Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Gökhan Inler

Gökhan Inler vive um momento mágico no campeonato italiano

(swissinfo.ch)

O jogador suíço titular da Udinese está vivendo um momento mágico na Itália. Na entrevista que concedeu a swissinfo, o meio-campista fala de suas sensações.

Ele afirma que, para jogar na Itália, é preciso estar maduro tática e fisicamente.

"Inler... Inler... tiro, rete!!!!". Um dos muitos torcedores que assistem o treino do Udinese, imita escandalosamente um locutor de rádio provocando risos dos amigos que o acompanham.

O episódio ao qual se referia como locutor, no entanto, é real e compartilhado por milhares de torcedores do Udinese. Dois dias antes, o talentuoso jogador suíço de origem turca marcou um golaço, contribuindo para a vitória de 3 a 1 contra a Fiorentina, pelo campeonato italiano.

"É preciso dizer a verdade: faz muitos anos em Série A que não se via uma proeza similar", acrescenta outro torcedor, provisoriamente sério.

O ótimo desempenho de Inler não passa despercebido. A Gazzetta dello Sport – conhecida como «Bíblia rosa» – em um artigo de 7 páginas e meia fez o seguinte comentário: "O melhor em campo foi Gökhan Inler, uma descoberta que o patrão Pozzo (presidente do Udineses) comprou pelo preço de um pão e que agora já vale milhões".

Segundo alguns jornais esportivos italianos, quem quiser o craque suíço do Udinese - seu contrato vai até 2012 - terá que desembolsar de 10 a 15 milhões de francos suíços.

Um desafio constante

A resposta à questão surge de maneira espontânea, como se fosse preciso manter a cabeça no lugar em meio a tantos elogios e o interesse de clubes como Juventus e Barcelona e que veste a mesma camisa de Quagliarella e Di Natale, jogadores da seleção italiana.

Na sede social do Udinese, Inler responde que "é preciso dar tudo no campeonato, concentrar-se no próprio trabalho e não se impressionar com o sucesso. Cada dia é um novo desafio a enfrentar", responde o suíço, que acrescenta: "sempre me comportei dessa maneira, durante minha carreira como profissional".

Por ter jogado em outro nível na Suíça, Inler reconhece que, na Itália, as condições são mais difíceis: "a mídia é sempre presente e a pressão é realmente forte. Além disso, o campeonato italiano é estremamente competitivo e devemos estar sempre perto da perfeição".

Higiene de vida

Nesse contexto, explica Inler, é fundamental ter momentos de calma e defender a vida privada. "Eu e minha companheira moramos fora da cidade para sermos voluntariamente isolados e tranqüilos".

Dessa maneira, Gökhan, de religião muçulmana, sempre teve um estilo de vida moderado. "Não teho o hábito de freqüentar festas, não bebo e não fumo. No tempo livre prefiro ficar em casa, brincar com meus dois cães e falar com a família e os amigos na Suíça. Isso me permite recarregar as baterias e ser perfeitamente lúcido".

É um comportamento que ele sempre teve desde o início da carreira: "Me concentro em meus objetivos, criando as condições ideais para poder atingi-los. Sempre foi assim e também será no futuro.".

O talento não basta

"Ter talento esportivo é seguramente importante mas não é tudo. No futebol, as coisas podem mudar muito rapidamente: deve-se trabalhar seriamente e ser um exemplo de seriedade inclusive fora do campo", sublinha Inler.

A esse respeito, acrescenta, "ter sempre um comportamento correto e disponível com os torcedores e jornalistas, mesmo que a imprensa critique minha atuação".

"Esse discurso - continua Inler - vale também para os rumores do mercado: o jogador deve empenhar-se ao máximo pelo seu clube, trabalhando todo dia. O resto é tarefa do empresário: não preciso me preocupar com essas questões".

Itália, exame permanente

Quais aspectos diferenciam o campeonato suíço do campeonado italiano? "Para jogar na Itália é necessário estar maduro a nível tático e estar em excelente condição física. O mínimo erro é imediatamente punido com um gol do adversário ...".

Por outro lado, afirma Inler, "essa exigência tão alta permite a um jovem aprender muito e aproveitar da experiência dos colegas do time. Isso ainda é particular em Udine: somos um time jovem e estamos crescendo juntos." Na cidade, os torcedores estão eufóricos e alguns pensam em se classificar para a Liga de Campeões. "Nós não devemos pensar nisso, mas nos concentrarmos simplesmente na próxima partida".

Pouco depois, uma pessoa vem cumprimentá-lo e pergunta o que fará depois da entrevista. "Volto para minha casa", responde Inler, que já se vira bem em italiano. "Mas como, depois de um gol daquele, você vai para casa?", pergunta sorrindo o interlocutor. "Claro, vou brincar com meus cães..." responde sorridente o suíço Inler.

swissinfo, Andrea Clementi, Udine

Gökhan Inler

Gökhan Inler nasceu em 27 de julho de 1984, em Olten (cantão de Solothurn), onde cresceu com seus pais e o irmão Volkan. Com seis anos começou a jogar no infantil local, passando rapidamente para o FC Solothurn e se tornou titular com 16 anos. Rapidamente suscitou o interesse do FC Basiléia, onde jogou em 2004 e 2005, no sub 21. Daí foi para o FC Aarau e começou a jogar na primeira divisão profissional e na seleção nacional Sub 21.

Disputou o campeonato suíço de 2006-2007 pelo FC Zurique e foi campeão suíço aos 22 anos. Foi então para o Udinese e estreou dia 27 de agosto de 2007 no estádio San Siro de Milão, contra o Milan. Dois meses depois, marcou seu primeiro gol (Udinese-Torino, 2 a 1).

Aqui termina o infobox

Udinese

O Udinese é um dos clubes mais antigos da Itália. Não é só o clube da ciade mas de toda a região de Friuli-Venezia Giulia (nordeste da Itália).

Os melhores resultados de sua história são o vice-campeonato da série A 1954/55 e o terceiro lugar em 1997/98, numerosas participações na Copa UEFA, uma Mitropa Cup e uma Copa Intertoto. Participou la Liga de Campeões 2005-2006.

O clube forma muitos jovens talentos mas não consegue mantê-los. Nos últimos anos, muitos jogadores provenientes do Udinese forma convocados para seleções. Entre eles, o campeão do mundo Vincenzo Iaquinta (agora no Juventus), o campeão da Europa Oliver Bierhoff (também campeão da Itália com o Milan) e o brasileiro Márcio Amoroso. Entre 1983 e 1985, foi o time do brasileiro Zico.

Aqui termina o infobox


Links

×