Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Indústria 4.0 "A revolução digital tem um efeito de um tsunami na indústria suíça."

A Suíça está pronta para surfar com sucesso na onda digital que atravessa o setor industrial. Mas cuidado, o afogamento não está excluído, adverte Xavier Comtesse.

Máquinas inteligentes que podem ser controladas e reparadas remotamente: Isto é o que oferece Bobst, uma empresa baseada no cantão de Vaud (oeste) especializada em sistemas para fabricantes de rótulos e embalagens

(© Keystone / Jean-christophe Bott)

Um comunicador nato, um faz-tudo visionário, um provocador, um extremista da inovação: não faltam termos para descrever Xavier ComtesseLink externo. O antigo cônsul científico suíço em Boston e ex-diretor do laboratório de ideias liberais Avenir SuisseLink externo, na Suíça francófona (ver quadro), publicou um livro junto com outros dez autores, incluindo Elmar MockLink externo, co-inventor do relógio Swatch. O livro pretende destacar os pioneiros da indústria 4.0 na Suíça ("Industrie 4.0 – The ShapersLink externo"). Entrevista com um “louco” pela tecnologia.

Junto com outros dez autores, Xavier Comtesse apresenta vinte empresas suíças que são pioneiras na indústria 4.0

(swissinfo.ch)

swissinfo.ch: Vamos primeiro definir a terminologia. O que o senhor quer dizer exatamente com indústria 4.0?

Xavier Comtesse: É muito simples. É sobre a revolução digital que é utilizada na indústria. Big data, inteligência artificial, a Internet das Coisas, impressoras 3D: todas essas inovações que surgiram nos últimos dez anos estão mudando fundamentalmente a produção de máquinas, objetos e bens de consumo.

Mesmo que passe um pouco despercebida pelo público, esta quarta revolução industrial é como um tsunami para a indústria suíça como um todo.

As três revoluções anteriores, especificamente a invenção da máquina a vapor no século XVIII, das máquinas-ferramentas no final do século XIX e da maquinaria controlada por computador no século XX, foram muito importantes. Mas ela é igualmente importante, senão mais.

swissinfo.ch: O senhor pode nos dar alguns exemplos concretos?

"Swiss Made"

Um dossiê especial sobre a Indústria suíça

X.C.: Há milhares. O especialista em embalagens Bobst, com sede no cantão de Vaud, por exemplo, é capaz de aguardar de maneira proativa as máquinas que vende em todo o mundo. Graças aos sensores integrados na máquina, o cliente sabe exatamente qual a peça a ser trocada em cada momento. A consulta ocorre remotamente, o que muda completamente a relação entre a fábrica e seu cliente. Em breve seremos capazes de reparar máquinas completamente à distância.

O “aprendizado de máquina” também proporciona resultados espetaculares. As máquinas fabricadas pela empresa Willemin-Macodel, no cantão Jura, podem ajustar-se se descobrirem que as peças que fabricam têm defeitos.

swissinfo.ch: Entre os " revolucionários 4.0 " que o senhor destaca em seu livro, há apenas algumas start-ups, mas sobretudo PMEs (pequenas e médias empresas) e grandes empresas industriais. Por quê?

X.C.: Contrariamente à opinião pública, as PMEs e as grandes empresas industriais criam mais empregos e patentes do que as empresas em fase de arranque. Eles estão mais atentos aos seus clientes e sabem como se adaptar rapidamente às suas necessidades.

Hoje, é preciso dizer que os grandes Institutos Federais de Tecnologia da Suíça (ETH), dos quais muitas empresas iniciantes emergem, perderam o bonde desta quarta revolução industrial.

Os engenheiros da Willemin-Macodel, que desenvolveram o novo sistema de autoaprendizagem, adquiriram seus conhecimentos em Delsberg através de cursos on-line na Universidade de Stanford (MOOC). A ETH de Lausanne não oferece qualquer formação em inteligência artificial.

swissinfo.ch: O senhor não está fazendo um alarido artificial sobre este slogan da "Indústria 4.0", tendo em vista o fato de que muitas empresas já iniciaram a mudança digital há muito tempo?

X.C.: Ouço frequentemente este argumento dos empresários que se recusam a interessar-se pelas mudanças em curso. O fenômeno é particularmente marcante no mundo da relojoaria. Mas esses obsoletos esquecem que antes do lançamento do primeiro iPhone em 2007, por exemplo, não fomos capazes de coletar e analisar dados do usuário em grande escala, como faz a Tag Heuer com seu "relógio inteligente". Conhecer os hábitos e motivações dos seus clientes é uma vantagem competitiva crucial na economia do século XXI.

swissinfo.ch: A revolução que o senhor descreve representa uma oportunidade ou um risco para a indústria suíça?

X.C.: Ambos. As empresas que não se adaptarem serão em breve condenadas à morte. Mas para aqueles que podem aproveitar a sua oportunidade, há muitas possibilidades.

Xavier Comtesse luta incansavelmente para convencer as pessoas dos benefícios da inovação tecnológica

(Keystone / Martial Trezzini)

Com esta mudança digital, a esperança de um deslocamento das atividades industriais para o Ocidente foi despertada pela primeira vez. A automatização quase completa da produção, possibilitada por estas novas ferramentas, permite que as nossas economias sejam novamente competitivas, face aos mercados emergentes.

swissinfo.ch: No entanto, esta automação vai deixar muitos funcionários “na mão”. Boas notícias para as máquinas, ruim para as pessoas...

X.C.: Não, pelo contrário: veremos a criação de novos empregos mais criativos e menos assustadores. As profissões estão mudando, a fronteira tradicional entre a indústria e os serviços está desaparecendo. Serão criados muitos empregos nas áreas de coaching, assistência pessoal, saúde, etc. As pessoas vão trabalhar mais e mais umas com as outras, em vez de com máquinas. Estamos de alguma forma nos aproximando do Jardim do Éden.

swissinfo.ch: O senhor é muito otimista. Mas será que a Suíça tem realmente as mesmas ferramentas para competir com os gigantes chineses e americanos, por exemplo?

X.C.: É sempre mais fácil dominar o "hardware" e depois desenvolver o "software", ou seja, possuir o know-how, o conhecimento industrial, e depois integrar algoritmos e big data. A Suíça, com a sua grande tradição na indústria de ponta, está muito bem posicionada a este respeito em comparação com outros países como os EUA, que favoreceram a abordagem "software".

swissinfo.ch: As autoridades suíças reconheceram os desafios que o senhor descreve?

X.C.: Não, há muita ignorância no mundo político. Nenhum conselheiro federal está em posição de entender as mudanças na indústria. O meu livro também tem uma função educativa. Gostaria de utilizar exemplos concretos para mostrar como estas mudanças afetam as empresas. Enviarei a cada conselheiro federal uma cópia do meu livro.

Xavier Comtesse

Xavier Comtesse, nascido em 1949, é cientista, diplomata, fundador de start-ups e think tanks (bancos de ideias). Licenciado em Matemática e Ciências da Computação, com doutoramento pela Universidade de Genebra, fundou três start-ups em Genebra nos anos 70, incluindo as Éditions ZoéLink externo.

Em 1992 foi nomeado diretor da Secretaria Nacional de Ciência, Pesquisa e Educação, em Berna. Em 1995 foi enviado para a Embaixada da Suíça em Washington, como diplomata científico. Em 2000 tornou-se o primeiro Cônsul de Ciências suíço em Boston, onde desenvolveu o conceito SwissnexLink externo.

Em 2002 foi nomeado Diretor do Think Tank Avenir Suisse, que lida principalmente com questões de inovação. Em 2012 ele fundou o Swiss Creative CenterLink externo ​​​​​​​, a pedido da Câmara de Comércio e Indústria de Neuchâtel, que se dedica à nova revolução industrial. Dois anos mais tarde, juntamente com Elmar Mock, fundou o "Watch Thinking", um think tank para a indústria relojoeira. Em 2015, a coleção "Health@Large" foi completada com um novo think tank para a saúde digital.

Aqui termina o infobox



Adaptação: Flávia C. Nepomuceno dos Santos

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.