Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Imbróglio diplomático Defesa de Lula enviará novo comunicado ao Comitê da ONU

Advogados de Lula no Club suisse de la presse

Em Genebra, grupo de apoio ao ex-presidente Lula denuncia Brasil por não estar cumprindo com suas responsabilidades internacionais. Evento contou com (da esq. para dir.) o cientista político Paulo Sergio Pinheiro, o jurista francês William Bourdon, Valeska Zanin Teixeira e Cristiano Zanin, advogados de Lula.

(Jamil Chade)

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltará a denunciar seu caso ao Comitê de Direitos Humanos da ONU. Na quinta-feira em um evento no Club Suisse de la Presse, em Genebra, o advogado Cristiano Zanin Martins, informou que uma nova comunicação ao órgão internacional denunciará a situação vivida por seu cliente.  

O protesto, porém, não terá a capacidade de fazer com que a ONU acelere ou tome novas medidas em relação ao ex-presidente. Medidas cautelares já foram anunciadas em agosto e os peritos do orgão deixaram claro que apenas irão lidar com o mérito do caso em 2019. 

O governo brasileiro deixou claro, desde o início, que considerava a decisão do Comitê como sendo apenas uma recomendação, sem poder vinculante. 

No Judiciário, as medidas cautelares não resultaram em uma autorização ao ex-presidente para que ele pudesse ser candidato. Mesmo entre o grupo de apoio a Lula no exterior, a percepção é de que, legalmente, nada mais pode ser feito antes da eleição nos orgãos internacionais que possa surtir um impacto real.  

Na última terça-feira, o PT anunciou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como o candidato do partido à Presidência da República e Manuela d'Ávila (PCdoB) como vice na chapa. Haddad substituiu ao ex-presidente, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Lima. 

Brasil "quebra suas obrigações internacionais" 

No exterior, porém, a defesa do ex-presidente e seu grupo de apoio prometem continuar a denunciar o que chamam de uma “ameaça” ao estado de direito no Brasil. Nesta sexta-feira, o grupo deve enviar um comunicado à ONU para alertar que, mesmo depois das medidas cautelares anunciadas pela entidade, o Brasil continuou a ignorar o Comitê de Direitos Humanos. 

“Isso significa uma quebra das obrigações internacionais do Brasil e o País precisa fazer uma reflexão: ou participa dos instrumentos internacionais ou usa escudo da soberania para deixar de cumprir”, alertou Zanin.    

Em meados de agosto, o Comitê de Direitos Humanos da ONU havia concedido medidas cautelares e solicitado às autoridades brasileiras que mantivessem os direitos políticos de Lula até que seu caso fosse avaliado pelo Supremo Tribunal Federal. No início da semana, o Comitê de Direitos Humanos, reforçou em uma carta ao Itamaraty que o Brasil tem o dever de cumpriu sua determinação de garantir os direitos políticos do ex-presidente. 

A nova denúncia, porém, apenas terá como impacto o registro de que o governo ignorou o Comitê. A esperança é de que comunicação servirá para reforçar a tese da defesa, quando o órgão lidar com o mérito do caso de Lula, no próximo ano. 

“A alegação do Brasil é de que a decisão interfere em questões internas, pois significaria um ato de intromissão na soberania”, disse Zanin. “Mas foi o Brasil que, soberanamente, decidiu fazer parte do mecanismo em 2009”, alertou. 

“O argumento da soberania era o mesmo usado na ditadura militar para não aderir a tratados internacionais sobre direitos humanos”, explicou.

Apoio de juristas

Paulo Sérgio Pinheiro, ex-ministro de Direitos Humanos do governo de Fernando Henrique Cardoso e presidente da Comissão de Inquérito da ONU para os crimes na Síria, chamou a posição do Brasil de “constrangedora” e um “vexame”. “Ouvimos um espectáculo de estupidez”, afirmou.

“Quando a primeira denúncia foi apresentada, em 2016, o Brasil aceitou entrar no jogo e respondeu aos pedidos de informação do Comitê”, lembrou Pinheiro. “Em nenhum momento, o governo disse que o órgão não tem autoridade. Agora, quando a medida é anunciada, parece que se esqueceram que já tinham se engajado”, disse. 

O jurista francês William Bourdon, foi outro que denunciou o desrespeito do Brasil às decisões do Comitê. Ele, ao lado de outros juristas internacionais, assinou uma carta ao governo brasileiro apontando para a necessidade de que o mecanismo fosse respeitado. 

Para ele, existiria no Brasil um “desvirtuamento do combate à corrupção para garantir a morte política de Lula”.

Na sexta-feira, o grupo ainda realizará um evento dentro da ONU, às margens do Conselho de Direitos Humanos da entidade. O evento é organizado por ONGs e não se trata de uma reunião oficial das Nações Unidas. Mas apresentará um informe sobre uma série de violações de direitos humanos por parte do estado brasileiro em diversas áreas. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.