Navigation

Dia das doenças psicológicas: médicos recomendam procurar ajuda

As autoridades recomendam a população a "quebrar tabus" em relação à saúde mental. Keystone / Laurent Gillieron

A Suíça lança uma campanha nacional em favor da saúde mental e encoraja a população a buscar apoio em um momento que muitas vidas são alteradas como consequência da pandemia de COVID-19.

Este conteúdo foi publicado em 10. dezembro 2020 - 08:00
swissinfo.ch/jdp

A campanha foi lançada oficialmente em 10 de dezembro sob o lema "Fale sobre isso. Procure ajuda!Link externo". Seu objetivo: incentivar a tomada de medidas concretas a favor da saúde mental e o apoio a amigos e familiares, cujas condições mentais estão sendo impactadas pela segunda "onda" da pandemia.

"O dia de ação também que conscientizar à importância de estar atento a todos ao nosso redor e de oferecer ajuda quando necessária", escrevem as autoridades.

O governo, juntamente com várias instituições de caridade e grupos de apoio, ainda encoraja o público a "quebrar tabus" sobre saúde mental. As pessoas não devem mais ter vergonha de falar abertamente sobre suas condições mentais.

Como parte da campanha, especialistas em saúde e organizações oferecem estratégias e conselhos sobre como lidar e apoiar outras pessoas com ansiedade e outras tensões surgidas durante este período.

Uma pesquisa de opinião realizada pelo ministério suíço da Saúde no final de outubro constatou que cerca de 15% dos entrevistados declararam se sentir afetados psicologicamente pela pandemia.

Preocupações financeiras, conflitos familiares e sentimentos de solidão aumentaram enquanto, ao mesmo tempo, algumas estratégias comprovadas de enfrentamento, como sair com amigos, não são mais possíveis agora, reconhece o governo.

Cansaço e medo da doença

Leitores da swissinfo.ch enviaram inúmeros comentários para descrever o que sentem desde que surgiu o novo coronavírus e como este afeta sua saúde mental.

Na página em alemão, um leitor escreveu que "danos colaterais ao coração e à alma serão imensos. Eu sinto que as crianças sofrem, têm receios em relação ao futuro. Levará décadas até nos recuperarmos disso."

Um leitor expressou preocupação com os efeitos dos 10 meses de distanciamento social, do uso obrigatório de máscaras e o isolamento em casa. A incerteza e a histeria associadas às medidas políticas para enfrentar a pandemia também pesam sobre a saúde mental das pessoas, ao seu ver.

Um leitor do site em inglês escreveu sobre o estresse devido às dificuldades para trabalhar. E conta também que alguém da família, prestando o serviço militar, ficou um longo tempo ocupado com suas atividades. Os militares deram apoio à população durante os meses de "lockdown". O leitor, provavelmente um estrangeiro residente na Suíça, manifestou a sensação de não estar sendo bem-vindo.

Um leitor do site em árabe conta que está confinado desde o início da pandemia no seu apartamento. "Saio apenas quando é necessário", declarou, afirmando também que prefere não buscar ajuda psicológica, pois "os psicólogos estão sofrendo como nós". 

Um leitor argentino escreveu: "Todos passamos por alguns dias de altos e baixos emocionais dependendo das notícias que chegavam ou do excesso de informações contraditórias. Pior ainda quando elas não confiáveis". Ele acrescentou que as crianças também sofrem com o fechamento das escolas.

Conselhos

Alguns leitores manifestam estar satisfeitos de poder ficar mais tempo em casa e próximos dos familiares. Um chega a afirmar que sua família está muito mais relaxada desde que trabalha em casa. "Temos mais tempo juntos. Assim decidi não voltar a ter um segundo emprego."

O leitor acrescentou que a pandemia o levou a se mudar para um vilarejo menor. Nele, não apenas avida é mais barata, mas tem também a vantagem de permitir os netos passarem mais tempo com os avós.

Outro leitor argentino encontrou novas estratégias de sobrevivência. "Passatempos e atividades físicas me ajudam a lidar com a incerteza, o medo do desconhecido e aquele sentimento de insegurança tão presente nestes tempos."

Outro leitor, germanófono, considera que o período da pandemia "pode tornar as pessoas conscientes dos seus pontos fortes e vantagens de unir as forças. Esse momento nos permite ter a experiência de abdicar de muitas coisas e descobrir a tranquilidade e uma forma mais serena de viver."

Na página da swissinfo.ch no Facebook, um leitor francófono escreveu que sua saúde mental está em boas condições: "Tento rir o máximo possível durante o dia."

Partilhar este artigo