Diplomatas devem milhões em multas na Suíça

Entre 2014 e 2017, diplomatas estrangeiros deixaram o país sem pagar multas de trânsito que totalizam, só em Genebra, mais de CHF 3.4 milhões. Keystone

Diplomatas estrangeiros que residem nas cidades suíças de Berna e Genebra devem milhões de francos suíços em estacionamento e outras multas relacionadas ao trânsito que simplesmente são ignoradas todos os anos.

O jornal SonntagsZeitung informou no domingo que, entre 2014 e 2017, multas de mais de CHF 745.000 (US$ 764.000) foram emitidas para diplomatas estrangeiros no cantão de Berna, que abriga 90 embaixadas. No entanto, deste montante, apenas 141.300 francos suíços foram pagos.

No cantão de Genebra, sede europeia das Nações Unidas e de 33 missões diplomáticas, a situação é pior. Durante o mesmo período, as multas de trânsito excederam CHF 4 milhões. Mas as autoridades só conseguiram coletar pouco menos de 629 mil francos, deixando um déficit de CHF 3,4 milhões.

Os condutores de carros com placas diplomáticas beneficiam-se de imunidade diplomática sob as regras da Convenção de Viena de 1961 sobre relações internacionais. No caso de não pagamento de multas, os avisos de violação de trânsito serão normalmente passados ​​da polícia para o Ministério das Relações Exteriores da Suíça, que por sua vez encaminhará a notificação para as embaixadas.

A situação de pagamento parece ter melhorado ligeiramente nos últimos anos. Em 2010, apenas 10% das multas de trânsito diplomático no cantão de Berna foram pagas. No ano passado esse índice foi de 25% , e cerca de 20% em Genebra.

"O Ministério das Relações Exteriores da Suíça não comenta sobre o comportamento de pagamento do pessoal das missões diplomáticas estrangeiras na Suíça", disse no domingo um porta-voz do ministério suíço ao jornal Sonntagszeitung.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo