Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Estratégia energética 2050 Horizonte energético suíço será sem átomo

Os suíços acabaram aprovando nas urnas a nova lei energética que visa promover a energia renovável, proibir novas usinas nucleares e reduzir o consumo de energia no país.



A nova lei pretende banir a produção de energia atômica no país até 2050.

A nova lei pretende banir a produção de energia atômica no país até 2050.

(Keystone)

Embora a Estratégia Energética 2050 tenha sido aprovada pelo parlamento no ano passado, ela acabou sendo levada a referendo pelo partido do povo suíço (SVP, na sigla em alemão), o maior partido da Suíça, que recebeu apoio de parte da comunidade empresarial suíça e de alguns grupos ambientalistas.

A estratégia prevê a transição gradual para um fornecimento de energia que não seja atômica. O governo iniciou a mudança da política energética após o acidente nuclear de 2011 em Fukushima, no Japão.

Os favoráveis a nova lei dizem que ela tornará a Suíça menos dependente das importações de energia, mantendo seu padrão elevado de fornecimento. Eles argumentam que ela também ajudará a reduzir o impacto ambiental na Suíça relacionado à produção energética.

A estratégia energética tem como objetivo aumentar a produção de energia solar, eólica, de biomassa e geotérmica e fornece subsídios adicionais para as companhias hidrelétricas deficitárias. A energia nuclear será eliminada gradualmente, começando em 2019. Os cinco reatores do país serão desativados assim que forem considerados obsoletos pelo órgão de segurança nuclear.

A energia nuclear é responsável por cerca de 38% da energia produzida na Suíça.

(swissinfo.ch)

Campanha turbulenta

Mas os adversários alertaram sobre uma potencial escassez de energia no país e um aumento da burocracia, sem falar do aumento dos custos para os consumidores.

Durante a campanha para a votação de hoje, ambas as partes acusaram-se mutuamente de apresentarem valores enganosos sobre o preço que uma família média terá que pagar com a estratégia energética, variando de um aumento de 40 a 3200 francos por ano.

As últimas pesquisas de opinião já previam que a lei conquistaria a maioria, mas revelavam um apoio decrescente para as reformas. Os pesquisadores disseram que muitos cidadãos estavam cada vez mais intrigados e irritados com a agitação de diferentes questões energéticas - muitas vezes difíceis de verificar - que foram apresentadas pelos adversários. Veja no gráfico abaixo os resultados finais, cantão por cantão.

Energia nuclear e pressão popular

É a oitava vez na história que os suíços têm a palavra final sobre a energia nuclear em uma votação nacional.

Em novembro passado, pouco mais de 54% dos eleitores rejeitaram uma proposta de limitar a vida útil das usinas nucleares a 45 anos. Isso significaria o fim da produção de energia nuclear até 2029.

A questão provavelmente permanecerá na agenda política. O Parlamento deverá agora considerar a introdução de impostos especiais sobre o clima e a eletricidade como parte de uma segunda fase da reforma energética.

Na semana passada, uma comissão de cidadãos começou a coletar assinaturas para uma proposta de proibição da produção de energia nuclear, bem como a participação financeira em tais usinas no exterior que exportam sua produção para a Suíça.

Os ativistas têm 18 meses para coletar pelo menos 100 mil assinaturas para forçar uma votação nacional.


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×