Navegação

Menu Skip link

Subsites

Funcionalidade principal

Fluxos migratórios Um balanço dos pedidos de asilo na Europa

Em 2015, a Europa teve um número recorde de pedidos de asilo com mais de 1,3 milhões de requerentes inscritos pela primeira vez. Novos números mostram uma ligeira baixa desde então, mas os pedidos ainda são o dobro do número de 2014.

dw

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mais de 1,23 milhões de pedidos de asilo foram registados na União Europeia (UE) e nos países da EFTA (Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein) em 2016. Sírios, afegãos e iraquianos continuaram a ser as três principais nacionalidades que procuram proteção internacional. Por si só, os nacionais destes três países atingidos pelo conflito representam mais da metade dos requerentes de asilo.

parset

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As principais diferenças na origem dos pedidos de asilo a partir de 2015:

  • Irã e Nigéria: aumento de mais de 50% nos requerentes de asilo primários provenientes desses países. Como lembrete, a Nigéria está em guerra com o grupo terrorista islâmico Boko Haram desde 2009.
  • Impulsionado sobretudo pela crise econômica, os kosovares foram uma das principais nacionalidades dos requerentes de asilo em 2015, cerca de 5% de todos na Suíça. Novos procedimentos desde então desencorajaram muitos candidatos. Os requerentes de asilo primários diminuíram 86%, ou 58.140 menos em 2016 em comparação com o ano anterior.

Em relação aos países de destino:

  • Assim como em 2015, a Alemanha continua a ser a mais popular, respondendo por quase 60% de todas os pedidos. Deve ser levado em consideração, no entanto, que vários pedidos apresentados em 2016 dizem respeito a migrantes que chegaram em 2015. Face à entrada sem precedentes de requerentes de asilo, a Alemanha, com frequência, adiou o pedido formal por vários meses.
  • A Suécia, o terceiro destino de asilo mais popular em 2015, teve uma grande queda na demanda no ano passado. Foi uma diminuição de 86% (133.810 menos) em relação a 2015, que está relacionada com o fechamento de suas fronteiras e um aperto de suas condições para receber pessoas.
  • A Hungria, o segundo destino mais popular para pedidos de asilo em 2015, também registou uma queda significativa de 85% nos pedidos (-146.220). Uma série de medidas abertamente antimigrantes decretadas pelo governo nacionalista de Viktor Orban tiveram um efeito: a construção de uma cerca de arame farpado ao longo da fronteira com a Sérvia e a Croácia (175 km de comprimento), colocando os migrantes em centros de detenção e retornos forçados. A Hungria continua a ser um país de trânsito para os requerentes de asilo. De todos os pedidos processados em 2016, menos de 2% tiveram uma resposta positiva.
  • A criação de centros de registo de imigrantes financiados pela UE na Grécia levou a uma explosão do número de pedidos de asilo apresentados no país. Houve um aumento de mais de 339% dos pedidos em relação a 2015. Este aumento reflete sobretudo a eficácia destes pontos críticos no registro de todos os migrantes que desejam alcançar a Europa. A maioria destes requerentes de asilo estava apenas em trânsito pela Grécia.

A Suíça teve uma queda de 32% nos requerentes de asilo primários em 2016. Isso foi devido ao fechamento parcial das fronteiras na rota dos Bálcãs.

No final de 2016, ainda havia mais de 1 milhão de pedidos de asilo na Europa.


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

×