Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Editorial O que Doris Leuthard quis realmente dizer

A ministra Doris Leuthard

Doris Leuthard fica no cargo até o final do ano.

(Béatrice Devènes/Lunax)

A ministra Doris Leuthard anunciou que sairá do governo até o final do ano. O anúncio foi feito à imprensa na quinta-feira (27.09) pela manhã "emocionada" e "lutando contra as lágrimas", aos jornalistas presentes na coletiva.

Agora espera-se as lágrimas nos olhos da Helvetia, a figura mítica do país, não turbem a realidade descrita pela ministra com mais tempo no cargo entre seus pares: "Nosso país está bastante forte, mas se tornou também mais vulnerável". O que ela lembrou foi a interdependência internacional da Suíça.

Logo do "Ponto de vista"

Logotipo do 'Ponto de vista'

Temas se tornaram mais complexos

Forças políticas externas exercem uma grande influência na política interna, acrescentou Leuthard. "É uma falácia acreditar que podemos controlar tudo sozinhos". A Suíça está exposta à muitos fatores externos. O Conselho Federal (Poder Executivo) assim como o Parlamento Federal têm de conseguir administrar melhor temas complexos e saber conjugar essas influências externas sobre o nosso país na procura de soluções aos problemas.  

Leuthard apela aqui à uma nação que reconheceu bem cedo o que se tornou necessário em um mundo globalizado: o valor das relações, a importância de transmitir uma imagem de união e também de confiabilidade. Como um país formado a partir da união de quatro regiões linguísticas, a Suíça soube equilibrar a luta por interesses e encontrar uma balança entre os diferentes aspirações e culturas. 

A Suíça criou condições estruturais que podem ser ampliadas nesta base comprovada. E apesar de bastante ambivalente, um dos pontos fortes da do país reside no intercâmbio intercultural. A Suíça tem uma tradição naquilo que o mundo globalizado exige hoje de outros países. Aqui ela teve um papel pioneiro. Tempi passati?

"Exclusividade não é um monopólio suíço"

A Suíça se denominou há muito tempo com um caso único na história. Isso se espelha em uma insegurança em relação aos desafios globais. Porém outra mulher também colocou o país frente a um espelho há pouco tempo, uma mulher com um peso internacional: Plassnik, embaixadora da Áustria na Suíça e ex-ministra das Relações Exteriores. Ela afirmou claramente que "se é muito difícil para um país reconhecer que também outros possam ter um bom sistema político, este fica menos motivado a participar na procura de soluções aos grandes problemas europeus do futuro".

Larissa M. Bieler, redatora-chefe da swissinfo.ch.

(Nikkol Rot)

E ela ainda acrescentou: "Exclusividade não é um monopólio suíço. Cada um dos 193 membros das Nações Unidas também se considera exclusivo, o que é do seu direito. Ou seja, eles também se consideram únicos, seja o Afeganistão ou o Zimbábue". Essa declaração não pode ser vista apenas como crítica, mas também nos deveria abrir os olhos, especialmente pelo fato de ter sido feita por uma embaixadora ao país onde serve, o que é visto nos círculos diplomáticos como a quebra de um tabu.

Uma coisa é certa: a globalização, essa interconexão internacional cada vez mais densa, redistribui oportunidades e riscos, às vezes a uma velocidade de tirar o fôlego. A multinacional farmacêutica Novartis cortou dois mil empregos na Suíça. Emoções não são levadas em conta nesse caso. A China abraçou há muito tempo a Suíça. O alerta feito pela ministra Leuthard deve ser entendido como um aviso: não é fácil para a Suíça participar, pois embora faça parte do bloco ocidental, não é membro da União Europeia, G20 ou mesmo da OTAN.

Em outras palavras: uma visão global da Suíça e suas conexões internacionais deveria ser há muito uma estratégia de sobrevivência. Essa interdependência internacional cada vez mais densa da economia, política, ciência e cultura determina o futuro da Suíça. O que resta?

O que resta é a educação é o "softpower"

O que permanece são os recursos como a educação e sua aplicação em termos de inovação. E o chamado "softpower". Independência e credibilidade, segurança e estabilidade, participação e democracia, o Estado de Direito: esses são os pontos fortes dados à Suíça através da sua história. Eles não nos fazem únicos, mas a identidade política da Suíça responde às condições necessárias para que ela possa ter um papel de importância na comunidade internacional

E o papel da imprensa livre não pode ser exagerado. O que Doris Leuthard realmente queria nos dizer foi, provavelmente, menos de um agradecimento: Vamos usar a nossa independência como uma força e poder. E vamos usá-la rapidamente.


Adaptação: Alexander Thoele

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.