Analista de sistemas suspeito dos"Panamá Papers" está preso em Genebra

Um analista de sistemas da sucursal de Genebra do escritório de advocacia Mossack Fonseca está em prisão preventiva. O Ministério Público de Genebra abriu um inquérito criminal e confiscou documentos e computadores. Há suspeitas de que o analista de sistemas esteja na origem do escândalo dos "Panamá Papers".

swissinfo.ch com agências
Mossack Fonseca afirma que deu queixa contra várias pessoas envolvidas na evasão de dados. Keystone

A notícia foi relatada na edição do hoje do jornal suíço "Le Temps". O Ministério Público de Genebra confirmou ao jornal que agiu depois da queixa apresentada por Mossack Fonseca, mas recusou dar mais detalhes, o que é comum na Suíça. O analista de sistemas é acusado de roubo de dados, acesso indevido a um sistema informático e abuso de confiança. 

Dia 3 de abril último, os jornais membros do Consórcio Internacional dos Jornalistas de Investigação (ICJ na sigla em inglês), revelavam o escândalo dos "Panama Papers", depois de um vazamento massivo de informações das contas do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, especializado na criação de empresas offshore. 

O autor do vazamento é objeto de todas as especulações. Sob o pseudônimo de "Jon Doe" ele havia explicado suas motivações e um manifestado transmitido à imprensa em maio. Falava de evasão fiscal e de crimes.  "Decidi desmascarar Mossack Fonseca porque penso que seus fundadores, funcionários e clientes devem responder sobre o papel deles nesses crimes".

O analista de sistemas em prisão preventiva em Genebra seria o autor da evasão? "Todas as hipóteses são possíveis", afirma o advogado de Mossack Fonseca, Tierry Ulmann.  Por outro lado, os advogados do analista, Thomas Barth e Romain Jordan afirmam que o cliente "contesta todos os fatos de que é acusado".

Os "Panama Papers" mostraram que a Suíça está entre os cinco primeiros países que utilizam intermediários financeiros em empresas offshores.

O que você acha da fuga de capitais? Sua opinião nos interessa.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo