EXCLUSIVO-EUA impulsionam venda de armas para Taiwan, em provocação à China

Forças militares dos EUA disparam míssil durante exercício nas Filipinas 10/10/2016 REUTERS/Romeo Ranoco/File Photo reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. setembro 2020 - 17:33

Por Mike Stone e Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos planejam vender para Taiwan até sete sistemas de armas importantes, incluindo minas, mísseis de cruzeiro e drones, disseram quatro pessoas familiarizadas com as discussões, ao mesmo tempo em que o governo Trump aumenta a pressão sobre a China.

A tentativa de concretizar sete vendas de uma vez é um raro afastamento de anos anteriores, em que as vendas militares dos EUA para a ilha foram espaçadas e cuidadosamente calibradas para minimizar as tensões com a China.

Mas o governo Trump se tornou mais agressivo com a China em 2020. As relações entre Pequim e Washington estão em seu ponto mais baixo em décadas devido a acusações de espionagem, uma guerra comercial prolongada e disputas sobre a propagação do novo coronavírus.

Ao mesmo tempo, o desejo de Taiwan de comprar armas aumentou depois que o presidente Tsai Ing-wen foi reeleito em janeiro e tornou o fortalecimento das defesas de Taiwan uma prioridade.

Taiwan é a questão territorial mais sensível da China. Pequim diz que a ilha é uma província chinesa e tem criticado o apoio do governo Trump.

Os EUA buscam criar um contrapeso militar às forças chinesas, com base em um esforço conhecido no Pentágono como "Fortaleza Taiwan", à medida que os militares de Pequim fazem movimentos cada vez mais agressivos na região.

O Ministério da Defesa de Taiwan informou que o pacote relatado é uma "suposição da mídia" e que lida com as negociações e avaliações de compra de armas de uma forma discreta e confidencial, portanto, não poderia oferecer comentários públicos até que houvesse uma notificação formal dos EUA de qualquer venda ao Congresso.

Os militares de Taiwan são bem treinados e bem equipados, principalmente com hardware feito nos EUA, mas a China tem uma enorme superioridade numérica e está adicionando equipamentos próprios avançados.

Partilhar este artigo