Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Genebra deu adeus ao velho estádio

No último jogo, o Servette empatou de 4 a 4 com o Young Boys.

(Keystone)

Após 72 anos de serviço, acabou a história do estádio das "Charmilles", em Genebra.

Depois da pausa de inverno, quando começar a segunda fase do campeonato suíço, O Servette FC vai jogar no estádio de Genebra, moderníssimo e novinho em folha.

9 mil pessoas foram à festa final e lotaram o velho estádio das "Charmilles", em Genebra. Mesmo na segunda maior cidade suíça, conhecida mundialmente, o estádio só tinha capacidade para 9 mil pessoas por questões de segurança.

Velhas glórias

Quando inaugurado, em 1930, as normas eram outras e, apesar das várias reformas, não atendia mais às regras fixadas pela FIFA e pela UEFA, União Européia de Futebol, ambas sediadas na Suíça.

Na festa de despedida, houve desfile dos velhos craques que fizeram a glória do Servette FC, principal clube de Genebra, um dos mais antigos da Europa. Fundado em 1890, o Servette já ganhou 17 campeonatos e 7 copas suíças.

O estádio que foi palco de tantas emoções, no alto da cidade, será demolido e devolvido à população na forma de um grande jardim.

Quando o campeonato suíço for retomado, depois da pausa de inverno, uma nova etapa vai começar no futebol de Genebra. O Servette vai jogar no novo estádio, moderníssimo, em fase final de acabamento, em outro bairro da cidade.

Espaço novo

O novo estádio de Genebra será inteiramente coberto, polivalente e com capacidade para 30 mil torcedores. Terá ainda um hotel e um centro comercial no mesmo prédio.

O novo estádio de Genebra faz parte da política de remodelação das estruturas esportivas na Suíça. Basiléia tem um estádio novo, em Berna e Zurique outros estão em construção. Já era tempo.

Vários estádios ainda em atividade foram construidos para a Copa de 1954, última grande competição organizada na Suíça. Agora o país é candidato, junto com a Áustria, a organizar o Euro de seleções, em 2008. A decisão da UEFA será anunciada quinta-feira.

swissinfo/Claudinê Gonçalves


Links

×