Navigation

Banco Central da Suíça registra altos lucros com a queda do franco

O Banco Nacional da Suíça (SNB) esteve ativo nos mercados de câmbio no ano passado, adquirindo CHF 48,2 bilhões (US$ 50,8 bilhões) em moeda estrangeira para evitar uma supervalorização do franco. Mesmo assim, o SNB anunciou hoje que teve lucros maciços em moeda corrente em 2017.

Este conteúdo foi publicado em 22. março 2018 - 13:37
SDA-ATS
O Banco Central confirmou um lucro recorde de CHF 54 bilhões em 2017 Keystone

Em 2017, o SNB comprou CHF 48,2 bilhões em moeda estrangeira para frear a valorização do franco suíço - em 2016, foram CHF 67,1 bilhões. Mas o valor dos investimentos em moeda estrangeira do SNB aumentou CHF 94 bilhões, totalizando CHF 791 bilhões, o que contribuiu para o lucro do banco central no ano passado.

“[Essas intervenções] ocorreram principalmente durante períodos de incerteza, quando o franco suíço era particularmente procurado como um investimento seguro”, disse o SNB em seu relatório anual publicado na quinta-feira. O primeiro semestre de 2017 foi dominado pela incerteza política na Europa, acrescentou.

+ Leia mais sobre o presidente do SNB e sua luta contra o franco forte

Depois das eleições francesas, em abril do ano passado, o franco suíço começou a enfraquecer frente ao euro, e esse processo continuou pelo resto de 2017, escreveu o SNB. Um euro atualmente vale CHF 1,17, comparado a CHF 1,07 há um ano. A partir de setembro, o franco também enfraqueceu em relação ao dólar americano.

“A confiança crescente na recuperação econômica da zona do euro e a dinâmica da economia global foram os principais impulsionadores. A demanda pelo franco suíço como valor-refúgio recuou nesse cenário ”, escreveu o SNB.

O banco central confirmou um lucro recorde de CHF 54 bilhões em 2017 - bem acima dos CHF 24,5 bilhões registrados em 2016 - causado principalmente pela queda do franco em relação ao euro. Além dos ganhos obtidos com posições em moeda estrangeira, o SNB mantém estoques de ouro no valor de CHF 3,1 bilhões.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.