Navigation

Governo espanhol bloqueia leilão de quadro por suspeitar que seria de Caravaggio

Visitante observa o quadro 'João Batista', obra do mestre italiano Caravaggio, em 19 de maio de 2020 na Galeria Borghese, em Roma afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. abril 2021 - 10:52
(AFP)

O governo espanhol bloqueou o iminente leilão de um quadro atribuído ao círculo do pintor José de Ribera, por suspeitar de que seria, na realidade, do mestre italiano Caravaggio - anunciou o Ministério da Cultura nesta quinta-feira (8).

Fontes do Ministério destacaram à AFP que o quadro foi declarado não exportável da Espanha "como medida cautelar", após um relatório do Museu do Prado que aponta "evidências documentais e estilísticas suficientes" para considerar que a obra seria de Michelangelo Merisi da Caravaggio.

"Vamos ver se é, de fato, um Caravaggio", afirmou o ministro da Cultura, José Manuel Rodríguez Uribes, que defendeu a decisão como "muito adequada, porque o quadro é valioso".

O quadro em questão é "A coroação de espinhos", um "ecce homo" que seria leiloado à tarde pela casa madrilena Ansorena.

A casa de leilões confirmou à AFP que o quadro foi retirado da venda e que foi efetivamente "declarado não exportável e não pode sair da Espanha". A Ansorena acrescentou que vários especialistas estão examinando a obra para verificar sua autoria.

Fontes do Ministério espanhol da Cultura confirmaram que, com o quadro retirado do leilão, agora acontecerá um estudo técnico e científico profundo, com o debate acadêmico para determinar se a "atribuição a Caravaggio é verdadeiramente plausível".

A obra é um óleo sobre tela de 111x86 cm e datada no catálogo da Ansorena como do século XVII, com um preço inicial fixado em modestos 1.500 euros (US$ 1.800).

Maria Cristina Terzaghi, professora de História da Arte Moderna na Universidade de Roma III, havia expressado dúvidas sobre a autoria da obra e afirmou ao jornal italiano La Repubblica que poderia ser de Caravaggio (1571-1610).

Ela disse que o manto púrpura que veste o Cristo deste quadro "tem a mesma qualidade que o vermelho de 'Salomé'" com a cabeça de São João Batista, outro quadro de temática religiosa exposto no Museu do Prado.

Como recorda o jornal italiano, Caravaggio pintou em 1605, em Roma, um "ecce homo" para o cardeal Massimo Massimi.

Um quadro sobre o mesmo tema, cuja descrição corresponde à obra que teve a venda bloqueada em Madri, foi repertoriado em 1631 na coleção de Juan de Lezcano, embaixador espanhol na Santa Sé.

Em 1657, a obra continua na Itália, desta vez, na coleção de García de Avellaneda y Haro, vice-rei espanhol de Nápoles.

A "Salomé" de Caravaggio exposta no Prado também pertenceu à coleção deste vice-rei. Os dois quadros teriam saído da Itália, rumo à Espanha, com seu proprietário em 1659.

O caso faz recordar, em parte, o de outra tela descoberta em 2014, em um celeiro de Toulouse, no sul da França, e atribuída a Caravaggio por vários especialistas.

O quadro "Judith y Holofernes" seria leiloado com um preço de saída de 30 milhões de euros, em junho de 2019. A venda acabou sendo anulada horas antes, graças a uma operação de comum acordo com um colecionador americano ligado ao Metropolitan Museum of Art, segundo jornais.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.