Navigation

Skiplink navigation

Refinaria suíça quebra silêncio da obtenção de ouro de áreas de risco

A região sudeste de Madre de Dios, no Peru, é conhecida por suas práticas ilegais de mineração de ouro, mas Chave insiste que a PX Precinox não extrai de lá nenhum de seus metais preciosos. Copyright 2018 The Associated Press. All Rights Reserved.

Em uma rara entrevista, o CEO da PX Precinox, Philippe Chave, defende o histórico de sua empresa no Peru e diz que abandonar os mineiros artesanais não é a maneira de alcançar práticas de mineração mais sustentáveis ​​e transparentes.

Este conteúdo foi publicado em 05. novembro 2020 - 08:35
Paula Dupraz-Dobias

Por anos, relatórios de abusos ambientais e trabalhistas associados à mineração de ouro no Peru atormentaram os refinadores suíços que adquiriram o metal precioso do país sul-americano. Algumas empresas decidiram parar de trabalhar com mineradores artesanais devido aos riscos do comércio ilegal de ouro. Outras, incluindo joalheiros e relojoeiros, promoveram iniciativas para melhorar a transparência da cadeia de abastecimento.

No mês passado, o governo suíço propôs uma emenda à Organização Mundial das Alfândegas que permitiria uma melhor rastreabilidade do ouro. A mudança exige que as importações sejam diferenciadas entre ouro refinado e não refinado. Cerca de 70% do ouro global é refinado na Suíça. 

No Peru, a refinaria PX Precinox com sede em Jura firmou parceria com a Minera Veta Dorada, uma processadora de minério que compra ouro dos chamados mineiros artesanais de pequena escala que foram certificados pelo governo ou se inscreveram para fazê-lo. Essa etiqueta, entretanto, inclui aqueles que trabalham com maquinário pesado, incluindo escavadeiras e caminhões para transportar o minério, uma tendência que aumentou desde que os preços do ouro começaram a subir durante a crise financeira de 2008.   

Veta Dorada, de propriedade da mineradora canadense Dynacor, foi recentemente citada em uma investigação após uma operação policial em todo o país na qual poços de mina ilegais foram expostos e carregamentos de ouro apreendidos.

Entre os presos estavam membros do grupo criminoso “Los Topos”. Eles usaram as identidades de mineiros que solicitaram o status legal do governo para transportar minério de ouro ilegalmente escavado em poços escondidos atrás de fachadas falsas de edifícios.

Anteriormente, Chave disse que o ouro que sua empresa comprou do Peru desde 2015 era legítimo, acrescentando que tanto sua empresa quanto o processador, localizado ao longo da costa sul do Pacífico, estavam cooperando com os investigadores. Ele conversou com a swissinfo.ch sobre a investigação e os desafios de se obter “ouro puro” na região.

swissinfo.ch: Como você começou no Peru?

Philippe Chave: Vimos uma crescente consciência do mercado e do público em relação à busca de ouro. Vinte anos atrás, ninguém se importava realmente com as condições de sua extração. Achamos que era uma oportunidade de apresentar um nível adicional de rastreabilidade, onde pudéssemos mostrar de onde o ouro veio e em que condições foi extraído. Havia uma lacuna enorme e um potencial enorme. 

Os mineiros artesanais e a indústria de luxo representam os dois extremos da cadeia de valor. Eles dependem um do outro, mas não se conhecem. Para ajudar o setor de mineração artesanal, você precisa educar o público e as pessoas do setor para explicar o que está em jogo e como podemos apoiá-los. Alguns dizem que a solução é a mineração industrial. Mas isso não é possível. Não são milhões de pessoas envolvidas aqui que estão apenas tentando sobreviver. A única solução é incentivá-los a formalizar. Se eles não pagam impostos, como podem conseguir as infraestruturas tão necessárias e como você pode falar sobre rastreabilidade?       

Com a Dynacor, encontramos um parceiro que compartilha nossos valores e visão e decidimos estabelecer esta aliança estratégica.

swissinfo.ch: De onde vem o minério de ouro que é processado na estrutura que você trabalha, localizada em Chala (ao longo da costa sul do Pacífico)?

De todo o Peru e de diferentes produtores de minério. Começa com uma base de cerca de 400-600 mineiros, mas esse número flutua, já que os mineiros podem vender para outras fábricas também. A Dynacor tem uma lista de critérios que os mineiros precisam cumprir, como ser registrado no governo, ter um número de identificação fiscal e o direito de trabalhar em uma concessão. As verificações são feitas em cada transação.  

Os mineiros têm escolha. Eles poderiam usar métodos tradicionais usando mercúrio para extrair o ouro por si próprios, mas estimamos que eles recuperem apenas 50% do ouro [desta forma]. Em vez disso, (se eles fornecerem Veta Dorada), a Dynacor pode recuperar 95% e eles conduzem os negócios como faríamos na Suíça. Eles usam produtos químicos no processo em uma configuração industrial adequada, mas não o mercúrio. Como a Dynacor oferece uma alta taxa de extração, poderia ser (mais) atraente para os mineradores venderem seu minério ao processador.    

swissinfo.ch: Como funciona a ponta de seu negócio?

Cobramos de nossos clientes (joalheiros e relojoeiros) um prêmio de “impacto” de acordo com as quantidades que eles se comprometem a comprar ao longo de um ano, a uma taxa financeiramente aceitável para o mercado. Somos transparentes no que fazemos com esses fundos. Cem por cento disso é usado em projetos de impacto. Ele cria um efeito de bola de neve. Quanto mais investimos nessas comunidades, mais os mineiros percebem o interesse em se engajar no processo de formalização. Quanto mais pessoas são qualificadas para vender seu minério, mais ouro trazemos para o mercado e mais prêmio podemos injetar de volta na comunidade. Essa é a dinâmica que estamos tentando gerar.  

swissinfo.ch: Você disse que as condições são favoráveis ​​para os mineiros. O que você quer dizer?

Os mineiros não estão cativos. Quando se oferecem para vender minério de ouro, testes de pureza são feitos no lote para determinar se ele é minério sulfurado ou oxidado e quanto ouro existe. Se o mineiro achar que a quantidade de ouro calculada é competitiva, ele ficará com a Dynacor. Se ele acha que poderia conseguir um negócio melhor em outro lugar, ele poderia vender em outra fábrica. 

swissinfo.ch: Como o ouro é extraído e quanto ouro normalmente é extraído de uma tonelada de minério?

A média é de cerca de 0,8 onças por tonelada, ou 24 gramas. O ouro é extraído de estreitos veios da rocha que dificultam a extração industrial. Esses veios são, portanto, adequados para o setor artesanal minerar. Como o ouro está concentrado nessas veias de difícil acesso, o conteúdo deve ser alto nessas veias - caso contrário, não vale a pena extrair.

swissinfo.ch: O que aconteceu na época das batidas policiais em fevereiro?  

Fomos informados pela Dynacor no dia em que aconteceu. Todas as transações e negócios conduzidos com pessoas ligadas à investigação foram confirmados e compatíveis. Temos um grande número de mineiros com quem a Dynacor trabalha e verificamos cada uma dessas transações.  

De todos os mineiros com quem a Dynacor trabalha, havia cinco indivíduos que foram declarados legais pelas autoridades e que tinham concessões de onde extraíam ouro. Mas parecia que esses caras também estavam envolvidos na mineração de ouro em um município onde não era autorizado. 

swissinfo.ch: Os mesmos mineiros estavam envolvidos na extração ilegal de ouro em Parcoy, no norte do Peru, também fazendo negócios com a Dynacor-Veta Dorada?

Os cinco mineiros em algum momento conduziram transações comerciais com a Minera Veta Dorada. Por isso o ouro que estava para ser exportado foi apreendido preliminarmente, para ver se havia links com o grupo “Los Topos”. Não houve acusações ou prisões por parte da Dynacor, porque tudo indica que houve total cumprimento.   

Embora a imprensa local diga que grandes quantidades de ouro foram lavadas para a Suíça, isso está errado. Todo o ouro que foi importado é legal. Atalhos de interpretação são facilmente tomados, especialmente quando a única fonte de informação é a mídia no Peru. O fato é que não houve fluxo de ouro ilegal entre o Peru e a Suíça. 

swissinfo.ch: Você se preocupa com quem pode estar conectado ao seu negócio?

Sim, estamos preocupados e a Dynacor também. Portanto, nos esforçamos para dar um passo adiante em nosso processo de verificação e adicionar camadas extras a essa verificação. Os eventos recentes não são algo que queremos ser associados, nem a Dynacor deseja ser. Isso é muito contraproducente e não está de acordo com os valores de nossas empresas. Estamos determinados a resolver isso. Mas é um mundo complexo, especialmente no mundo da mineração no Peru. Precisamos encontrar as medidas certas a serem implementadas rumo ao risco zero.     

swissinfo.ch: Quão arriscado é operar no Peru?

A mineração é sempre arriscada, especialmente quando se obtém de mineradores artesanais e quando muitas fontes estão envolvidas. Para colocar as coisas em perspectiva, quando falamos de ouro ilegal [da região mineira do sudeste de] Madre de Dios, falamos de desmatamento, poluição por mercúrio, trabalho infantil, tráfico de pessoas etc. E a Dynacor nunca compra minério dessas áreas altamente sensíveis. Isso é o que se chama ouro ilegal. No caso do ocorrido neste incidente, os mineiros não estavam trabalhando em zona de conflito e não houve derramamento de mercúrio. Devemos, portanto, colocar as coisas em perspectiva. As pessoas costumam confundir as coisas.      

swissinfo.ch: No ano passado, outro refinador de ouro suíço, a Metalor, decidiu parar de importar ouro proveniente de minas artesanais na América Latina (depois de suspender as importações do Peru). Mas depois que a empresa foi criticada por não apoiar o abastecimento sustentável, ela anunciou que estava trabalhando com uma empresa de mineração de pequena escala no Peru e a Swiss Better Gold Initiative para encorajar os produtores artesanais de ouro. Os refinadores de ouro suíços estão repensando suas estratégias?   

Você pode ver o que fazemos. Não estou dizendo que tudo é perfeito em um ambiente suíço. Estamos avançando tentando fazer as coisas mudarem. Depois que a Metalor fez o anúncio no ano passado, os clientes nos perguntaram se ainda estávamos comprando do Peru. Dissemos que sim. Fomos pressionados por alguns clientes a fazer o mesmo. É exatamente por isso que estamos sentados aqui juntos para criar esse diálogo. Caso contrário, é contraproducente, na indústria de luxo suíça e em termos de risco e reputação.

Existem algumas pessoas fazendo um trabalho muito bom na mineração artesanal. Escolhemos um bom parceiro na área. Este é um bom exemplo de uma história de sucesso em transparência. Muitos mineiros artesanais estão organizados como PME (pequenas e médias empresas), são de pequena escala e são mecanizados.    

Dizer “vamos abandonar tudo isso” não é a solução e só resultaria em empurrar os mineiros artesanais para a informalidade. Mas quando se trata da mídia, é claro, precisamos dizer o que está errado. Mas devemos fazer isso por meio de consultas e diálogo construtivo. Porque, no final das contas, o resultado alternativo é que um refinador seja parabenizado por se retirar do setor artesanal. Mas é isso que significa agir com responsabilidade?     

swissinfo.ch: Como estão sendo realizadas as auditorias e fiscalizações durante a pandemia, já que os voos e até o transporte nacional no Peru foram interrompidos por causa do bloqueio?   

As verificações ainda precisam ser feitas, com ou sem Covid. Não há transações sem verificação. Temos um programa com camadas adicionais de verificações para as quais essa restrição de movimento é um obstáculo. Estamos fazendo o melhor com o que temos e continuamos com a verificação de cada transação.   

swissinfo.ch: Após o início da pandemia, os dados da alfândega peruana mostraram que os embarques para o PX Precinox estavam passando por Miami (outro grande centro de refino global), em vez de serem transportados diretamente para Zurique.

A logística mudou devido à Covid-19. Normalmente, o transporte de alto valor é feito por voos comerciais e não por voos de carga. As rotas usuais não estão disponíveis. Agora, a mercadoria tem que ir de Lima à Flórida e depois a algum lugar no Oriente Médio, antes de chegar a Zurique. Infelizmente, no momento não há outras maneiras de fazer com que o ouro chegue até nós. 

swissinfo.ch: Em que medida o Peru está tentando ajudar os mineiros mudarem e acabarem com as práticas ilegais?

Acreditamos que haja potencial no Peru. Mas existem desafios enormes. No entanto, acreditamos que as coisas podem ser melhoradas e temos um papel a cumprir. Precisamos que todas as partes interessadas estejam envolvidas. Sozinhos, não podemos resolver problemas que não foram resolvidos por décadas. Precisamos do apoio do público, da mídia, das ONGs e do mercado.  

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo