Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Tribunal suspende contrato público com a Microsoft

Movimento do software livre reclamou da falta de concorrência pública.

(Keystone)

O Tribunal Administrativo Federal, em Berna, suspendeu por uma "disposição superprovisória" um contrato de serviços no valor de 42 milhões de francos à Microsoft.

A decisão representa uma vitória parcial de um grupo de prestadores de serviços de software livre, que reclamou da falta de concorrência pública para a contratação da gigante norte-americana.

A determinação da Justiça – que não é definitiva – não afetará serviços necessários ao funcionamento do sistema de informática do governo. Esses serviços podem continuar sendo comprados da Microsof pela Secretaria Federal de Construções e Logística (SFCL), informou o tribunal na última quinta-feira (28/5).

A secretaria informou que realizou o negócio com a Microsoft de acordo com a legislação sobre aquisições públicas em vigor e publicou o contrato sem licitação no Diário Oficial do Comércio de 1° de maio de 2009. O contrato abrange, entre outras coisas, a renovação de licenças, manutenção e suporte.

O fato de não ter havido licitação causou indignação no setor open source. Dezoito prestadores de serviços de software livre se uniram e apresentaram queixa ao Tribunal Administrativo Federal.

Segundo a SFCL, mesmo com a determinação do tribunal, a funcionalidade do sistema de informática está garantido durante o processo. A secretaria irá representar o governo federal no caso.

A porta-voz da SFCL, Katja Lunau, explicou à swissinfo que o contrato foi feito sem licitação porque "pela necessidade da administração federal uma concorrência está descartada no curto e médio prazo devido às "especificidades da encomenda".

"Não existe no momento outro prestador de serviço que cubra o portfólio de software em uso com as funções necessárias e que garanta a sua integração, desenvolvimento e manutenção/suporte pelo tempo exigido. Na administração federal são usados mais de dois mil aplicativos baseados nos produtos existentes" (da Microsoft), disse Lunau.

De acordo com o jornal NZZ, estariam em uso na administração também diversos programas de software livre, mas apenas como complementos e não como substitutos de softwares essenciais da Microsoft.

Economia com software livre



No começo de maio, o "Grupo Parlamentar de Sustentabilidade Digital", formado por deputados de vários partidos (CVP, SP, FDP, EVP, GLP e Verdes), anunciou que fará "novas tentativas para ativar o potencial do software livre na economia suíça e na administração pública".

O grupo criticou que, apesar de um plano estratégico federal prever o uso de software livre e diversas propostas políticas nesse sentido feitas nos últimos oito anos, "a administração pública ainda usa majoritariamente software proprietário, enquanto países vizinhos há muito reconheceram e usam as vantagens do open source e dos padrões abertos".

Segundo o grupo, o software livre oferece "vantagens econômicas substanciais". Um estudo da Comissão Européia estima que as empresas europeias já economizam em média 36% de seus gastos com tecnologia da informação graças ao uso de software livre.

Solothurn dá o exemplo



Uma exceção na Suíça é o cantão de Solothurn. Em dificuldades financeiras, a administração estadual decidiu em 2001 substituir softwares proprietários por software livre (OSS). Todos os funcionários já receberam treinamento e 1.300 já usam OSS.

Até o final de 2010, os 2.000 servidores estaduais estarão trabalhando com o sistema operacional Linux. O governo do estado economiza cerca de um milhão de francos por ano na área de informática, disse o diretor da área, Kurt Bader, ao jornal NZZ.

As vantagens do OSS não são apenas financeiras. "O sistema é controlável porque as dependências são menores e a complexidade pode ser diminuída. Muitos aplicativos baseiam-se na web. Modificações em uma área não demandam mudanças em outras", explicou Bader.

Ele acrescentou que, graças ao código aberto, é mais fácil fazer adaptações às necessidades do cantão. O suporte é cada vez mais feito por pequenas firmas regionais em vez de multinacionais como a Microsoft. "E, como o OSS pode ser copiado sem licença, outros cantões podem copiar as soluções de Solothurn", concluiu Bader.

Geraldo Hoffmann, swissinfo.ch (com agências)


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×