Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Eleições do Brasil na imprensa suíça

Os brasileiros "deram uma chance a Lula"

(Keystone Archive)

Vitória do Lula é assunto de primeira capa na grande maioria dos jornais da Suíça. Comentaristas destacam a origem humilde de Luiz Inácio Lula da Silva.

"Primeiro socialista eleito no Brasil" e "Carnaval vermelho nas ruas" são algum dos títulos de destaque.

Tages Anzeiger

O "Tages Anzeiger", jornal de Zurique com a segunda maior tiragem da Suíça, publica na edição de hoje um perfil do candidato vitorioso nas eleições presidenciais do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

O título - "Lula, o otimista persistente" - abre a matéria do correspondente Hans Moser, que descreve o fundador do PT como alguém que é originário das camadas mais humildes da população e que, mesmo tendo sofrido tantas adversidades na sua carreira política, sindical e pessoal, conseguiu tornar-se o primeiro presidente do Brasil sem diploma universitário.

E destaca ainda: "Não somente o Lula modificou-se nos últimos anos, mas também a população brasileira. Cada vez menos pessoas dizem que os pés de um ex-metalúrgico seriam muito sujos para pisar nos andares do Palácio do Planalto", explica Moser a aceitação de Lula pelos brasileiros.

NZZ e Der Bund

O "Neue Zürcher Zeitung", o diário mais conceituado e sisudo da Suíça realça que Lula será o primeiro socialista eleito presidente do Brasil.

Ponto principal da matéria foi dado ao discurso de Lula, realizado logo após a confirmação de sua vitória. "Ele promete ser o presidente de todos os brasileiros e governar melhor o país como ex-metalúrgico, do que as elites nos seus últimos 100 anos de poder".

"Der Bund", jornal liberal da capital Berna, destaca na sua matéria as comemorações populares devido à vitória de Lula nas eleições. "Carnaval vermelho nas ruas do Rio de Janeiro". Seu correspondente lembra que trata-se da segunda vez, nos 113 anos de história republicana, que um presidente eleito democraticamente consegue passar a faixa presidencial a um candidato vitorioso em eleições livres.

Análise do "Le Temps"

A vitória de Lula é destaque na seção internacional do "Le Temps", de Genebra, um dos jornais de referência na Suíça de expressão francesa, que explica essa Vitoria pelo "fracasso da gestão econômica do presidente Cardoso".

Os brasileiros "plebiscitaram a alternância", na busca de melhores condições de vida, escreve o diário genebrino que ouviu dois economistas brasileiros: (Paulo Nogueira Batista e Luiz Nassif").

Segundo o "Le Temps", grande parte da população no Brasil estava cansada de oito anos da era Fernando Henrique Cardoso, apesar de vitórias da gestão FHC: no combate à "inflação endêmica", nas áreas do ensino e da saúde.

O jornal constata que se o Plano Real, introduzido em 1994, melhorou o poder aquisitivo do povo - chegando a duplicar o dos mais pobres -, "hoje já não tem a mesma eficiência". E aponta como a principal preocupação atual, o desemprego, considerado, pelo menos em parte, "o efeito perverso da estabilidade dos preços".

As mais elevadas taxas de juros do mundo (21%), como garantia de estabilidade, seriam "um desastre para a economia": mão apenas aumenta a dívida pública, como impede o crescimento. E com o setor produtivo parado, o desemprego aumenta...

Os eleitores decidiram dar uma chance a Lula, que, no entanto, deve ir devagar com o andor para tranqüilizar os meios financeiros: "Lula deverá rever "para baixo" suas promessas eleitorais, escreve o Le Temps.

"24 Horas" e "Tribuna de Genebra"

Esses dois outros jornais de certo destaque na região francesa da Suíça limitam-se a publicar despachos de agências de notícias.

O 24 Horas sai com esta manchete: "Lula, o 1° presidente de esquerda" (no Brasil, ou seja, desde a proclamação da República em 15 de novembro de 1889). E lembra que o novo presidente deve negociar com os partidos conservadores para poder governar.

E o Tribuna de Genebra destaca: "Lula pronto para a sagração", recordando que ele se torna "o primeiro operário eleito presidente no País". Destaca também que Lula expressa o sentimento de mudança".

swissinfo


Links

×