Navigation

Guerra mostra a importância das telecomunicações

Na Libéria, os aquivos eletrônicos do CICV facilitam a busca de desaparecidos. Keystone

A recente guerra no Iraque mostrou que as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) estão se tornando uma ferramenta essencial para proteger civis em períodos de conflito.

Este conteúdo foi publicado em 16. dezembro 2003 - 15:57

Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), telefones via satélite, rádio e Internet continuam ajudando a salvar vidas.

“Quando nossa equipe em Bagdá permaneceu na retaguarda, depois do início do bombardeio, ela manteve comunicação via rádio conosco”, contou para a swissinfo, a porta-voz da CICV, Antonella Notari.

A Internet e os telefones não funcionavam, de modo que eles usaram receptores de rádio e transmissores para contatar a nós e a todos os demais sobre a situação em terra e alertar a respeito de qualquer perigo iminente”, acrescentou.

Telecomunicações e Internet também estão sendo usadas pela organização sediada em Genebra, para colocar famílias em contato com seus entes queridos.

Famílias Iraquianas

Por exemplo, durante a guerra no Iraque, o CICV ajudou milhares de iraquianos a contatar suas famílias, no exterior, usando telefones via satélites.

“Eles podiam falar por um minuto, para qualquer lugar do mundo, e contar a seus familiares que estavam sãos e salvos e para dar rápidas notícias”, explicou Notari.

A agência humanitária também mantém um site chamado “Link Familiar”, que objetiva colocar parentes em contato, acompanhando os conflitos em países como Iraque, Libéria, Serra Leoa, Kosovo e Bósnia Herzegovina.

Milhares de pessoas acessaram a rede para dizer que eles estavam à procura de alguém ou para informar que estavam vivos e bem, de acordo com Notari.

Um programa similar de mensagens, que utiliza a Internet e faixas de rádio comunitário, também está ajudando a reunir membros de famílias separadas em Angola, alguns dos quais estavam sem contato há décadas.

Prós e contras

Contudo, uma das desvantagens do crescente sucesso das telecomunicações é o fato de que elas estão sendo continuamente usadas pelos grupos rebeldes e terroristas.

Durante o genocídio de 1994, em Ruanda, a estação de rádio pirata, Radio Tele Libre Mille Collines (RTLM) incitou a milícia Hutu a massacrar os Tutsis.

Diretores da rádio foram processados pelo Tribunal Criminal Internacional para Ruanda, acusados de genocídio e crimes contra a humanidade.

“Na maior parte das vezes, o que se vê são certos grupos usando tecnologias de informação para espalhar suas instruções, suas mensagens e sua ideologia”, disse Notari ao swissinfo.

“Enquanto isso, a CICV tenta usar a Internet para ensinar o povo sobre leis humanitárias internacionais e os princípios básicos de humanidade... mas será uma ilusão pensar que podemos reagir contra o uso das TIC por certos grupos”, acrescentou.

Apesar desse aspecto negativo, Notari acredita que o uso das TIC em operações humanitárias continuará a crescer na medida em seus custos barateiam, e suas facilidades se tornam mais amplamente disponíveis e fáceis de serem usadas.

“Há um enorme potencial para desenvolvimento de como as telecomunicações são usadas para ajudar populações ameaçadas”, disse ela.

swissinfo, Anna Nelson de Geneva

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?