Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Eleições federais Suíços do estrangeiro dúvidam da validade da eleição

Nos vilarejos é mais fácil votar: em Medel, no cantão dos Grisões, um eleitor coloca o voto na urna em 19 de outubro de 2019, um dia antes das eleições.

(Keystone)

Os suíços do estrangeiro têm direito de voto, mas não puderam fazê-lo nas eleições em 20 de outubro. Muitos já passaram por essa situação. A frustração é profunda, como demonstram as reações recebidas através do aplicativo swissinfo.ch e das redes sociais.

A insatisfação é grande. Se a lei permite a participação política dos suíços do estrangeiro, na prática a maioria não vota. O envelope contendo o material eleitoral (incluindo também as cédulas) chega demasiado tarde para ser enviado a tempo de volta à Suíça.

A situação desse grupo de eleitores piorou nas eleições federais de 2019: os sistemas de voto eletrônico não foram utilizados por uma decisão oficial frente à temores de problemas de segurança. Porém a questão da legitimidade fica aberta.

Pesquisa

Facebook

O fato de suíços estrangeiros terem dificuldades em participar das eleições e plebiscitos parece, por enquanto, ser considerado um mal menor em comparação com os riscos de segurança.

Muitos manifestaram sua insatisfação. "Se os eleitores não podem exercer seus direitos, a eleição deveria então ser anulada", afirmou um suíço do estrangeiro nas redes sociais, argumentando que um protesto deveria ser enviado às autoridades.

O problema do voto eletrônico

Uma pesquisa realizada pela Organização dos Suíços no Exterior (ASOLink externo, na sigla em alemão) após as eleições revela alguns fatos interessantes.

A ASO comparou a taxa de participação dos suíços no exterior em 2015 e 2019 nos cantões que ainda ofereciam a possibilidade de votar por via eletrônica. Os números mostram que a desistência do governo de utilizar sistemas eletrônicos teve como consequência uma queda na taxa de participação do suíço do estrangeiro de 10%.

- No cantão de Genebra a participação caiu de 32% para 21%.

- No cantão de Lucerna: de 32,1% a 23,4%.

- Na Basileia-cidade: de 26% a 19,2%.

Em comparação com os números dos plebiscitos de 19 de maio de 2019, a ASO também constatou que outros cantões (Argóvia, Lucerna e Vaud) que ainda ofereciam votação eletrônica, registraram uma queda de 10% na participação eleitoral dos suíços do estrangeiro.

Grupo mais liberal e verde

Os suíços do estrangeiro têm um posicionamento diferente dos eleitores no país. Os resultados em dez cantões, cujos dados estavam disponíveis, mostram que uma maioria votou no Partido Verde e menos no Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão, direita nacionalista).

Gráfico

Gráfico

Qual a importância do voto eletrônico? Você participou das eleições de 20 de outubro de 2019? Houve dificuldades? Discuta o tema em nossa página Facebook:

Facebook (1)

Facebook


Adaptação: Alexander Thoele

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.