Governador de NY autoriza refeições ao ar livre na 2ª fase de reabertura e critica Trump

Garçom com máscara na porta de restaurante em Manhattan 23/05/2020 REUTERS/Jeenah Moon reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. junho 2020 - 22:46

Por Nathan Layne e Maria Caspani

NOVA YORK (Reuters) - O Estado de Nova York permitirá refeições ao ar livre durante a segunda fase de reabertura dos negócios, anunciou o governador Andrew Cuomo nesta quarta-feira, com restaurantes em sete das 10 regiões do Estado autorizados a funcionar a partir de quinta-feira.

Cuomo também criticou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por ter posado para fotos segurando uma Bíblia em frente a uma igreja perto da Casa Branca, em uma visita tornada possível depois que manifestantes foram dispersados com balas de borracha e gás lacrimogêneo.

Segundo o plano de NY para retomar a atividade econômica paralisada durante o isolamento imposto devido à pandemia de coronavírus, restaurantes e serviços de alimentação não deveriam reabrir completamente até a fase três. A indústria de hospitalidade e alguns parlamentares vêm pressionando para permitir refeições ao ar livre para ajudar setores em dificuldades.

A cidade de Nova York, que entrará na fase uma da reabertura na segunda-feira, não está entre as regiões onde as refeições ao ar livre podem ser retomadas nesta semana.

Em uma entrevista coletiva diária, Cuomo criticou a resposta de Trump aos distúrbios que têm abalado os Estados Unidos depois que um homem negro foi morto em Mineápolis enquanto estava sob custódia policial.

Ele observou que Trump não leu nenhuma passagem da Bíblia em sua sessão de fotos na Igreja Episcopal de São João.

"O presidente segurou a Bíblia outro dia em Washington. Aqui em Nova York nós efetivamente lemos a Bíblia", disse Cuomo, antes de ler algumas passagens.

(Reportagem de Nathan Layne, em Wilton, Connecticut, e Maria Caspani, em Nova York)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo