Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Produção de eletricidade Energia solar é fator chave para a transição energética



Instalação de paineis solares no cantão do Valais (sudoeste).

Instalação de paineis solares no cantão do Valais (sudoeste).

(Keystone)

A energia solar pode desempenhar um papel central no futuro plano energético da Suíça e substituir parte da energia nuclear. O setor reivindica uma expansão acelerada e mais subsídios. A indústria elétrica aposta em usinas a gás como solução provisória.

Apenas um por cento da eletricidade consumida na Suíça vem da energia solar. Mas os sinais para as novas energias renováveis são de arrancada e inovação.

Assim o grupo RWE, segundo maior fornecedor de energia da Alemanha e até recentemente um dos principais defensores da energia nuclear, perdeu a fé nela e agora quer abandonar também os projetos internacionais de energia atômica. Após o choque de Fukushima, grupo já teve de enterrar seus projetos na Alemanha.

No norte da Europa, surgem gigantescos parques eólicos e o audacioso projeto de energia solar Desertec (nos desertos da África e Oriente Médio) lentamente ganha contornos concretos.

Quadro ainda não está claro

Na Suíça, o Conselho Federal (governo) e o Parlamento decidiram em 2011 não autorizar mais a construção de novas usinas nucleares. Nos próximos meses, o meio político tem de chegar a um acordo sobre as condições básicas e concretizar a transição energética. Está em jogo o futuro plano energético, o caminho até lá, possíveis medidas de economia de energia e o financiamento do abandono da energia nuclear.

"O setor elétrico vai se adaptar ao novo quadro. Isso é certo. Se as condições básicas forem claras e confiáveis, o setor pode fazer os investimentos necessários e as empresas fornecedoras podem realinhar suas estratégias individualmente", diz Thomas Zwald, diretor da Associação dos Produtores de Energia Elétrica da Suíça (VSE, na sigla em alemão), à swissinfo.ch.

Do nicho aos 20%

Até agora, a energia solar é um produto de nicho na Suíça. A energia nuclear tem uma participação de cerca de 40%. "Com sistemas fotovoltaicos descentralizados nos telhados das casas, a energia solar poderia chegar a 20% e assim substituir a metade da energia nuclear. Isso sem considerar as possíveis grandes usinas em áreas verdes. A outra metade da energia nuclear poderia ser substituída por um misto de energia eólica, biomassa e, mais tarde, pequenas centrais hidrelétricas e geotermia", diz Franz Baumgartner, professor de energias renováveis da Escola Superior de Ciências Aplicadas de Zurique.

Sistemas fotovoltaicos descentralizados nos telhados têm a vantagem de provocar menos resistência da população, de ambientalistas e defensores do paisagem, e assim poderem ser construídos mais rapidamente do que grandes instalações como termelétricas a gás, parques eólicos ou grandes usinas de energia solar.

Alemanha como exemplo

"O tempo necessário para que a energia solar atinja uma cota de 20% depende da velocidade com que se expandem as instalações. A Alemanha elevou ao longo dos últimos dez anos para aproximadamente 13% o uso de novas fontes de energia renovável. Querendo, isso poderia ser tomado como um exemplo brilhante", diz Baumgartner.

Com base em diversos estudos, o diretor da Associação dos Profissionais da Energia Solar (Swisssolar), David Stickelberger, estima que o potencial sobre os edifícios seja de 30 a 40%. "Realisticamente, calculamos uma quota de 20% até 2025."

A questão da velocidade

Há consenso entre os fornecedores de energia e a Swisssolar que a energia solar na Suíça tem um potencial ainda longe de ser esgotado. Mas esse consenso acaba quando se toca na questão da rapidez com que a Suíça deve produzir quanta eletricidade a partir da energia solar e quanto isso deve custar.

"É preciso distinguir entre o potencial técnico e econômico. O fato é que os custos de produção de energia solar ainda são muito altos", diz Thomas Zwald. - "Os recursos para viabilizar tarifas que cubram os custos precisam ser aumentados", diz Stickelberger: "Pelos nossos modelos de cálculo – ou seja, com uma cota de 20% de energia solar – o preço da eletricidade aumentaria cerca de 10%".

A questão seria "esgotar este potencial com enormes subsídios – como é o caso na Alemanha – neste curto espaço de tempo" ou, "no interesse da economia", esperar "que os preços da energia solar gradualmente cheguem aos níveis do mercado", diz Zwald.

Termoelétricas como solução provisória

O setor elétrico aposta na construção de usinas a gás como substituto para a energia nuclear. "Trata-se de ver como compensar a perda da banda de energia das usinas nucleares. O caminho passa por usinas a gás, porque as hidrelétricas são pouco expansíveis e uma plena compensação por meio de importações não é politicamente desejável nem realista", disse Zwald. Dependendo do cenário, os fornecedores de energia calculam que serão necessárias entre quatro e oito dessas centrais a gás.

Porém, as termelétricas a gás queimam combustíveis fósseis, produzem CO2 e, portanto, contradizem o objetivo declarado da Suíça de combater a mudança climática. Mas também a energia solar tem seu lado sombrio. Uma desvantagem da energia solar é – ao contrário da hedrilétrica, a gás ou nuclear – a produção inconstante de eletricidade.

Cenários do futuro

Para compensar as flutuações, no entanto, também há opções e cenários alternativos: o desempenho da energia solar é fraco no inverno, ou seja, quando as turbinas eólicas funcionam a todo vapor no Mar Báltico. Com os excedentes de energia eólica do exterior poderiam ser operadas hidrelétricas com reservatórios no país e, assim, compensada a falta da energia solar.

Pelos conhecimentos atuais, as megausinas solares planejadas no norte da África e sul da Espanha estarão em condições de produzir o ano inteiro energia suficiente para compensar as flutuações.

Por fim, espera-se para os próximos anos avanços decisivos das tecnologias de armazenamento descentralizado de energia solar excedente (baterias).

A produção descentralizada de eletricidade através de sistemas fotovoltaicos exige não só uma expansão das redes, mas também das chamados "smart grids", ou seja, "redes inteligentes". Com a ajuda de modernas tecnologias de comunicação, estas poderão controlar a demanda e o consumo de energia com mais precisão do que as atuais redes.

Bilhões em investimentos

"O setor econômico está consciente de que esses investimentos precisam ser feitos e que a produção descentralizada ganha em importância. É tudo uma questão de velocidade e também de como se pode juntar o capital. Precisa-se de condições atraentes, também para investidores privados, porque serão necessários bilhões para a expansão da produção de energia renovável e das redes", diz Thomas Zwald.

"Quem quiser ir numa nova direção tem que investir. Não basta continuar cozinhando em banho-maria e gritar "nós fazemos a revolução energética". Precisa-se investir para depois desfrutar das vantagens", diz Baumgartner. "A energia sempre foi uma questão política. Também para a energia hidrelétrica inicialmente foram necessários grandes investimentos."

Transição energética

Em 25 de maio de 2011, o governo suíço decidiu abandonar a energia nuclear. A política energética foi aprovada pelo Parlamento

As cinco suíços usinas nucleares em operação na Suíça devem cessar suas atividades entre 2020-2034.

Em março de 2012, o Tribunal Administrativo Federal julgou que, por questões de segurança, a usina nuclear de Muhlenberg, perto de Berna, não pode ter uma autorização permanente de funcionamento.

De acordo com a decisão do TAF, a central de Muhlenberg deve deixar de operar já em 2013. A empresa operadora da central nuclear apelou contra a sentença junto ao Supremo Tribunal fFederal. Portanto, a decisão ainda não é definitiva.

Em maio de 2012, o governo federal falou em estender o prazo para a transição energética até 2050.

A fim de garantir a segurança do abastecimento, a estratégia do governo federal compreende economizar energia (eficiência energética), aumentar a capacidade hidreléctrica e incentivar as energias renováveis; se necessário, utilizar a geração de energia fóssil (usinas a gás) e importação de energia.

Alem disso, as pesquisas em energia serão estimuladas.

Dentro de dois ou três meses, a estratégia para a futuro energético será divulgada pelo governo federal.

Aqui termina o infobox

Energia atual na Suíça

Hidrelétrica: 55,8%
Nuclear: 39,3%
Outros: 2,9%

Novas fontes de energia renováveis
(Biomassa, biogás, energia solar, eólica): 2%
 
(Fonte: Secretaria  Federal de Energia)

Aqui termina o infobox


Adaptação: G. H. Hoffmann, swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×