Fabricante de respirador não dá conta da demanda por causa do Covid-19

A demanda também é altíssima na Suíça, que conta originalmente com cerca de 1.200 respiradores artificiais instalados em hospitais Keystone / Alessandro Crinari

 A Hamilton Medical, líder mundial na fabricação de respiradores artificiais, aumentou a produção em 50%, mas ainda não consegue atender à demanda. 

swissinfo.ch/ac

Os funcionários da empresa no sudeste da Suíça estão agora trabalhando 24 horas por dia e solicitaram autorização para trabalhar aos domingos, disse à swissinfo.ch o diretor Andreas Wieland. 

Wieland estima que a demanda por seus aparelhos médicos de respiração é tão alta que, para manter o ritmo, eles precisariam produzir em um mês a quantidade de um ano em condições de vida normal (1.500 a 2.000 unidades). 

A Itália duramente atingida é um país prioritário para a empresa, o que significa que grandes encomendas de outros clientes, como o Exército dos EUA, estão em espera.  

Resta saber se o Conselho Federal da Suíça também seguirá seus vizinhos, proibindo a exportação de respiradores e outros materiais médicos de emergência, como máscaras. A demanda é alta na Suíça, que tem cerca de 1.000 a 1.200 ventiladores em hospitais. A Hamilton está trabalhando para atender às necessidades domésticas, mas limita a quantidade fornecida a cada hospital com base na infra-estrutura e no pessoal.  

Além do pessoal, um dos principais gargalos para a Hamilton é o fornecimento de componentes. Por exemplo, a Romênia classificou recentemente um componente como um "dispositivo médico", impedindo assim a sua exportação para a Suíça. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo