Recursos naturais esgotados para 2019

Em apenas cinco meses de 2019, a humanidade já consumiu mais do que o planeta pode produzir de forma sustentável em um ano. Os suíços usam mais do dobro.

Este conteúdo foi publicado em 29. julho 2019 - 08:45
A humanidade está atualmente usando a natureza 1,75 vezes mais rápido do que os ecossistemas do nosso planeta podem regenerar KEYSTONE/AP/ELDAR EMRIC

Nos últimos 20 anos, o Dia da Sobrecarga da Terra avançou dois meses, para 29 de julho, a data mais recuada desde que o défice ecológico começou no início da década de 1970, de acordo com a Global Footprint Network. "Isto significa que a humanidade está atualmente usando a natureza 1,75 vezes mais rápido do que os ecossistemas do nosso planeta podem regenerar, equivalente a 1,75 Terras", observa a organização internacional de sustentabilidade.

Se todos vivessem um estilo de vida suíço, a humanidade exigiria cerca de três Terras, ressaltou a seção suíça da organização ambientalista WWF no domingo (28).

Segundo o WWF, o consumo de alimentos na Suíça é responsável por 19% das emissões de gases de efeito estufa e 28% da poluição ambiental privada. Aqueles que comem carne apenas três vezes por semana podem reduzir sua pegada ecológica em um quinto na área de alimentos, sugere o WWF.

Emissões de CO2 e compensação

O WWF também cita a popularidade das viagens aéreas como principal contribuinte para as emissões de CO2; diz que as pessoas na Suíça voam cerca de três vezes mais do que os outros europeus.

No entanto, de acordo com o jornal Le Matin Dimanche, os suíços têm contribuído mais para os sistemas de compensação de emissões de CO2. No primeiro semestre deste ano, eles doaram cerca de 400% a mais do que no mesmo período do ano passado.

No domingo, o jornal citou dados da organização suíça de compensação de CO2 myclimate, que gerou receitas totais de 1,6 milhão de francos (US$1,61 mi) em 2018. O dinheiro apoia projetos na Suíça e em 22 países da África, Ásia e América Latina.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo