Navigation

Clube dos bilionários fica maior e mais rico

Ernesto Bertarelli é um dos 35 bilionários da Suíça Keystone

A riqueza total dos 1.542 bilionários mundiais - incluindo 35 na Suíça - cresceu 17% no ano passado para US$ 6 trilhões (CHF5.93 trilhões), liderada por um aumento na classe de bilionários emergentes da Ásia, e pelo crescimento nos setores de matérias-primas, indústria, finanças e tecnologia.

Este conteúdo foi publicado em 27. outubro 2017 - 11:00
swissinfo.ch, swissinfo.ch/ts

A riqueza dos bilionários da Suíça cresceu apenas 12%, de acordo com o relatório UBS / PwC Billionaires Report 2017Link externo, publicado hoje (26/10).

Em média, um novo bilionário aparece na Ásia a cada dois dias, com o número total de bilionários asiáticos aumentando em quase 25%, para 637, contra 563 nos EUA.

Enquanto os EUA ainda mantêm a maior concentração de riqueza, o relatório mostra que, se a tendência atual se manter inalterada, a riqueza total dos bilionários asiáticos ultrapassará a dos seus homólogos nos EUA em quatro anos.

No caso da Europa, 2016 distingue-se em grande parte pela preservação da riqueza já existente. Havia 342 bilionários na Europa até o final do ano, mas o crescimento permaneceu estático. A riqueza geral cresceu modestos 5% para pouco mais de US $ 1,3 trilhão, com 24 novos bilionários e 21 deixando a lista, um terço deles devido à morte.

O destino dos bilionários da Europa está estreitamente interligado com as economias de seus países. A Alemanha, a maior economia, também tem a maioria dos bilionários, 117. A Grã-Bretanha é um segundo distante (55), seguida da Itália (42), da França (39) e da Suíça (35).

A riqueza da França cresceu mais rapidamente em 2016, com uma taxa de 15%, impulsionada pela fortuna de algumas famílias. Seguiu-se a Suíça em 12% e a Espanha em 10%. A da Grã-Bretanha ficou em 1% e a Alemanha pouco acima de zero.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.