Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Feira de máquinas traz bons resultados para empresas suíças

Vista parcial da entrada da Feimafe, em São Paulol.

A Feira Internacional de Máquinas-ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura (Feimafe), em sua 12ª edição, reuniu empresas do setor, em São Paulo, no final de maio.

A feira atraiu cerca de 1.300 expositores, de 30 países e mais de 60 mil visitantes além de um estande de empresas suíças organizado pela Swisscam (Câmara de Comércio Suíço-Brasileira).

Estiveram presentes empresas fabricantes de diversos tipos de máquinas, como por exemplo, a Tornos, especialista no desenvolvimento de tornos automáticos e fabricante de mercadorias para vários setores, inclusive o médico.

A Schaublin, outra representante do país helvético, constrói e distribui tornos convencionais, entre outros produtos de alta precisão.

O estande suíço ainda contou com a participação da Amsonic, que atua na área de limpeza industrial de máquinas de alta precisão. Essas são empresas suíças que já contam com representantes no Brasil. Também esteve presente na feira a Agie-Carmilles destacando máquinas para o setor de corte e conformação, envolvendo alta tecnologia.

Bons resultados

Segundo Rolf Muster, diretor da Schaublin, a presença da empresa na Feimafe trouxe resultados excelentes. "Abriu várias perspectivas", acrescenta o suíço que pretende participar das próximas edições do evento.

Apesar da boa impressão deixada pela Feimafe o empresário Rolf Muster acrescenta que mais empresas suíças poderiam estar presentes na feira.

A situação favorável, segundo a avaliação dos empresários suíços foi confirmada pelos especialistas do setor. Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei), apesar da crise mundial o setor apresentou balanço positivo em 2008 devido ao aquecimento da economia nos primeiros três meses do ano.

De acordo com a entidade, o faturamento do setor de máquinas foi de 2,4 bilhões de dólares no ano passado, e houve 20% de crescimento no segmento em relação ao ano anterior.

"A expectativa de crescimento era de 30% para este ano. Com a dificuldade de crédito e a instabilidade do dólar, a compra de bens duráveis sofreu uma queda", explica Lee.

O presidente da Abimei, Thomas Lee, afirma que apesar do crescimento ocorrido, a partir de setembro, quando a crise se agravou, uma queda de 70% no volume de negócios atingiu o setor de importação de máquinas.

Um ritmo mais lento tem marcado os negócios no segmento no primeiro semestre de 2009. Para Thomas Lee, um dos grandes responsáveis pela desaceleração é a redução do ritmo da indústria automobilística no Brasil, maior cliente das empresas do setor.

Impacto


Mesmo com a situação de dificuldade de crédito, instabilidade do dólar gerada pela crise e a consequente queda na compra de bens duráveis, o setor de máquinas de alta tecnologia é o que menos vai sentir o impacto da crise.

De acordo com Lee, esse tipo de máquina não é usado para aumentar a produção e sim garantir precisão e qualidade. "As empresas que precisam disso vão comprar apesar da crise", acrescenta.

Seguindo a tendência apontada pela Abimei, o relatório anual divulgado recentemente pela Swisscam mostra que as exportações suíças para o Brasil cresceram 29% em 2008.

O crescimento foi de 1% em relação ao ano anterior. Justamente, o maior volume nas importações da Suíça para o Brasil se dá no setor de produtos de bens de capital, atendendo ao interesse brasileiro de modernização do parque industrial.

Heloísa Broggiato, São Paulo, swissinfo.ch

Fatos

2009 foi a 12a edição da Feimafe;
1200 expositores de 30 países;
60 mil visitantes

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×

Destaque