Navigation

Uma lista de convidados bem homogênea

Eles soam bem modernos e avançados, os painéis no Fórum Econômico Mundial deste ano. Termos como 'inclusão' e 'diversidade' são frequentemente mencionados, assim como solidariedade com os refugiados. Mas no tocante a gênero e poder, um olhar mais atento sobre a lista de convidados revela: o participante padrão continua a ser homem, branco, por volta dos 55 anos de idade.

Este conteúdo foi publicado em 24. janeiro 2018 - 10:13
swissinfo.ch

O lema da edição de 2018 do WEF - "Criando um futuro compartilhado em um mundo fraturado" - parece promissor: prospectivo, fresco e com consciência da diversidade do mundo, visando a 'construção de pontes' para um diálogo mais fluido. No entanto, uma representação equilibrada dos participantes em relação ao gênero, idade e origem está longe de corresponder ao discurso dominante.

Apenas um quinto dos participantes são mulheres. E mesmo entre elas mulheres, a idade média de 50 - em comparação com os 54 anos de idade masculina - não é realmente indicativa da "próxima geração" de líderes que é mencionada no programa. Aliás, a representação suíça em Davos tampouco está particularmente bem posicionada em termos de diversidade. A proporção de mulheres é de 20%, pouco abaixo da média global.

swissinfo.ch


Entre os convidados, dominam os ocidentais - e os do setor privado; há mais representantes dos EUA e da Europa do que de todas as outras regiões do mundo combinadas. Mesmo que a organização do Fórum se orgulhe de incluir personalidades da política, das artes e das ciências, a maioria esmagadora (70%) é de representantes de empresas privadas.  

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.