pessoas escrevam menos à mão do que antes, mas para aqueles que o fazem, uma ferramenta de escrita é uma obrigação. É uma alegria para a mão e o coração”, afirma o jornalista de Zurique e guru do estilismo Jeroen van Rooijen, acrescentando que as pessoas escolhem melhor suas palavras quando escrevem à mão. 

Escrever e desenha à mão é essencial para as crianças, afirma Denise Bassan, terapeuta psicomotora em Berna, capital suíça.

"Elas devem ser capazes de usar lápis e papel no momento em que entram na escola", diz Bassan, que ajuda crianças de 4 a 8 anos para melhorar suas habilidades motoras finas. "Alguns não podem vestir-se, muito menos usar lápis de cor." Isso pode se tornar um problema acadêmico. "Se uma criança não aprende a escrever corretamente e tem de se concentrar no ato físico de tomar nota, pode ser difícil absorver o material que está sendo ensinado."

Oskar Jenni, diretor do Centro de Desenvolvimento Infantil no Hospital Infantil da Universidade de Zurique, diz que crianças de 2 a 8 anos ainda têm muita prática de desenho na creche e na escola - o que é uma coisa boa.

"É importante que as crianças aprendam a desenhar e escrever, porque isso é um processo onde você tentar colocar suas ideias e pensamentos no papel. Este é um processo complexo de pensar que não é facilmente feito em dispositivos eletrônicos ", diz Jenni, acrescentando que as crianças têm uma" unidade intrínseca "para fazer isso, mesmo que seja apenas um rabisco usando uma vara na areia.

De acordo com um estudo que Jenni fez recentemente, a tecnologia de computador não afetou como as crianças desenham. Ele e sua equipe compararam desenhos infantis a partir de 1980 com os de 2010, e não detetaram diferenças de habilidade.

Pablo Picasso:"Quando eu tinha 12 anos podia desenhar como Raphael, mas ele levou a vida inteira para aprender a desenhar como uma criança." Até agosto de 2015, Kunsthaus Interlaken tem uma exposição de obras de Picasso criadas com material de arte Caran d'Ache.

Pablo Picasso:"Quando eu tinha 12 anos podia desenhar como Raphael, mas ele levou a vida inteira para aprender a desenhar como uma criança." Até agosto de 2015, Kunsthaus Interlaken tem uma exposição de obras de Picasso criadas com material de arte Caran d'Ache.

(Succesion Picasso)

Escrevinhador professional

"Como você pode ver, os lápis ainda estão muito em uso", sorri Robert Lzicar, apontando para obras de estudantes na exposição na Escola de Artes da Universidade de Berna (BUA). Ele é o chefe do programa de mestrado em design de comunicação - que envolve uma mistura de elaboração à mão livre e criação digital.

Os alunos não traçam divisória entre virtual e analógico " nota Lzicar. Em vez disso, eles combinam métodos que funcionam melhor para eles.

"Eu conheço um bom designer de cartaz que usa lápis no projeto, em seguida tinta, depois Photoshop para colorir porque é mais rápido e você terá uma mistura de estética. Isso é o que se faz momento no momento ", diz Lzicar

Anselm Stalder, chefe do departamento de artes plásticas da BUA, concorda. "Eu não creio que há um dualismo em tudo entre as chamadas ferramentas velhas e ferramentas tecnológicas digitais ", diz Stalder. Em vez disso, os artistas são "guiados por um forte desejo de ter um resultado específico, capaz de ser confrontado e discutido com uma audiência pública. Como atingir este objetivo depende menos as ferramentas e mais de nossa atitude e nossa compreensão do 'estado da arte' em nossa profissão. "

Lzicar pensa que a caneta eletrônica foi uma grande invenção para os grafistas. "Antes, você sempre tinha que clicar no mouse, mas a conexão entre sua mão e sua mente é totalmente diferente. Então veio esta almofada, que está ficando cada melhor ", diz Lzicar da união do tablet e da caneta.

 Escrever no muro?

É difícil prever como Caran d'Ache se sairá no próximo século. Como empresa privada, não precisa publicar números de vendas, faturamento e lucro. Hubscher desconversa quando questionada das inovações previstas. Menciona que uma caneta – a RNX316 – também é projetada para servir como um estilete en tablets ou smartphones.

Ainda assim, ela não parece preocupada que as pessoas abandonem a caligrafia.
"Estou convencida de que as pessoas vão usar canetas e lápis o tempo todo; eles vão continuar a criar. Eu penso que há uma parte dos seres humanos que diz: ' Agora eu quero levar algum tempo fora destas máquinas e fazê-lo eu mesmo' ", diz Hubscher.

O jornalista de estilismo van Rooijen também imagina uma reação à era digital. "Eu espero que algum dia, as pessoas digitalmente dependentes de hoje se cansem de telas e prazeres virtuais e redescubram prazeres analógicos e táteis. Inicialmente, a escrita manual se tornará mais rara, mas não vai perder a sua aura. Ela terá outro renascimento."


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

×