Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

FIFA apura caso de corrupção

O presidente da FIFA, Joseph Blatter.

O presidente da FIFA, Joseph Blatter.

(Keystone)

A FIFA abriu um inquérito interno para averiguar as acusações de corrupção feitas pelo jornal inglês “Sunday Times” de domingo (17).

O jornal afirma que representantes da organização sediada em Zurique teriam proposto trocar apoio por dinheiro na votação dos países candidatos à organização da Copa do Mundo de 2018.

"Absolutamente íntegro"

Segundo o jornal, Amos Adamu, membro nigeriano do comitê executivo, teria exigido 750 mil dólares para apoiar uma candidatura. Filmado quando falava com os jornalistas que se fizeram passar por lobistas de um consórcio americano, Adamu garantiu que iria votar pela candidatura dos Estados Unidos em troca da quantia.

Vice-presidente da FIFA e presidente da confederação da Oceania, Reynald Temarii, teria pedido mais de 2 milhões de dólares para a construção de uma academia de futebol em Auckland, afirmando que dois outros candidatos à organização da Copa já teriam oferecido dinheiro à Oceania para obter seu voto. Reynald Temarii já declarou ser “absolutamente íntegro” e deve ser audicionado pela comissão ética da FIFA na quarta-feira.

Em um comunicado à imprensa feito no domingo, a FIFA declarou que já teria pedido ao “Sunday Times” todos os dados usados na publicação do artigo para fazer sua própria averiguação. “A FIFA e sua comissão ética examinam atenciosamente o procedimento das candidaturas para 2018 e 2022 e ela continuará agindo dessa maneira”, comentou ainda a federação.

Os países organizadores da Copa do Mundo de 2018 e de 2022 serão designados pela FIFA no dia 2 de dezembro. Os Estados Unidos já renunciaram à candidatura para 2018, se concentrando na de 2022. Inglaterra, Bélgica, Holanda, Espanha, Portugal e Rússia são candidatos para organizar a Copa de 2018. Para a de 2022, além dos Estados Unidos, também se candidataram Austrália, Coreia do Sul, Japão e Qatar.

"Situação muito desagradável"

O presidente da FIFA, o suíço Sepp Blatter, falou domingo de uma “situação muito desagradável” após a abertura do inquérito.

“Lamento ter que informá-los de uma situação muito desagradável, que diz respeito a um artigo publicado hoje (domingo) no Sunday Times, entitulado “Copa do Mundo: votos à venda”, escreveu Blatter em correspondência aos membros do comitê executivo da FIFA, publicado no site da instância.

Blatter também disse que o artigo teve um “impacto muito negativo sobre a FIFA e as candidatura para as Copas do Mundo de 2018 e 2022”, confirmando que uma “profunda” averiguação já estaria em andamento.

O que é?

A Federação Internacional de Futebol Associado (do francês: Fédération Internationale de Football Association), mais conhecida pelo acrônimo FIFA, é a instituição internacional que dirige as associações de futsal, futebol de praia (português europeu) ou futebol de areia (português brasileiro) e futebol associado, o esporte coletivo mais popular do mundo.

Filiada ao COI, a FIFA foi fundada em Paris em 21 de maio de 1904 e tem sua sede em Zurique na Suíça. A referência ao Football Association, decorre ao fato de na época de sua fundação existirem duas vertentes do futebol, uma controlada pela Football Association e outra controlada pela Rugby Football Union (que no futuro passaria a ser o rugby atualmente).

Ao todo possui 208 países e/ou territórios associados. Com esse número, é a instituição internacional que possui a segunda maior quantidade de associados, inclusive mais associados do que a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Comitê Olímpico Internacional (COI), que possuem, ambos, 192 membros cada.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) possui 212 membros. (Texto: Wikipédia em português)

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch com agências


Links

×