Quem salvará a companhia aérea Swiss dessa vez?

Dezenas de aeronaves suíças estão estacionadas no aeroporto de Dübendorf, perto de Zurique, desde 23 de março. Keystone / Ennio Leanza

Aeroportos vazios, aeronaves em terra, companhias aéreas à beira da falência: a aviação civil é um dos setores mais atingidos pela pandemia do coronavírus e pode ser o que sofrerá por mais tempo. Quase 20 anos após o fim da Swissair, a Suíça agora também corre o risco de perder a companhia aérea Swiss. 

Este conteúdo foi publicado em 18. abril 2020 - 11:30

Em 2 de outubro de 2001, os aviões da Swissair ficaram retidos em terra. Como vítima de uma estratégia de aquisição arriscada por parte de sua administração, a companhia aérea nacional ficou sem dinheiro para pagar o combustível de suas aeronaves. Com a derrocada da Swissair (o chamado "grounding", em inglês), um dos maiores símbolos do sucesso econômico e tecnológico da Suíça desde os anos 50 entrou em colapso. 

Graças a um extenso plano de resgate para a empresa nacional de aviação civil no valor de CHF 3 bilhões - implementado pela Confederação, cantões e particulares - das cinzas da Swissair nasceu uma nova empresa em março do ano seguinte. Esta nova e mais modesta companhia aérea foi então vendida em 2005 por uma pechincha, 330 milhões de francos, à Lufthansa da Alemanha. 

Quase 20 anos depois, as aeronaves estão novamente em terra. Mas não apenas na Suíça. Como resultado da pandemia do coronavírus, o número de vôos caiu 80% no início de abril em todo o mundo, em comparação com um ano atrás. De acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), o tráfego de passageiros deve diminuir pela metade até 2020, em comparação com o ano passado. E as receitas das companhias aéreas devem sofrer perdas de US$ 314 bilhões (-55% em relação a 2019). 

Muitos países, a começar pelos da Europa e Estados Unidos, anunciaram programas de apoio financeiro substancial para a aviação civil. Mas o futuro de muitas companhias aéreas parece bastante incerto, também porque continua sendo difícil prever a duração da pandemia. E, até hoje, ainda não está claro como a Swiss vai sair desta crise. 

Qual é a situação atual da Swiss?

End of insertion

Desde seu início, a Swiss passou por várias reestruturações: de mais de 130 aeronaves, a frota caiu para cerca de 80 em apenas alguns anos. Entretanto, a integração no Grupo Lufthansa tem sido bem sucedida: a companhia aérea suíça fechou suas contas no azul pela primeira vez já em 2007. O melhor resultado foi alcançado em 2018 com receita de mais de CHF 5,3 bilhões e um lucro operacional recorde de CHF 636 milhões. Tanto o número de aeronaves quanto o número de empregos têm aumentado nos últimos anos. 

Em 2019, a Swiss transportou 19 milhões de passageiros para 45 países. O tráfego de carga, prestado pela divisão Swiss WorldCargo, cobriu 130 destinos em 80 países. Desde meados de março, entretanto, a companhia aérea foi forçada a reduzir drasticamente suas atividades: o tráfego de passageiros foi limitado a apenas um voo de longa distância entre Zurique e Newark (EUA) e apenas oito conexões europeias. Nas últimas semanas, a Swiss também participou de uma operação de voos de retorno para cidadãos suíços encalhados no exterior, organizados pelo Departamento Federal de Relações Exteriores, bem como do transporte de equipamentos médicos da Ásia. 

A situação financeira tornou-se precária em poucas semanas e a Swiss também teve que recorrer a subsídios de trabalho em horário reduzido para cobrir custos fixos de pessoal (9560 empregos). A empresa enfrenta prejuízos estimados em CHF 4-5 milhões por dia e não possui reservas suficientes para compensar este sangramento financeiro por muito tempo - os lucros têm fluído regularmente para o grupo-mãe alemão. O CEO da Swiss, Thomas Klühr, disse há alguns dias que prevê um serviço máximo de 75% da capacidade de sua empresa até o final do ano. 

Como tem reagido a Lufthansa?

End of insertion

Esta crise chega em um momento delicado para o grupo alemão, que vem enfrentando turbulências há alguns anos, especialmente no que diz respeito ao desempenho de vôos de curta e média distância. O valor de suas ações já diminuiu pela metade entre 2017 e 2019, mesmo antes do início da pandemia. Hoje a Lufthansa está perdendo cerca de CHF 1 milhão por hora, de acordo com seu CEO, Carsten Spohr.

Há alguns dias, o grupo alemão anunciou as primeiras medidas radicais, incluindo o fechamento de sua empresa de baixo custo Germanwings e o abandono de cerca de 10% de sua frota de 760 aeronaves. Por sua vez, a Swiss terá que atrasar a entrega de aeronaves já encomendadas e, por sua vez, considerar a rápida retirada de algumas de suas aeronaves mais antigas. Entretanto, este é apenas um primeiro pacote de reformas. 

Quase sem dinheiro, a Lufthansa está negociando empréstimos com bancos e já pediu ao Estado alemão bilhões de dólares em ajuda. O governo de Angela Merkel parece disposto a dar grandes injeções de dinheiro em troca de ações. Na prática, o Estado assumiria uma participação substancial no capital da Lufthansa, mais de 20 anos após a sua privatização. 

O destino da Swiss também depende dessas negociações. Certamente, porém, o grupo alemão não tem interesse em cortar as asas da empresa sediada na Suíça, pois até agora ela tem se mostrado um bom investimento. Desde sua aquisição, já forneceu à Lufthansa cerca de 5 bilhões de francos sob a forma de lucros, dos quais 2 bilhões de francos somente nos últimos quatro anos. 

O que o Conselho Federal pretende fazer?

End of insertion

O governo suíço, por sua vez, está considerando as possibilidades de concessão de crédito para a aviação civil, pois ela representa uma infra-estrutura "crítica" que é extremamente importante para todo o país. Esse setor gera cerca de 30 bilhões de francos suíços de valor agregado para a economia suíça a cada ano e proporciona direta ou indiretamente 190.000 empregos. As conexões aéreas permitem transportar mais de um terço dos produtos de exportação para o exterior e trazer 38% dos turistas para a Suíça. O tráfego de passageiros praticamente dobrou nos últimos 20 anos.

Conteúdo externo


Entretanto, o Conselho Federal pretende intervir somente na condição de que sejam obtidas garantias precisas das companhias aéreas: além da Swiss, o apoio financeiro também seria pago à EasyJet Suíça. Em particular, as operadoras terão que provar que esgotaram todas as outras possibilidades para resolver seus problemas de liquidez e não terão o direito de fazer o dinheiro migrar para suas empresas-mãe no exterior, por exemplo, sob a forma de lucros, antes de terem reembolsado suas dívidas com a Confederação. O auxílio também poderia ser concedido a outras empresas relacionadas à aviação, tais como aeroportos, Skyguide, Swissport ou Gategroup.

A Swiss pode voltar a ser suíça?

End of insertion

Apoiada pela maioria dos partidos, a vontade do governo de aliviar a aviação civil também tem atraído algumas críticas. De acordo com Thomas Matter, membro do Partido Popular da Suíça (SVP/UDC, de direita), é inaceitável que a Swiss transfira seus lucros para a Alemanha, compensando seus prejuízos com ajuda estatal suíça. Para ele, a Suíça preferiria deixar a empresa ir à falência para poder compra-la de volta a um preço baixo. 

A ideia de ter uma verdadeira "empresa nacional" na Suíça novamente pode parecer atraente para muitos, mas na verdade é irrealista. Como quando da falência da Swissair, os investidores não estão preparados para assumir os riscos de uma empresa com um faturamento de vários bilhões de francos suíços em um setor sempre incerto. Também não parece realista a participação da Confederação e dos cantões, que há mais de 20 anos vêm seguindo uma política de privatização e liberalização. 

Por sua vez, os Verdes consideram que as empresas aéreas só devem ser salvas se se comprometerem a contribuir para a proteção do clima. Apoiados por outros partidos e organizações, os Verdes publicaram uma carta aberta na qual pedem ao governo que não favoreça o crescimento desenfreado do tráfego aéreo, que gera 19% do impacto climático na Suíça, mas que favoreça meios de transporte mais ambientalmente corretos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo