Suíça mantém classificação de crédito "AAA" apesar do impacto do coronavírus

Uma grande posição credora externa líquida, altos excedentes de conta corrente e o status de moeda de reserva global do franco suíço ajudaram. © Keystone / Christian Beutler

A "perspectiva de estabilidade" da nação alpina lhe rendeu a mais alta classificação da agência de classificação Fitch.

Este conteúdo foi publicado em 06. julho 2020 - 06:45
swissinfo.ch/fh

O anúncio, feito na sexta-feira, elogiou a "economia diversificada e de alto valor agregado" da Suíça. O país também se beneficiou de seus pontos fortes tradicionais, tais como uma posição credora externa líquida muito grande, altos excedentes de conta corrente e o status do franco suíço como moeda de reserva global. 

A prudência fiscal por parte do governo também foi um fator importante, com os baixos níveis da dívida pública/PIB sendo um dos mais baixos entre as economias AAA da Fitch. No entanto, espera-se que a pandemia da Covid-19 faça com que o saldo fiscal geral do governo passe de um superávit de 1,2% no ano passado para um déficit de 8,5% do PIB em 2020, em grande parte devido aos pacotes de estímulo fiscal. 

"Enquanto a pandemia COVID-19 está tendo um impacto substancial na economia suíça e na posição fiscal do país, a sólida posição inicial e a estrutura institucional sustentam nossa visão de que sua resposta política apoiará a recuperação econômica sem corroer seus fundamentos de crédito 'AAA' a médio prazo", declarou a Fitch. 

Entretanto, o grande setor bancário suíço representa um grande risco de responsabilidade, embora não tenha afetado a classificação graças aos "fundamentos de crédito sólidos", como fortes rácios de solvência e altas exigências de reservas.

A Fitch prevê que o PIB suíço contrairá 7% em 2020 e a taxa de desemprego aumentará de 2,3% em 2019 para 3,7% em 2020 e 4,3% em 2021.
 

Partilhar este artigo